Olhar Direto

Sábado, 27 de novembro de 2021

Notícias | Política MT

UNIÃO BRASIL

Mauro ameniza eventual debandada de deputados do PSL em fusão com o DEM: ‘não se perde aquilo que não tem’

14 Out 2021 - 17:49

Da Redação - Airton Marques / Do Local - Fabiana Mendes

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Mauro ameniza eventual debandada de deputados do PSL em fusão com o DEM: ‘não se perde aquilo que não tem’
O governador Mauro Mendes não teme que eventual debandada de deputados estaduais do PSL prejudique seu governo e o partido que será formado a partir da fusão com o DEM, o União Brasil. Segundo o democrata, ele não pode perder o apoio de quem nunca lhe apoiou.

Leia também:
Mauro critica valor fixo do ICMS sobre combustíveis e desconfia de “medida populista” da Câmara

É que além da possibilidade de a nova sigla não apoiar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a oposição feita por boa parte dos quatro parlamentares é fator que pode fazer com que os hoje filiados ao PSL não sigam na nova legenda.

“Isso é natural (eventual saída). Nunca foram (da base). A gente nunca perde aquilo que não tem”, disse, em conversa com a imprensa nesta quinta-feira (14).

Isso é natural (eventual saída). Nunca foram (da base). A gente nunca perde aquilo que não tem

Atualmente o PSL tem quatro cadeiras na Assembleia Legislativa (ALMT): Delegado Claudinei, Elizeu Nascimento, Gilberto Catanni e Ulysses Moraes. Até então, enquanto os líderes partidários aguardam autorização do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) - o que pode demorar mais de três meses, os parlamentares prezam pela cautela e evitam falar sobre o assunto.

Claudinei, Elizeu e Cattani tem forte ligação com Bolsonaro e declaram que irão seguir as orientações do presidente; já Ulysses, que surgiu na política pelo MBL, faz oposição ferrenha ao Governo Mauro e já deu sinais de poder deixar o partido no início do ano, quando o ex-senador Cidinho Santos se filiou, assumiu o comando e levou a sigla para a base de sustentação do governador.

Caso os quatro parlamentares continuem, o União Brasil terá a maior bancada na Assembleia, chegando a seis cadeiras; o DEM tem Dilmar Dal Bosco e Eduardo Botelho, que não dão qualquer sinal de seguir caminho diferente.

Sobre o comando do partido em Mato Grosso, Mauro voltou a refutar a possibilidade de ser o presidente estadual. Disse que apesar de até querer a função, não tem tempo para administrar o estado e conduzir a legenda para as eleições de 2022. Anteriormente, o governador adiantou que apoia o nome de Fabio Garcia, presidente regional do DEM, para o papel.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet