Olhar Direto

Domingo, 05 de dezembro de 2021

Notícias | Cidades

Terra Indígena Kayapó

Polícia Federal cumpre 74 mandados contra grupo especializado em extração ilegal de ouro em MT e outros nove estados

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Polícia Federal cumpre 74 mandados contra grupo especializado em extração ilegal de ouro em MT e outros nove estados
A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (27), a 'Operação Terra Desolata', com objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada em extração e comércio ilegal de ouro. O grupo atua no sul do Pará, mas mandados estão sendo cumpridos também em Mato Grosso e outros estados. Os criminosos atuam dentro da Terra Indígena Kayapó, conforme apontam as autoridades.

Leia mais:
Gaeco realiza operação para desvendar esquema fraudulento que movimentou R$ 71 milhões

São 12 mandados de prisão preventiva e 62 de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal da Justiça Federal no Pará.  As ordens judiciais são cumpridos no Pará, Mato Grosso, Distrito Federal, Amazonas, Goiás, Roraima, São Paulo, Tocantins, Maranhão e Rondônia.

A Polícia Federal constatou, durante as investigações, que cerca de uma tonelada de ouro é extraída de forma ilegal das terras indígenas do sul do Pará todos os anos.

De acordo com a PF, as investigações começaram em 2020 e apontam que o grupo criminoso atua em três níveis diversos.

O primeiro trata dos garimpeiros comuns, que extraem o ouro, sem Permissão de Lavra Garimpeir (PLG). Em seguida, eles vendem o ouro para intermediários, que estão no segundo nível.

Já os intermediários revendem o ouro para grandes empresas, que seriam o terceiro nível do esquema, para no fim injetá-lo no mercado nacional ou destiná-lo para exportação.

No curso da investigação, foi identificada a existência de garimpo ativo em áreas particulares, que serão objeto de busca e apreensão em ação conjunta com o Ministério Público do Trabalho, locais em que há suspeita de se ter trabalhadores em condições análogas à de escravo.

Os crimes que envolvem a associação são de usurpação de bens da União por explorar matéria-prima; por executar pesquisa, extração de recursos minerais sem a competente autorização; por integrarem organização criminosa; e pelo crime de lavagem de dinheiro.

O nome da Operação “Terra Desolata” faz referência à expressão italiana equivalente à expressão em português “Terra Devastada”, uma vez que o ouro extraído de forma ilegal no sul do Pará é enviado para Europa, tendo a Itália como porta de entrada, deixando apenas a terra devastada, segundo a PF. (Com informações do G1)
 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet