Olhar Direto

Sexta-feira, 27 de maio de 2022

Notícias | Cidades

Recomendação da Anvisa

Vacinação de crianças contra Covid-19 não pode ser aplicada no mesmo ambiente de adultos

Foto: Drazen Zigic/Shutterstock

Vacinação de crianças contra Covid-19 não pode ser aplicada no mesmo ambiente de adultos
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda que a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 seja realizada em ambiente específico e segregado da vacinação de adultos, além de um ambiente acolhedor e seguro para a população. As primeiras doses para este público devem chegar a Mato Grosso nesta sexta-feira (14).

Leia também:
MT recebe primeiras doses de vacina contra Covid-19 para crianças nesta sexta-feira

Ainda segundo as recomendações do órgão, a sala de aplicação de vacinas em crianças deve ser exclusiva para a aplicação desta vacina, não se podendo aplicar outras vacinas, ainda que pediátricas. A vacina contra Covid-19 não pode ser administrada de forma concomitante a outras vacinas do calendário infantil, precisando respeitar um intervalo de 15 dias.

O esquema vacinal para crianças terá o intervalo de oito semanas. O imunizante tem dosagem e composição diferentes da que é utilizada na dose para os maiores de 12 anos.

A vacina para crianças será aplicada em duas doses de 0,2 mL (equivalente a 10 microgramas). A tampa do frasco da vacina virá na cor laranja, para facilitar a identificação pelas equipes de vacinação e também pelos pais, mães e cuidadores que levarão as crianças para serem vacinadas.

A vacinação de crianças desta faixa-etária ocorrerá com o acompanhamento de pais ou responsáveis. Para fins de registro, deverá ser exigido um documento oficial de identificação da criança e não será necessária a apresentação de prescrição médica para o ato da vacinação.

Todas as informações e recomendações sobre a aplicação da vacina contra Covid-19 para crianças de 05 a 11 anos foram repassadas aos secretários municipais em reunião ocorrida nessa semana com o Secretário Adjunto de Vigilância em Saúde da SES, Juliano Mello. O documento com as recomendações da Anvisa pode ser acessado neste link. 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet