Olhar Direto

Segunda-feira, 27 de junho de 2022

Notícias | Cidades

Tragédia na BR

Homem perdeu amigo e tios que morreram após colisão entre ônibus e caminhão na BR-163: 'foi um choque'

Foto: Reprodução

Até o momento foram confirmadas oito mortes e cinco feridos internados

Até o momento foram confirmadas oito mortes e cinco feridos internados

Quando os corpos dos passageiros do ônibus que bateu em uma carreta na BR-163, em Vera, na terça-feira (17), começaram a chegar no IML de Sinop, o papiloscopista Marcos Nunes Neto ainda não sabia que seus tios e um colega de trabalho estavam entre eles. Marcos chegou a coletar a digital de Alfredo Lopes da Silva, de 65 anos, sem saber que era o tio. 

Leia também:
Em áudio, motorista relata problema mecânico antes de acidente que matou oito na BR-163; ouça

Filha de motorista que sofreu acidente na BR-163 faz vaquinha para visitar o pai que está em estado grave

“Coletei as digitais dele, mas naquela correria nem imaginava quem era, foi outro choque. Eles tinham vindo de Cuiabá para visitar a filha que estuda em Sinop. Grandes pernas naquele dia”. 

Maria Carneiro, de 61 anos, que também morreu no acidente, era tia de Marcos. O papiloscopista dividia a rotina de trabalho e a profissão com Clayton Aparecido da Silva, de 37, que seguia viagem para Sinop no mesmo ônibus que os tios dele. 

Naquele dia, Clayton viajava para a cidade para assumir o plantão assim que Marcos deixasse o posto. Eles trocaram mensagens antes do acidente, quando Clayton informou que chegaria atrasado em Sinop após o ônibus quebrar. 

“Às 9h30 ele mandou mensagem que teria um ônibus para levar os passageiros até Lucas do Rio Verde. Foi a última mensagem. Continuei no plantão aguardando ele e recebemos a notícia do acidente na BR-163”. 

No primeiro momento, Marcos também não imaginou que o colega de trabalho estava no veículo envolvido no acidente. O papiloscopista ficou sabendo apenas quando a esposa de Clayton ligou para contar sobre a morte. 

“Foi um choque, todos ficamos abalados. Tivemos a confirmação do óbito do Clayton que seria identificado em Sorriso. Organizamos duas equipes da Politec de Sinop para participar do velório e funeral dessa pessoa tão exemplar”. 

Mãe e filhos internados em estado grave 

A dona de um salão de beleza e os dois filhos, de 11 e cinco anos, estão entre as quatro vítimas internadas no Hospital Regional de Sinop. Ângela Fátima de Souza, de 47 anos, Raul Vitor e Maria Eduarda, voltavam para casa quando o ônibus de viagem bateu na carreta. 

Raul Vitor é quem tem o quadro mais crítico, de acordo com o cunhado de Ângela Fátima, Elizeu Zorzan. O menino precisou passar por uma cirurgia de emergência e chegou a perder uma parte do osso do crânio. Ele está em coma. 

A família estava no segundo andar do ônibus que foi atingido por destroços da carreta após a colisão. O veículo de carga estava carregado com soja. O motorista teve ferimentos leves, mas também foi encaminhado para uma unidade de saúde. 

Até o momento foram confirmadas oito mortes. A professora Sidinei de Oliveira Cardoso, de 48 anos, e o filho, Carlos André Fidelis Oliveira Cardoso, de 14, estão entre as vítimas. 

Também morreram no acidente: Alfredo Lopes da Silva (65), Maria Carneiro (61), Clayton Aparecido da Silva (37), Brena Nunes Ronsoni (24), Pedro Henrique Rodrigues Leal Pinto (21), Deborah Costa de Almeida (21).

O motorista do ônibus Edmilson Pereira, está internado no Hospital Regional de Sorriso. Ele teve um dos braços decepados durante o acidente e precisou passar por cirurgia.

Motorista invadiu contramão

Em análises preliminares, as equipes constataram marcas de frenagem na pista contrária, sentido Sorriso. No entanto, a dinâmica do acidente ainda será investigada por perícias. 

Sobre a hipótese do motorista do ônibus ter dormido enquanto dirigia, o inspetor da PRF afirmou que a possibilidade também será investigada pela Politec. 

O motorista do caminhão, que tombou sobre a pista e derramou toda a carga de soja que transportava, sofreu lesões leves.

A empresa Expresso Itamarati, onde Edmilson trabalhava como motorista, negou que ele tenha excedido a jornada de trabalho permitida. 

“Prepostos da empresa se deslocaram ao local imediatamente após o ocorrido para prestar assistência às vítimas e familiares, bem como para contribuir com as autoridades competentes para apuração das causas do acidente” 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet