Olhar Direto

Sábado, 20 de julho de 2024

Notícias | Política MT

RAGNATELA

Alvo de operação da PF, vereador Paulo Henrique é acionado na Comissão de Ética

10 Jun 2024 - 12:56

Da Redação - Luis Vinicius / Do local - Max Aguiar

Alvo de operação da PF, vereador Paulo Henrique é acionado na Comissão de Ética
O presidente da Câmara dos Vereadores de Cuiabá, Chico 2000 (PL), acatou, na manhã desta segunda-feira (10), pedido da bancada de oposição e vai acionar o vereador Paulo Henrique (MDB) na Comissão de Ética da Casa de Leis. A solicitação ocorre depois que o parlamentar foi alvo de busca e apreensão na Operação Ragnatela, que investiga um grupo criminoso suspeito de lavar dinheiro por meio de casas de shows.


Leia também
Paulo Henrique nega ter ajudado o Comando Vermelho a conseguir licenças na prefeitura: 'jamais exerci influência'
 
Assinaram o documento: Maysa Leão (Republicanos), Dilemário Alencar (União), Sargento Joelson (PSB), Demilson Nogueira (PP), Luiz Fernando (União), Michely Alencar (UB) e Eduardo Magalhães (Republicanos). Caso o requerimento seja acolhido, Paulo Henrique poderá ter o mandato cassado. O requerimento será lido em plenário nesta terça-feira (11), para que os vereadores e a sociedade sejam informados de forma oficial.
 
“Os Vereadores abaixo assinados solicitam a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cuiabá que o grave caso que envolve o nome do vereador Paulo Henrique seja remetido à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, para os devidos encaminhamentos, devendo a apontada Comissão emitir parecer sobre o caso, observado o devido processo legal e o direito de ampla defesa e do contraditório ao Parlamentar”, diz trecho do documento que a reportagem teve acesso.
 
De acordo com a Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco), o vereador é suspeito de usar o Sindicato dos Agentes de Regulação do Município de Cuiabá (Sindarf-MT), da qual é presidente, para lavar dinheiro oriundo do tráfico. Agentes também cumpriram mandados de busca e apreensão no local.

"A Comissão de Ética não age se não for provocada. Então, nós fizemos essa provocação para que o caso do vereador Paulo Henrique seja apurado pela Comissão de Ética. Ele precisa, no mínimo, trazer explicações e provas de que não está envolvido. Se ele não conseguir comprovar, ele precisa ser cassado", disse a vereadora Maysa.

Também membro do grupo de oposição ao prefeito na Casa de Leis, o vereador Luiz Fernando (UNIÃO) falou com a reportagem do Olhar Direto e comentou que por enquanto não viu nenhum tipo de defesa por parte de Paulo Henrique e nem foi procurado para ouvir qualquer explicação. Por isso ele apoia que a Comissão de Ética seja acionada para dar oportunidade do colega parlamentar se defender. "Pelo menos eu e nem minha equipe fomos procurados para saber o que de fato aconteceu. Então, não estamos aqui para jogar pedra ou julgar ninguém, mas para saber as explicações do vereador. A Comissão é uma oportunidade dele se explicar e dar sua versão dos fatos. O que sabemos é o que está na imprensa. Por isso, inclusive, foi deferida pelo presidente Chico 2000 que seja aberta a Comissão para o Paulo de explicar. É necessário que tudo isso seja apurado", comentou o vereador. 
 
O grupo criminoso chegou a comprar uma carga de telha avaliada em R$ 10,5 mil e distribuir na sede da entidade. A informação consta nos autos da decisão assinado pelo juiz de direito João Francisco Campos de Almeida, que desencadeou a ação, na última quarta-feira (5).
 
O parlamentar foi alvo de busca e apreensão, tendo seu veículo detido pelos policiais. Ele é apontado como suspeito de auxiliar na liberação de licenças e alvarás para casas noturnas supostamente usadas em um esquema de lavagem de dinheiro para o Comando Vermelho (CV).
 
Em nota encaminhada à imprensa, Paulo Henrique negou as acusações. Ele ressaltou que jamais exerceu qualquer poder de influência na liberação de eventos e lembra que as casas de shows que também foram alvo da operação foram autuadas durante fiscalização.
 
O vereador ainda disse que não tem relação com os fatos que assessores realizam em particular, “quando tomado conhecimento de algo ilícito faço as medidas cabíveis de exoneração”.
Entre no nosso canal do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet