Olhar Direto

Quarta-feira, 17 de julho de 2024

Notícias | Cidades

atlas da violência

MT segue entre os piores estados em violência contra mulheres, com taxa de homicídios quase o dobro da média nacional

Foto: Freepick

MT segue entre os piores estados em violência contra mulheres, com taxa de homicídios quase o dobro da média nacional
O estado de Mato Grosso continua com números preocupantes em relação à violência contra mulheres. Segundo dados do Atlas da Violência, divulgado nesta terça-feira (18), a taxa de homicídios de mulheres no estado em 2022 foi de 6,2 por 100 mil habitantes, quase o dobro da média nacional, que ficou em 3,5 por 100 mil.


Leia também
Jovem de 18 anos é morta a facadas pelo namorado durante discussão por ciúmes


Com isso, Mato Grosso figura como o terceiro estado com maior índice de mortes violentas contra mulheres no país, ficando atrás apenas de Roraima (10,4 por 100 mil) e Rondônia (7,2 por 100 mil). Os dados foram coletados pelo Atlas da Violência, um projeto conjunto do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do IPEA.

Em 2022, foram registrados 108 assassinatos de mulheres, dos quais 81 eram mulheres negras. No ano anterior, em 2021, o número total de assassinatos de mulheres foi de 81, sendo 62 das vítimas mulheres negras. 

De acordo com o estudo, em termos agregados no Brasil, em 2022, a chance de uma mulher negra ser assassinada era 1,7 vezes maior do que a de uma mulher não negra.

Recentemente, um caso ocorrido em Guiratinga contra uma jovem tomou conta do noticiário no estado. Jhulia Glezia Souza Neres, de 18 anos, foi assassinada a facadas na noite do último sábado (15) pelo ex-namorado Matheus Martins Araújo, de 23 anos. Ele foi preso nesta segunda-feira (18), em Itiquira, e confessou ter matado Jhulia por ciúmes. O caso foi registrado como feminicídio. 

Segundo o estudo, em um país de dimensões continentais como o Brasil, compreender as nuances de violência de cada região e suas especificidades é fundamental para orientar a formulação de políticas públicas mais eficazes. 

Diz ainda que, para além das nuances regionais, é preciso também um olhar direcionado para as particularidades da violência contra a mulher enquanto fenômeno.
Entre no nosso canal do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet