Olhar Direto

Domingo, 19 de setembro de 2021

Notícias | Cidades

Aviação

Wellington Fagundes cobra voos regionais e internacionais para aquecer turismo e economia

Foto: Da Assessoria

Deputados federais Júlio Campos e Wellington Fagundes com o presidente do Parlasul, Rubén Martínez Huelmo (do Uruguai)

Deputados federais Júlio Campos e Wellington Fagundes com o presidente do Parlasul, Rubén Martínez Huelmo (do Uruguai)

O deputado federal e senador eleito, Wellington Fagundes (PR), cobrou um incremento na aviação regional e internacional, em Mato Grosso. Ele apontou ainda as dificuldades para se chegar a países próximos da América do Sul, como a Bolívia: “O passageiro é obrigado a ir pra São Paulo para depois voltar em direção a La Paz”.

Veja mais:
Falta de voo internacional ‘empaca’ turismo para jogo da seleção na Arena Pantanal
 
A cobrança do político foi feita durante encontro realizado em Montevidéu (Uruguai), no Parlamento do Mercosul (Parlasul), do qual o deputado é membro. Para ele, o incremento pode resultar em maior integração entre os países, na facilidade de transporte de cargas, no aquecimento do turismo regional e num intercâmbio cultural entre as populações.
 
Wellington acredita que é necessário investir mais em infraestrutura de transportes: “Grande parte dos aeroportos existentes e que poderiam exercer papel estratégico de promover a integração física do Mercosul não conta com infraestrutura para abrigar os serviços alfandegários, de movimentação de cargas e de passageiros”.
 
O deputado ainda lembrou que os investimentos que estão sendo realizados no Brasil podem ajudar o Estado avançar neste sentido: “Acredito que as novas regras irão incrementar também o turismo interno e aquecer a economia, já que os investimentos em novos aeroportos devem resultar na definição de novas rotas comerciais e no aumento de passageiros”.

Vale lembrar que durante a Copa do Mundo de 2014, o Aeroporto Marechal Rondon, localizado em Várzea Grande, possuia um voo internacional da empresa AmasZonas, que ligava a capital mato-grossense à Santa Cruz de La Sierra (Bolívia). Porém, a Receita Federal decidiu suspender a portaria que autorizava o voo, porque as obras no local ainda não foram finalizadas.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet