Olhar Direto

Sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Notícias / Mundo

'Morreu em martírio pela liberdade', diz pai de jornalista morto na Síria

G1

21 Ago 2014 - 04:45

Foto: (Foto: AP Photo/Jim Cole)

John e Diane Foley falam nesta quarta-feira (20) com a imprensa sobre a morte do filho por jihadistas do grupo Estado Islâmico

John e Diane Foley falam nesta quarta-feira (20) com a imprensa sobre a morte do filho por jihadistas do grupo Estado Islâmico

Sequestrado há 2 anos, James Foley foi degolado por jihadistas.
Obama diz que mundo está chocado com morte de jornalista.

O pai do jornalista americano decapitado por jihadistas na Síria falou pela primeira vez aos jornalistas depois da divulgação do vídeo da morte de seu filho, e considerou nesta quarta-feira (20) que James Foley havia morrido em um "martírio pela liberdade" e não merecia ser "massacrado".

Falando em frente a sua casa em Rochester (New Hampshire, no nordeste dos Estados Unidos) o pai de James Foley, decapitado por jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) na Síria, disse que seu filho permaneceu "valente até o fim".

"Tudo isto não faz sentido", declarou John. "A maneira como ele morreu é horrível. Testemunha a sua coragem. Acreditamos que ele morreu como um mártir, em martírio pela liberdade."

"Era a sua paixão. Ele não era louco. Ele era motivado pelo que acreditava ser o seu dever", acrescentou John Foley sobre o mais velho de seus quatro filhos, que havia sido sequestrado pela primeira vez na Líbia, em 2011, e depois no final de 2012, na Síria.

Com a voz entrecortada, John afirmou que as últimas palavras de seu filho, foram: "Eu gostaria de ter mais tempo para ver minha família".

"Nós sabemos que Jimmy está livre, e que está agora nas mãos de Deus", declarou.

James Foley, de 40 anos, que trabalhava para o site de notícias GlobalPost e para a Agence France-Presse, foi decapitado por jihadistas do Estado Islâmico. Sua execução, cometida por um homem mascarado com sotaque britânico, foi postado terça-feira na internet.

A Casa Branca e o FBI confirmaram nesta quarta-feira a autenticidade do vídeo.

O presidente americano, Barack Obama, declarou que o mundo inteiro está chocado com a execução do jornalista. "Nenhum Deus justo apoiaria o que eles fizeram ontem", disse Obama sobre a decapitação de Foley pelo EI, mostrada em um vídeo divulgado pelo grupo.

A polícia britânica lembrou nesta quarta que assistir ao vídeo da decapitação de Foley pode constituir um crime. O mesmo texto afirma que a polícia investiga o conteúdo do vídeo, depois de vários indícios que mostram que o jihadista que realiza a decapitação é um britânico, por seu sotaque e gírias.
Sitevip Internet