Olhar Direto

Notícias / Política MT

Ofensas são deixadas no passado e primeiro encontro de Silval e Taques tenta passar interesse em governabilidade

Da Reportagem Local - Ronaldo Pacheco e Raoni Ricci

07 Out 2014 - 19:50

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

O atual chefe do Poder Executivo, Silval Barbosa, conversa com o sucessor Pedro TAques:  sem cobranças nem ataques

O atual chefe do Poder Executivo, Silval Barbosa, conversa com o sucessor Pedro TAques: sem cobranças nem ataques

Quem esperava acidez, encontrou respeito. Nem críticas, tampouco elogios; apenas cordialidade no primeiro encontro do governador Silval Barbosa (PMDB) com o governador eleito José Pedro Taques, no início da noite desta terça-feira (07), no Palácio Paiaguás. “Conversamos sobre o que interessa a Mato Grosso: governabilidade. Falamos de ações práticas”, pontuou Taques, à saída do Centro Político e Administrativo (CPA), evitando a maioria dos temas polêmicos que abordou durante a campanha.
 
"Agora ele é “vidraça”, avalia herdeira política de Riva na Assembleia sobre Pedro Taques

“Desejamos informações que nos permitam trabalhar desde o primeiro dia de mandato. E o governador Silval foi bastante receptivo”, pontuou ele. Na campanha, Taques não poupou críticas a Silval, destacando os baixos índices de Mato Grosso na educação e as críticas mais pesadas sobre a saúde e a segurança pública.
 
Antes da vitória nas urnas, Pedro Taques também acusava Silval de fazer “um governo atrapalhador” dos empreendedores. Desta vez, passou ao largo e nem quis comentar o fato.
 
Pedro Taques lembrou que o importante, no momento, é priorizar a viabilidade dos principais compromissos de campanha, como a construção do Hospital Estadual com 350 leitos, em Cuiabá, que pode forçar mudanças tanto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) quanto na Lei Orçamentária Anual (LOA). Ambas estão em fase de debate na Assembleia Legislativa.
 
Sival Barbosa elogiou “o espírito público e a cordialidade” de Pedro Taques. “As portas do governo estão abertas. Todas as informações solicitadas serão repassadas”, assegurou Barbosa. Ele não quis comentar a denúncia do governador eleito de que haveria “venda de incentivos fiscais”, na Secretaria de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme). “Eu li qualquer coisa sobre isso, na imprensa... mas, para mim, o senador Pedro Taques não fez qualquer referência sobre o assunto”, desconversou Barbosa.
 
Nos próximos dias, Silval e Taques devem ter pelo menos mais um encontro, para formalizar a Comissão de Transição dos dois governos – o que entre e o que sai. Estão definidos até agora somente os coordenadores: Pedro Nadaf, secretário da Casa Civil, nomeado por Silval; já o prefeito Otaviano Pivetta (PDT), de Lucas do Rio Verde, escolhido por Taques.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • WALTER MENDES/Brasília
    08 Out 2014 às 14:10

    Mais uma vez, muito bem Dr. Pedro Taques! Essa sua postura como novo governador dá esperança ao povo mato-grossense de que o foco do seu trabalho será o desenvolvimento do estado como um todo. Não é novidade de que as áreas da saúde, educação e segurança pública – dentre outras - precisam de uma atenção redobrada do governo, não apenas no Estado, mas também em todo o Brasil. Na saúde, por exemplo, especialistas alardeiam que o Sistema Único de Saúde-SUS é um sistema muito bem concebido pelo governo brasileiro, capaz de propiciar o atendimento pleno nessa área. Mas só que na prática as engrenagens desse sistema não estão funcionando adequadamente. A saúde tá um caos. Pessoas que dormem nas filas para poder marcar um atendimento, que muitas das vezes acontecem meses depois. Hospitais abarrotados de pessoas esperando por atendimento. Muitos dos doentes, idosos, crianças e adultos, nos corredores dos hospitais e prontos socorros, no chão, em macas improvisadas, na esperança de serem atendidos, o que nem sempre acontece. Por todo o lado se vê o desespero das pessoas precisando de atendimento, vendo os seus entes queridos morrendo nas filas dos hospitais por falta de profissionais e da precariedade desse sistema que não está funcionando conforme se esperava. São muitas as questões

  • WALTER MENDES/Brasília
    08 Out 2014 às 08:25

    Esse é o caminho novo governador Pedro Taques, a conversa, o diálogo. Vamos buscar o entendimento, vamos unir forças, juntar, não espalhar. Os governos estaduais e municipais enfrentam uma verdadeira batalha para dar conta do recado, as demandas são imensas e de toda ordem – saúde, educação, segurança pública, infraestrutura etc - , os recursos locais são escassos, pois estão maciçamente centralizados na União. Há uma infinidade de obras de infraestrutura e mobilidade urbana iniciadas no governo Silval Barbosa que precisam ter continuidade e serem finalizadas/realizadas no Estado. O dilema dos problemas na área da saúde que atormentam a população, principalmente, precisam ser equacionadas. Vai precisar de muito trabalho e articulação política do novo governador para tratar todas essas questões. O foco é a boa gestão do Estado, que deverá contar com o apoio dos parlamentares eleitos para que seja bem sucedida, sem amarras, é o que desejamos para o governo Pedro Taques.

  • mazaropi
    08 Out 2014 às 08:08

    Vamos ver, todos os órgãos públicos estão lotados de apadrinhados, funciona muito bem com a metade do que ali estão, é só querer trabalhar, basta de ficar o dia inteiro grudado na internet, só esperando para receber no final do mês!

  • Angelo Falcão de Figueiredo
    08 Out 2014 às 07:13

    Pelos sorrisos, os dois estão certos politicamente falando, já que na próxima eleição, podem ficar do mesmo lado. Assim caminha a humanidade! Aproveito para comentar informações na mídia, pelo que entendi, em relação às palavras do Piveta: o Governo colocará nos Cargos de primeiro, segundo e terceiro escalão, funcionários de carreira. Será que ele não vai atender aos pedidos dos políticos pra preencher as vagas dos DAS? Se não, desse jeito vai acabar o fenômeno dos paraquedistas que chagam às repartições Públicas, no período pós eleitoral e até pré, não entendendo nada, verdadeiros ASPONEM e quem toca tudo, são os abnegados antigos funcionários!! Coisas do Brasil

  • José
    07 Out 2014 às 22:25

    Verifique os bolsos Pedro

Sitevip Internet