Olhar Direto

Notícias / Cidades

Polícia Civil prende quadrilhava que usava guarda-chuvas para assaltar agências bancárias

Da Redação- Max Aguiar

15 Jun 2013 - 18:08

Foto: Ilustração/Reprodução

Polícia Civil prende quadrilhava que usava guarda-chuvas para assaltar agências bancárias
A Polícia Civil prendeu em operação realizada em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná, dez pessoas que praticavam crimes em agências bancárias utilizando guarda-chuvas escuros para se esconderem das câmeras de vigilância. Cinco presos moram em Cuiabá e já tinham esquematizados outros ataques em terminais do Estado.

Quadrilha faz arrastão em condomínio de luxo em Boituva, SP
Quadrilha é presa tentando resgatar presos em Fórum de Várzea Grande

Os assaltantes foram descobertos quando a Polícia sul-mato-grossense encontrou um comprovante de uma loja de departamentos que relacionava a compra de guarda-sol, chaves de fendas e uma furadeira de pressão.

De acordo com a assessoria da Polícia Civil, os irmãos Jonas de Oliveira, Josias de Oliveira, Marilene de Oliveira e Joel de Oliveira, que é cadeirante, foram presos pelo Garras em Campo Grande (MS) e a mulher de Joel, Adriana Aparecida Miranda, no Estado do Paraná. De acordo com as investigações, conduzidas pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Civil de Mato Grosso em parceria com o Grupo Armado de Repressão a Roubos, Assaltos e Sequestros (Garras), da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, a modalidade de roubo usada pelos bandidos vinha se fortalecendo em vários estados brasileiros.

Delegado chefe da Gerência de Combate ao Crime Organizado, Flávio Henrique Stringueta confirmou invasões em 8 agências bancárias de Mato Grosso, das quais em 4 os furtos foram consumados e outras 4 ficaram na tentativa. Em Cuiabá o grupo atacou agências do Banco do Brasil da Avenida da Feb, em Várzea Grande, Prainha e Fernando CorrEa da Costa. Na agência do município de Nova Olímpia a quadrilha furtou R$ 120 mil e Rosário Oeste levou R$ 35 mil. "Começamos a observar essa ação em janeiro deste ano. É uma quadrilha com raízes aqui que atua em outros estados", destacou Stringueta.

Para o delegado a modalidade criminosa é diferenciada, mas gera lucro tão ou maior que as ações do novo cangaço. "É um crime cuja pena é inferior ao 'novo cangaço', que oferece menos risco a quadrilha, que se presa permanece por um tempo reduzido na cadeia", observou o delegado. Conforme Stringueta, e quadrilha era investigada pelo GCCO, em arrombamentos de caixas eletrônicos, no entanto foi a partir de informações do Garras de Mato Grosso do Sul, que foram identificados nos furtos as agências com o uso do guarda-sol. "Eles estavam com as investigações mais avançadas e nos auxiliaram aqui", disse.

As investigações prosseguem para tentar identificar outros membros do bando.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • anamariasousamelo
    16 Jun 2013 às 07:18

    Parabens, a Policia Civil de mt.

  • ED
    15 Jun 2013 às 21:27

    A investigação já dura mais de 4 meses, e a quadrilha toda ainda não foi toda identificada, mal termina e o GCCO já divulga os fatos. uns trabalham, outros querem holofotes. Sei que quem investigou e prendeu foi a Policia do Paraná e Mato GROSSO DO SUL.

Sitevip Internet