Imprimir

Notícias / Política MT

Servidora que denunciou suposto complô contra Abílio apresenta atestado psiquiátrico e se licencia

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

Autora de denúncia de suposto complô envolvendo o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e alguns vereadores da base governista para cassar o mandato do vereador oposicionista Abílio Junior (PSC), a servidora comissionada da Secretaria de Saúde do Município Elizabete Maria de Almeida apresentou um atestado médico alegando problemas psiquiátricos e ficará afastada do cargo até o mês de janeiro.

Leia também
TSE retoma julgamento sobre recurso de Selma Arruda contra cassação; acompanhe a sessão


No mês de novembro, a funcionária pública registrou um boletim de ocorrência narrando uma trama, que alega ter presenciado, na qual o prefeito teria oferecido dinheiro aos parlamentares para que eles votassem pela cassação de Abílio Junior, que responde processo na Comissão de Ética da Câmara Municipal.

De acordo com o atestado assinado pela psiquiatra Sabrina da Fonseca, servidora apresentou sintomas ansiosos e depressivos e deve ficar afastada de seu trabalho pelos próximos 40 dias, retornando as atividades somente na primeira semana de janeiro.

Na denúncia, a servidora disse que esteve na casa do vereador Juca do Guaraná Filho (Avante), local onde estava acontecendo uma confraternização e onde supostamente ocorreu a tratativa.

Ela também citou que estavam na festa os vereadores Chico 2000 (PR), Ricardo Saad (PSDB), além do ex-vereador e suplente Oseas Machado, que é o atual diretor do Hospital São Benedito.

No boletim de ocorrência, ela ainda cita que viu o prefeito oferecer a quantia de R$ 50 mil, além de cargos para os parlamentares votarem contra Abílio.

Na semana passada, o vereador Juca do Guaraná apresentou a imprensa imagens de um suposto encontro da servidora com o vereador Abílio Junior no dia em que houve a festa em sua residência.

O prefeito Emanuel Pinheiro, em sua defesa, declarou que não conhece a servidora e desafiou ela a provar que ele tentou corromper os vereadores durante a confraternização.
Imprimir