Agro Olhar

Segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Notícias / Meio Ambiente

Número de queimadas em setembro já é maior do que o registrado em junho e julho

Da Redação - Lázaro Thor Borges

05 Set 2017 - 17:30

Foto: Lucas Ninno/GcomMT

Número de queimadas em setembro já é maior do que o registrado em junho e julho
O número de queimadas nos cinco primeiros dias de setembro em Mato Grosso já é maior do que tudo o que foi registrado nos meses de junho e julho de 2017, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe). Ao todo, o satélite do Inpe registrou 2701 focos de queimada em Mato Grosso, o maior número do país até aqui.

Leia mais:
Em 1º lugar no ranking de queimadas, MT determina proibição a partir do dia 15

 
Em julho e em junho deste ano, Mato Grosso sofreu com 2041 e 2709 focos de queimada, respectivamente. O número de queimadas registradas na primeira semana de setembro só não conseguiu ser maior que o que foi registrado em agosto, que teve mais de 6 mil focos. Apesar disso, dados do último mês demonstram que Mato Grosso teve uma redução de 20% em relação ao ano passado, a redução no restante da Amazônia Legal foi de 13%.
 
Além da área urbana, o fogo também tem atingido importante unidades de conservação do estado, como foi o caso do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães e o Parque Estadual Serra de Ricardo Franco. Em Chapada, 250 hectares do parque foram destruídos. Em Via Bela da Santíssima Trindade, região da Serra de Ricardo Franco, o estrago foi ainda maior: destruiu 7 mil hectares do parque durante oito dias.


Infogram
Até aqui, Mato Grosso já teve 16885 focos. O número coloca o estado na segunda colocação geral da região com maior incidência de queimadas, ficando atrás apenas do Pará, com 20763 focos. Neste mês de agosto, no entanto, Mato Grosso já é o estado brasileiro com maior número de queimadas registradas, com cerca de 300 focos a mais que o estado paraense.
 
Se continuar neste ritmo e as chuvas não voltarem é bem provável que o Governo do Estado aumento período proibitivo de fogo, que foi estipulado inicialmente para acabar no dia 30 deste mês. O decreto do período proibitivo determina que quem utilizar fogo para limpeza e manejo nas áreas  pode ficar de seis meses a quatro anos preso. A lei ainda prevê que o crime é passível de multa que varia entre  R$ 7,5 mil e R$ 1 mil (pastagem e agricultura) por hectare.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Priscilla
    11 Set 2017 às 14:17

    Nestes meses, deveria ter sempre helicóptero sobrevoando o estado para prevenir danos grandes à flora, fauna e principalmente nossa qualidade do ar.

  • Gilson
    05 Set 2017 às 18:28

    MT está literalmente em CHAMAS,todo o em torno da capital está queimado já faz algumas semanas,e vale ressaltar q apesar de td ano o governo saber onde vai ocorrer os maiores focos de calor,NAO EXISTE UMA POLITICA DE COMBATE AO FOGO,Isdo é uma vergonha.

Sitevip Internet