Notícias / Cidades

25/01/2012 - 15:06

Motorista é atacado por onça ao pegar caminhão de madrugada

De Sinop - Alexandre Alves

Foto: MT Notícias

Motorista é atacado por onça ao pegar caminhão de madrugada

O motorista Alex Eduardo Petkovicz, de 33 anos, foi atacado por uma onça, na madrugada desta quarta-feira (25), em uma rua próxima ao centro de Ipiranga do Norte (480 km de Cuiabá), quando foi pegar o caminhão para ir trabalhar. De acordo com o relato de Alex, o animal o atacou quando ele se aproximou do veículo, causando-lhe ferimentos na cabeça e nos braços.

Petkovicz relatou à imprensa de Sorriso, que se deslocava de bicicleta de sua residência até o local onde deixara o caminhão, quando a onça surgiu de repente em sua frente. “Só vi o vulto quando ela veio, com as patas para cima de mim, então eu caí”, relembra o trabalhador.

Conforme o motorista, o felino se afastou quando ele gritou por socorro, mas logo a onça voltou a investir contra ele. “Dei dois passos para trás arrastando a bicicleta e ela voltou a me atacar, me derrubou e não desistiu mesmo com os meus gritos”, disse.

Alex informou que conseguiu se salvar porque usou a bicicleta como uma espécie de escudo, mas que a onça só desistiu depois de alguns minutos de ataques. “Ela ficou me batendo com as patas e comecei a gritar, gritar, então ela voltou. Aí eu corri para trás do caminhão para escapar dela e continuei gritando. Foi quando ouvi que ela saiu por trás do caminhão correndo e não a vi mais”, contou o homem.

Todo cortado e arranhado, Petkovicz procurou o posto de saúde de Ipiranga, onde recebeu o primeiro atendimento médico e, depois, foi encaminhado para o Hospital Regional de Sorriso. Ele conta que deve ter levado mais de 200 pontos na cabeça e nos braços.

Leia também:

Recentes ataques de onças-pintadas em Mato Grosso intrigam cientistas

Fotos: MT Notícias (clique para ampliar)

Exibindo de "01" à "10" do total de "28"

por PEDRO CELESTINO NETO, em 10/03/2012 às 15:45
Após ler tantos comentários sem nenhum fundamento, aproveito este espaço apenas para divulgar o meu trabalho. Faço esculturas em fibra de vidro. vejam no orkut PEDRO ESCULTURAS. Vocês verão que esses animais livres na natureza são bem mais bonitos. Parabéns à todos que defendem essa ideia.
por Eu, em 27/01/2012 às 15:01
VITOR, para seu conhecimento onça é carnívora, portanto não come arroz, soja, milho ou outras coisas que se plante nessa boa terra desse querido MT.
por JOSÉ ANTONIO, em 27/01/2012 às 11:01
MORO NO DISTRITO DE CARAMUJO MUNICIPIO DE CACERES, AQUI TEM TANTA ONÇA QUE ESTÃO FAZENDO PONTO NA BEEIRA DA RODOVIA E DISSEN QUE ESTA EM ESTIÇÃO KKKKKKKKKKK BALA NELAS.
por celina, em 27/01/2012 às 09:19
jasper , onça tem pena???? rsrsrsr
por Paulo, em 27/01/2012 às 00:36
Conselho de um antigo poaieiro e seringueiro, hoje aposentado. Vocês já ouviram falar em poaia, poalha ou ipecacuanha? O meu conselho é: Ao andar por ai, em matas densas e você encontrar uma onça pintada, não acuada por cachorros, certamente suas pernas vão tremer e o seu corpo vai arrepiar de susto e medo, mas você não deve correr dela, pois, se correr fica mais fácil para ela lhe atacar, correndo e saltando sobre você nas suas costas, derrubando-o e ai só Deus para lhe salvar. Por outro lado, se você não correr, mas permanecer em pé e parado, ela poderá não lhe atacar, fitarar-lhe por alguns segundos, saindo pela esqauerda ou pelas direita. Mas, se ela resolver lhe atacar, não virá correndo, mas, andando com as quatro patas até determinada distância de você. Ai ela pára um pouqinho, fitará você e em seguida ficará em pé e recomeçará a aproximar de você andando em posição ereta, vertical, com a cabeça e as patas dianteiras levantadas, aproximará de você apoiada apenas nas patas traseiras como um bípedes, tal como o homem. Ela faz isso para ficar na mesma altura que você e poder atacar a região de sua cabeça, rosto e pescoço. Ela tentará dar-lhe patadas e lhe prender com as unhas afiadas e abocanhar a sua cabeça e seu pescoço. Se a pessoa estiver com uma peixeira na mão, quando ela estiver ao alcance de seu braço esticado, é só enfiar a peixeira no umbigo da bicha. Você talvêz leve uma ranhada de unha, mas não mais que isso. Com a fascada no umbigo a onça vai dar um salto para traz, deixará de aracá-lo e não irá longe. Logo cairá agonizante. Muita gente o atacada por onça quando andava em trilhas matas adentro, safou-se de onças desse jeito, naquela época de extração de poalhas ou ipecacuanha, nas matas e nos seringais, quando na floresta amazônica o que mais tinha era onças. Se voçê estiver com uma peixeira é só enfiá-la no umbigo da bixa e adeus onça.
por ribamar, em 26/01/2012 às 15:44
Caminhoneiro, em ipiranga do norte, chegando do "trabalho" com o caminhão ás "3 da madrugada"!!! Será que não era no transporte ilegal de madeira??? será que a onça está ficando sem floresta? será?
por jasper ottoni amarilha, em 26/01/2012 às 10:36
Pois é Vitor, vcê para ser um burro completo, só está faltando as penas. Pelo visto, vcê não tem competência ao menos para ler um texto completo. Se vcê ler direito, na íntegra, o que eu escrevi sobre a onça, o sentido do texto é o contrário. Na verdade, no texto, eu estou defendendo a onça, qdo eu disse que ela está cada vez mais acuada, sem espaço e sem comida para sobreviver, fruto da ignorância humana. Qto a vcê, é um inculto e totalmente leigo sobre a onça, incapaz de compreender um texto. Imagina no vestibular (enem), as abobrinhas que vcê deve escrever.
por Gilmar, em 26/01/2012 às 09:18
Os bichos estão tentando defende o seu território, coisa que o código florestal deveria fazer
por José Bonifácio, em 26/01/2012 às 09:13
Quando muito jovem fui acuado por uma onça. Seguia por uma picada na mata fechada ha cerca de 03 km do rancho com uma pequena abertura na selva, quando em minha frente surgiu uma onça pintada que ao invés de me cercar, seguiu caminhando em minha frente, de vez em quando parava e olhava para trás, momentos em que eu também parava e ficava olhando para ela. Este gesto aconteceu umas tres ou quatro vezes. Embora desde o primeiro momento eu bradava contra ela, rogando que fosse embora, etc e tal, ela não se dava por temerosa e continuava agir da mesma forma. Por instinto peguei um pedaço de pau (galho) seco e bati no tronco de uma árvore diversas vezes gritando incessantemente com o animal, que saiu da picada e embrenhou na mata e não mais voltou. Confesso que quase morri de medo e os poucos kilômetros que faltavam de volta para o rancho, se tornaram longos e muito temerosos, porém estou aqui 25 anos depois vivo para relatar o acontecimento. Gosto muito de andar na mata e cerrado, porém aprendi que devemos sempre portar um facãogrande, uma foice ou um bom pedaço de pau tipo cabo de foice/enxada para nos defender de feras silvestres, principalmente da onça. Há muitos casos de pessoas que foram atacadas por onças, inclusive muitos chegando a óbito, como o caso dos pescadores na região de Cáceres ha cerca de 02 anos atrás.
por Rubens, em 26/01/2012 às 09:07
o Deolho... você é doente...
Sitevip Internet