Olhar Direto

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Cidades

Moradores de bairros de classe média alta são pioneiros em transformar ruas de Cuiabá em condomínios

Da Redação - Lázaro Thor Borges

04 Jun 2017 - 15:03

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Fachada do

Fachada do

A região leste de Cuiabá, conhecida por acumular a maior quantidade de bairros nobres, é a que mais possui vias públicas fechadas e transformadas em ‘condomínios’ clandestinos pelos seus moradores. A informação é resultado de um levantamento feito pelo Olhar Direto junto ao Ministério Público Estadual (MPE), que investiga este tipo de casos de obstrução de via pública. 

Leia mais:
Moradores transformam rua em "condomínio" depois de onda de assaltos em bairro de classe média

Secretário diz que qualquer morador pode transformar rua em condomínio; MPE vê absurdo

Há algumas semanas, Olhar Direto revelou como moradores do bairro Santa Amália transformaram a rua onde moram em um verdadeiro condomínio, que possui  robusto sistema de segurança e monitoramento. Os dados da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente Urbanístico demonstram que mais de 50% das investigações abertas para apurar estes crimes são de casos que ocorreram em bairros da região leste. Veja abaixo no mapa imagens de duas ruas no bairro Jardim das Américas que passaram por este tipo de intervenção. 

Rua Montreal, no Jardim das Américas



Rua Mar del Plata, também no bairro 
 

A obstrução de ruas com portões, grades e muros é bastante comum nos bairros de classe média e classe média alta da Capital. No Jardim das Américas, por exemplo, quatro ruas foram fechadas com grades e outros aparatos de segurança, impedindo a entrada de não moradores. A área foi completamente isolada do resto do bairro. Por conta disso, os visitantes desconhecidos precisam se identificar caso queiram entrar no local, em uma dinâmica semelhante a de um condomínio normal.  

O presidente da Associação de Moradores do Jardim das Américas, José Teixeira, explicou que as quatro ruas foram fechadas no bairro porque as vias não tem fim e os únicos que frequentavam o local eram ou moradores ou visitantes dos moradores. Teixeira também falou que a Associação não teve participação no fechamento das vias. "Quem fechou foram os próprios moradores, elas foram fechadas eu acho que há quase 20 anos e ali era uma região de muitos roubos e furtos, os moradores queriam se defender", comentou o líder comunitário. 

Além dos bairros citados anteriormente, o bairro Terra Nova também é alvo de inquérito semelhante. Neste caso, o MPE suspeita que o Residencial Terra Nova tenha sido construído por cima de vias públicas. Nesta semana, o MPE ingressou com ação civil pública contra o condmínio, pedindo a demolição de todas as estruturas construídas no local. 

Outra característica que une os dois casos é o tempo de tramitação dos inquéritos e demais procedimentos.  O primeiro inquérito ainda em aberto no Ministério Público data de 2010, e não foi transformado em ação civil pública nem arquivado pelo órgão. A reportagem do Olhar Direto tentou contato com o promotor Gerson Barbosa, responsável pela 17ª Promotoria, para entender os motivos da lentidão, mas ainda não obteve resposta. 

O caso mais emblemático sobre obstrução de rua em Cuiabá seja talvez o do bairro do Jardim Itália. Tanto pelo tamanho da área, quanto pela idade da modificação do local, a região poderia ser considerada como o maior condomínio clandestino de Cuiabá. O presidente da Associação dos Moradores do bairro, André Guilherme, explicou que a inciativa não tem ligação com a associação, mas que "entende" a preocupação dos moradores com segurança. Veja no mapa e perceba que, diferente dos outros casos, os moradores do local fecharam mais de uma via com portões e grades. Uma das entradas do 'condomínio' é na rua Frienza.  

Rua Frienza, no Jardim Itália

Uma detalhe interessante sobre as ruas: nem mesmo o Trekker do Street View, veículo que faz o mapeamento do Google, pode entrar no local para realizar o registro fotográfico das ruas. 

O secretário de Ordem Pública de Cuiabá (Sorp), Coronel Salles, informou no início deste mês de abril que não existe nenhum impedimento para que os moradores adotem medidas de segurança nas vias públicas. O titular da Sorp também disse que se a decisão de transformar ruas em condomínios não trouxer "prejuízos para a sociedade" não há porque impedir que a medida seja tomada. 

O MPE, no entanto, discorda da declaração. Segundo pontuou na mesma ocasião o promotor Gerson Natalício Barbosa, o fechamento de uma rua "traz sempre prejuízo para a sociedade", além de se tratar de um decisão irregular e ilegal. O grande risco, de acordo com o promotor, é que a permissão deste tipo de atitude abra um precendente para que outras pessoas façam o mesmo, em um grau ainda pior, como em casos de invasão de áreas verdes, áreas públicas e outros locais de uso comum. 

Além dos moradores, empresas também estão na lista dos que mais obstruem ruas em Cuiabá. Todos os inquéritos da 17ª Promotoria que foram transformados em ação na Justiça são referentes a obstrução ou invasão de ruas por parte de empresas ou apenas um morador em particular, agindo individualmente. O motivo quase sempre é por conta de obras a serem realizadas em algum local. Situação bastante divergente daquela constatada no Santa Amália, em que moradores se viam desesperados com a falta de segurança em seu bairro. 

Veja abaixo mapa de ruas que foram transformadas em condomínio em Cuiabá

 

24 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Leo
    06 Jun 2017 às 08:46

    Fecha mesmo!!!! onde o Estado não consegue atuar..atuemos!!!

  • Paulo
    06 Jun 2017 às 06:57

    Sou totalmente a favor de que ruas sem saída onde os moradores estejam de acordo, fechem e coloquem sistema de segurança e controle. Se a rua é sem saída, a quem mais interessa senão a quem nela habita? Isso sem falar na ineficiência do estado e do município em prover segurança e outros serviços essenciais. Chega de hipocrisia!!! Deixem o povo se organizar! Muita coisa precisa mudar.

  • Nilda
    05 Jun 2017 às 17:58

    Onde o Estado não comparece, a desordem toma conta!

  • Jovem
    05 Jun 2017 às 17:29

    a insegurança nesses bairros não é só fruto de falta de policiamento... Não existe uma alma viva ocupando os espaços públicos destes locais, nem sequer caminhando pelas vias. Duvido muito que um maior senso comunitário, sem esse enclausuramento dos moradores dentro de suas residências traria resultados piores do que o fechamento das ruas (que é ILEGAL segundo a lei FEDERAL 6766/79). Afinal de contas, ver outras pessoas e ser visto é melhor do que ser espionado pela polícia.

  • Maria
    05 Jun 2017 às 11:58

    VAMOS LOTEAR A CIDADE DE CUIABÁ, QUEM PEGAR É DELE. CADÊ O MPE QUE NÃO ANDA NA CIDADE PARA VER ISSO ENQUANTO ISSO OS QUEM DINHEIRO LOTEAM UM BEM PÚBLICO

  • freud
    05 Jun 2017 às 11:42

    É compreensiva a atitude dos dois lados. De uma lado se tem o fechamento irregular de via pública, cerceando o direito de ir e vir de outras pessoas, afinal a rua é pública. De outro a tentativa desesperada de moradores em ter um mínimo de segurança, segurança esta que o estado não oferece. A sociedade está à mercê da violência e assistir a isso passivamente é angustiante, ainda mais quando se tem a triste experiência de ter a casa invadida, bens roubados, abusos cometidos. Só me causa espanto a ignorância de algumas pessoas com comentários do tipo: quer morar em condomínio? compre uma casa lá Não é por falta de vontade, porém nem todos têm essa condição. Às vezes até tem a condição, mas não querem porque gostam do bairro, gostam de suas casas. É um direito que ela têm, se não acabamos invertendo o papéis. Temos que chegar a uma solução...

  • marcio
    05 Jun 2017 às 10:06

    Moro no cpa 4, e entendo muito bem quando moradores fecham as ruas, porque é pouca polícia para muito bandido. Se eu morasse nestes bairros melhores localizados também seria a favor de fechar porque os caras roubam sem dó e ainda torturam as famílias. Tem que deixar fechar e acho que até a prefeitura ganha mais porque não precisará fazer o que já não faz como tampar buraco de asfalto, limpar praças. Não vamos ser hipócritas.

  • juca
    05 Jun 2017 às 09:58

    eu apoio o MP, quer condomínio fechado, se mude pra um. Não há justificavas para fechar ruas, a rua é publica.

  • JUCABALA
    05 Jun 2017 às 08:49

    O que o MP tem feito no caso do VLT? Será que tá faltando serviço para o senhor promotor? Será que o senhor promotor já viu as imensas "boca de lobo" que jogam diariamente milhares de toneladas de esgoto e dejetos sem nenhum tipo de tratamento no Rio Cuiabá? Há quanto tempo isso acontece? Nunca vi um promotor responsável pelo meio ambiente falar sobre a questão! Cadê? Não vão cobrar dos órgãos públicos responsáveis o tratamento desse esgoto que é lançado no rio? A não vão né!!! É mais fácil perturbar moradores e suas famílias que tentam se livrar da violência devido a ineficácia do sistema de segurança estatal! Não moro em nenhum desses "condomínios", mas apoio a causa deles!

  • Ana
    05 Jun 2017 às 08:15

    A segurança pública um caos , bandidos estão livremente , roubando , invadindo casas , a população num geral está abandonada , com medo , e não é só em vai nobre que tem tantos assaltos , eu tbm gostaria de poder fechar minha rua pra sentir um pouco mais segura , depois q entra ladrão na sua casa você vive com medo até de sair de casa .se tivéssemos uma segurança pública q prendesse os bandidos não estaria todos querendo fechar as ruas...o q vejo e a polícia multando em bairros, , mas prendendo os bandidos não vemos não ..medo o tempo todo toma conta de nossas vidas

Sitevip Internet