Olhar Direto

Terça-feira, 19 de março de 2019

Notícias / Política MT

Taques garante que ainda não decidiu usar Fethab na saúde e que obras não estão sendo prejudicadas

Da Redação - Jardel P. Arruda/ Da Reportagem Local - Erika Oliveira

23 Jun 2017 - 09:51

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Taques garante que ainda não decidiu usar Fethab na saúde e que obras não estão sendo prejudicadas
O governador Pedro Taques (PSDB) negou que já tenha tomado alguma decisão sobre o uso ou não do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) para pagar dívidas ou a manutenção da saúde pública em Mato Grosso. De acordo com ele, o assunto ainda é tratado com vários setores da sociedade.

Leia mais:
“Não vou colocar minha colher de pau neste angu”, alerta Taques sobre crise no PSB, mas agradece lealdade

“Isso não foi decidido ainda. Estamos conversando com poderes, com municípios, com o setor produtivo. Absolutamente não tem nada decidido”, garantiu o governador, na manhã de sexta-feira (23), durante vistoria às obras na Estrada da Guia, rodovia Helder Cândia, MT-010, e na Estrada para Chapada dos Guimarães, a rodovia Emanuel Pinheiro, MT-251.

Ainda segundo ele, nenhuma obra tem sido prejudicada pelo uso do Fethab em outras áreas. O governador explicou que a maior parte dos recursos será  aplicada no interior do Estado. “Nenhuma obra está sendo prejudicada. O Fethab está sendo usado mais no interior e por isso a decisão política de usar verba da Sinfra para essa obra”, completou.

Com a crise do sub financiamento da saúde pública em Mato Grosso, uma das soluções ventiladas foi o uso de parte do arrecadado pelo Fethab para bancar esse setor. Contudo, vários setores criticaram a proposta.

Entre eles, os municípios, que já fizeram contas com sua parte dos recursos do Fethab, e o setor produtivo, para o qual esses recursos devem ser destinados exclusivamente à obras de infra estrutura em logística, a fim de melhorar a escoação da produção agropecuária.

Também entraram na discussão o Tribunal de Contas, o Tribunal de Justiça, o Ministério Público e a Assembleia Legislativa, que recebem parte dos recursos e o usam para custeio próprio. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet