Olhar Agro & Negócios

Domingo, 09 de maio de 2021

Notícias / Economia

REFLEXOS

Sem abastecimento, comerciante ‘fecha’ banca e estima prejuízo de R$2 mil por dia

Da Redação - Fabiana Mendes

31 Mai 2018 - 08:31

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Sem abastecimento, comerciante ‘fecha’ banca e estima prejuízo de R$2 mil por dia
A greve dos caminhoneiros atingiu drasticamente os produtores de suínos e até mesmo os pequenos comerciantes que dependem da renda para a sobrevivência. Foi o caso de uma banca na Feira do Porto, em Cuiabá, que fechou por não ter carne suína para a venda. O proprietário estima prejuízo diário de R$ 2 mil.

Leia mais: 
Mercados e Feira do Porto sofrem falta de frutas e verduras; quilo do tomate chega a R$ 25,90
 
A suinocultura mato-grossense já vinha sofrendo uma crise nos últimos meses, diante dos altos valores dos principais insumos. O preço da saca de 60 kg de milho chegou a R$30 e do farelo de soja a R$1127,00 (tonelada). Isso representa 70% e 20% respectivamente na composição da ração, que tem registrado alta durante várias semanas seguidas desde o início do ano. Na primeira semana de abril, por exemplo, o quilo do suíno atingiu valor de R$2,53.  No entanto, para pagar os custos de produção o valor precisa chegar ao mínimo de R$3,30.
 
Contudo, a crise se agravou após a greve dos caminhoneiros. Produtores estão enfrentando dificuldades com a falta de abastecimento e reposição de insumos e liberação de suínos vivos e com isso as granjas do Estado já apresentam mortalidade de animais por inanição.
 
Apesar da existência de  liminar concedida à  Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat)  para a liberação de caminhões carregados com insumos, o serviço continua barrado.

Por conta disso, não é possível fazer o abate, que consequentemente afeta os pequenos vendedores. É o caso de Diego Pereira Mattos, que tem uma pequena banca no Porto. À reportagem do Olhar Agro & Negócios, ele contou que seu pequeno estoque acabou na terça-feira (28). “Não veio carga de lá para cá para abastecer”, contou ele, que extimou prejuízo diário de R$ 2mil. Além disso, ele contou que é a favor do movimento dos caminhoneiros, no entanto ainda desconfia das informações que circulam.  “Eles estão falando isso (intervenção militar), mas ninguém sabe o que é verdade o que é mentira. Vamos esperar para ver”, finalizou.
 
Entenda

O governo federal anunciou, na noite da última quinta-feira (24), uma proposta para suspender a greve dos caminhoneiros por 15 dias. Porém, nesta sexta-feira (25) os manifestantes continuam a bloquear pelo menos 26 trechos de rodovias federais que cortam Mato Grosso. Em outros Estados, a situação é a mesma. Vale lembrar que diversos serviços foram suspensos ou reduzidos por conta da falta de combustível. O protesto já dura cinco dias e tem reflexos em diversos setores.
 
Os caminhoneiros estão passando dia e noite nos pontos de bloqueio. A comida e água que recebem, são de doações. Além disto, acrescentaram que só pretendem desmobilizar o movimento quando o problema for resolvido.
 
Na manhã desta quarta-feira, o presidente Michel Temer se reuniu com ministros para discutir a greve dos caminhoneiros, que acontece em todo o país. A conversa ocorre no dia seguinte ao anúncio da Petrobras de redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 15 dias. Com esta decisão, o governo espera conseguir negociar com o movimento dos caminhoneiros, que se queixam do preço final do diesel.
 
Em razão da greve dos caminhoneiros que paralisaram o transporte e o consequente bloqueio nas bases de distribuição, o abastecimento nos postos está comprometido. Com a falta de produto em alguns estabelecimentos, os usuários passam a procurar outros. Além disto, o medo de que acabe o combustível também aumenta a demanda, o que pode esgotar todas as reservas dos postos.
  
A mobilização foi proposta pela Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e iniciou na manhã desta segunda-feira (21). Em razão dos pesados impostos e do baixo valor dos fretes, a categoria afirma que enfrenta uma grave crise e articula ações em todo o país para evidenciar o descontentamento com a atual política econômica. A PRF mantêm o diálogo com os caminhoneiros.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet