Olhar Direto

Quinta-feira, 02 de abril de 2020

Notícias / Cidades

Em seis meses, 21 mulheres foram vítimas de feminicídio em Mato Grosso

Da Redação - Fabiana Mendes

25 Jul 2019 - 14:17

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Em seis meses, 21 mulheres foram vítimas de feminicídio em Mato Grosso
No primeiro semestre deste ano, 44 mulheres foram assassinadas, sendo que 21 casos se enquadraram como crime de feminicídio - homicídio praticado em decorrência de a vítima ser mulher (misoginia e menosprezo pela condição feminina ou discriminação de gênero, fatores que também podem envolver violência sexual) ou em decorrência de violência doméstica. Os dados são compilados com base no Sistema de Registro de Ocorrências Policiais (SROP) e informações fornecidas por unidades da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT).

Leia mais:
Três mulheres são vítimas de feminicídio em quatro dias em MT

Em comparação com o mesmo período de 2018, a redução foi de 16%, pois no primeiro semestre do ano passado foram registrados 25 casos de feminicídio. As ocorrências dessa natureza correspondem a 48% das mortes registradas de vítimas femininas no estado.

Homicídios contra mulheres

O levantamento de homicídios contra vítimas femininas realizado pela Coordenadoria de Estatística da Sesp engloba ainda municípios, motivação criminal, local do fato e meio empregado e faixa etária.

Foram registradas mortes de mulheres em 23 cidades de Mato Grosso. Sorriso teve o maior número (3), seguida de Arenápolis, Cáceres, Cuiabá, Juara, Lucas do Rio Verde, Nobres, Peixoto de Azevedo, Poconé, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sapezal e Várzea Grande, todos com dois registros em cada uma das cidades.

As faixas etárias com mais registro de homicídios femininos são dos 18 aos 24 anos e de 36 a 45 anos, sendo nove mortes em cada faixa. Já o meio mais empregado nas mortes foi arma de fogo, em 39% das ocorrências, seguido de 30% com uso de armas cortantes ou perfurantes.

Em 32% dos homicídios dolosos, a motivação foi passional, 20% estão relacionados a drogas e 34% o motivo ainda é apurado. Em relação aos dias da semana, o período com mais ocorrências vai de quarta a sábado, sendo a sexta-feira o dia com mais registros (9).

Ajuda

As mulheres que precisam de auxílio podem recorrer ao Disque 180, e às Delegacias Especializadas de Defesa da Mulher ou em qualquer delegacia do município que reside. Em Cuiabá, a DEDM está localizada na Rua Joaquim Murtinho, nº 789, Centro Sul.

Há ainda o Núcleo de Defesa da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública de Mato Grosso, que atende pelo telefone (65) 3613-8204 e o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso: (65) 3613-9934.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • celina
    20 Set 2019 às 16:00

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • igor ferreira
    26 Jul 2019 às 09:02

    Feminismo igual neologia, isso não existe no dicionário. Elas não morreram pelo fato de serem mulheres, morreram por crimes em grande maioria passionais. Feminicídio é a maior besteira que inventaram! É homicídio!!

  • Kellen Sousa
    26 Jul 2019 às 04:31

    Culpa lógico , de Bolsonaro e seus filhos que dividiram país e dizem que lugar de mulher é na cozinha.

  • Marly Apoitia
    26 Jul 2019 às 04:29

    Tem um projeto que vai gerar mais desemprego entre setor feminino. Licença médica seis meses, para mulher que denunciar agressão. Pelo simples motivo que brasileiro é malandro, filosofemos. Mulher também é preguiçosa. Vai mentir para ficar de licença. Que nem professor que diz estar em depressão. Mais uma palhaçada do congresso nacional. Não reclama. Vcs votaram em Selma, Barbudo, Medeiros e Emanuelzinho.

  • Mina
    25 Jul 2019 às 22:18

    Caras amigas, melhor ficarmos solteiras que nos sujeitarmos à humilhação, ao desrespeito, às agressões e até mesmo à morte! Precisamos nos recusar a este tipo de tratamento objetal. Não dá mais, a maioria dos homens perdeu a noção de respeito, responsabilidade, educação, honestidade e elegância de caráter. Se eles não estão à altura do tratamento que damos a eles, eles não merecem estar em um relacionamento amoroso verdadeiro, pq não têm maturidade para isto. Que eles colham os frutos de suas ilusões e fiquem vazios como desejam, porque é este o caminho que a maioria escolhe infelizmente!

  • Aff
    25 Jul 2019 às 22:06

    Paolo, cada vez que vejo um comentário seu aqui, tenho vontade de deixar de ler as notícias do OD. Que pessoa inconveniente vc demonstra ser, aff, ninguém merece!

  • Paolo
    25 Jul 2019 às 18:06

    Até q tá bem pouco.

  • joaoderondonopolis
    25 Jul 2019 às 17:28

    Aqui as leis são frouxas, mas também não é para esperar coisa melhor do nosso parlamento. Na Inglaterra este crime pega prisão perpétua e só cabe recurso após 27 anos de cadeia. Aqui a maioria dos parlamentares não aprovam nem o projeto anti crime do Dr. Moro.

  • Ruy
    25 Jul 2019 às 17:01

    Pelo amor de Deus Lucia, deixa de ser ignorante! Bolsonaro assumiu há pouco mais de seis meses, casos como esses acontecem há decadas! Não tem absolutamente nada a ver com o chefe do executivo!

  • lucia
    25 Jul 2019 às 16:19

    Efeito bolsonaro com discurso machista e intolerante, instigando os homens que ainda acha q a mulher é um objeto e não aceita ser rejeitado pela sua parceira.

Sitevip Internet