Olhar Direto

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Cidades

Após uma semana, funcionários dos Correios suspendem paralisação

Da Redação - Fabiana Mendes

18 Set 2019 - 15:20

Foto: Reprodução

Após uma semana, funcionários dos Correios suspendem paralisação
Os trabalhadores dos Correios de todo o Brasil decidiram pela suspensão da paralisação após uma semana de deflagração. No entanto, decidiram manter estado de greve e a paralisação pode voltar a qualquer momento. Os ecetistas são contra a privatização da empresa proposta pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) e cobram negociações do Acordo Coletivo de Trabalho. Atualmente, Mato Grosso conta com 1.200 trabalhadores. 

Leia mais:
Contra privatização, funcionários dos Correios entram em greve

De acordo com a categoria, esta foi uma das maiores greve dos Correios. Por conta da mobilização nacional e sua repercussão, afirmam que conseguiram fazer a direção dos Correios e Governo Federal recuarem do que chamam de intransigência assumida nas negociações.

No último dia 12, as Federações (FENTECT e Findect) participaram de audiência de conciliação convocada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) depois do pedido de Dissídio Coletivo de Greve ser ingressado. Com o impasse gerado, o ministro do TST, Mauricio Godinho Delgado, apresentou proposta de prorrogação do atual Acordo Coletivo até a data do julgamento previsto para ocorrer no dia dois de outubro.

Neste momento, com a negociação já ajuizada e sem garantias de novos acordos até a data do julgamento, a categoria afirma que é necessário manter o diálogo e intensificar os movimentos.

Contra privatização 

Recentemente, o Governo Federal anunciou um plano para privatizar nove empresas estatais, inclusive os Correios. Um estudo seria elaborado para indicar se há condições de mercado para concretizar a venda das empresas públicas. 

A Fentect pontua que “A truculência do general Floriano Peixoto, escolhido diretamente pelo presidente Bolsonaro para comandar os Correios no processo de privatização, já fartamente defendido por todo o Governo, não é por acaso”, diz a Federação.

Floriano assumiu a presidente em junho, em substituição de Juarez Cunha, contrário à privatização. Ainda conforme a Federação, tanto a base governista, quanto a direção dos Correios teriam interesse em usar a greve para desgastar a imagem dos trabalhadores.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nelao
    18 Set 2019 às 16:54

    Depois da privatização vão ter motivos pra ficarem de braços cruzados

Sitevip Internet