Olhar Direto

Sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Notícias / Cidades

Chegada da Primavera deve trazer chuva para Cuiabá nesta semana e diminuir calor

Da Redação - Wesley Santiago

23 Set 2019 - 10:35

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Chegada da Primavera deve trazer chuva para Cuiabá nesta semana e diminuir calor
A chegada da Primavera, estação que tem início nesta segunda-feira (23) no hemisfério sul, deverá trazer chuvas para Cuiabá nesta semana. Isso é o que aponta o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), que é ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A partir de quarta-feira (25), as possibilidades de precipitação aumentam. No interior, ela tem chegado com fortes ventos, causando prejuízos.

Leia mais:
Temporais derrubam árvores, postes e deixam cidades de MT sem energia; granizo registrado
Professor desmistifica chuva ácida e diz que produção de calcário neutraliza fenômeno em Cuiabá
 
Segundo a previsão, existe 30% de chance de chuva para Cuiabá na quarta-feira, quando as temperaturas devem ficar entre 28ºC e 38ºC. Na quinta-feira, a possibilidade aumenta para 80%, com a máxima podendo atingir os 34ºC e a mínima ficar em 23ºC.
 
Na sexta-feira, também existe 30% de chance de chuva em Cuiabá. As temperaturas ficam entre 23ºC e 35ºC.
 
Segundo o prognóstico do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a Primavera é um período de transição entre as estações seca e chuvosa no setor central do Brasil, bem como dá-se o início da convergência de umidade oriunda da Amazônia, que define a qualidade do período chuvoso sobre as regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte centro-sul da Região Norte.
 
Os primeiros episódios da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) podem ocorrer durante a primavera, com chuvas no Sudeste, Centro-Oeste, Acre e Rondônia.

Em alguns municípios dos estados de Mato Grosso e Goiás foram mais de 100 dias consecutivos sem chuva, a partir de maio deste ano. Nestas mesmas áreas, as temperaturas médias foram acima da normal climatológica, devido a permanência de massas de ar seco e quente, as quais favoreceram a ocorrência de queimadas e incêndios florestais.
 
A previsão para a Primavera indica alta probabilidade das chuvas ocorrerem de normal a acima da normal em grande parte da Região Centro-Oeste, exceto na metade norte do Goiás, onde as chuvas serão ligeiramente abaixo da média climatológica. As temperaturas serão acima da média, principalmente no sul do Mato Grosso do Sul, norte de Mato Grosso e Distrito Federal.
 
Estragos
 
Pelo menos três cidades de Mato Grosso registraram temporais no último domingo (22). Em todas elas, há relato de quedas de árvores, postes e também explosões de transformadores, o que deixou bairros sem energia. Em Alta Floresta (793 quilômetros de Cuiabá), houve queda de granizo.

Chuva ácida?

O professor de Climatologia do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), doutor Rodrigo Marques, em entrevista ao Olhar Direto, desmistificou o fenômeno conhecido como 'chuva ácida' e afirmou que produções de calcário na região neutralizam os componentes que provocam o fenômeno.

O professor analisou ao longo de cinco anos cerca de 300 eventos de chuva e encontrou poucos registros de acidez. Porém nada de alarmante ou que justifique que não se pode tomar banho porque ela pode  provocar danos à saúde dos seres vivos.

“O primeiro ponto que achamos interessante foi verificar que os pH mais baixos (ou as chuvas mais ácidas) ocorreram do meio para o fim da estação chuvosa, e não nas primeiras chuvas no final da estação seca. Isto porque desde criança sempre ouvia e via nos meios de comunicação que não devíamos tomar banho nas primeiras chuvas porque eram ácidas. E quando fomos verificar, não era bem assim que acontecia”, disse.

Outro ponto verificado foi que as chuvas mais acidas (com pH mais baixos) ocorreram do meio para o fim da estação chuvosa, e não nas primeiras após o final do período de seca. “O menor valor do pH da chuva que registramos foi 4,13 em 24/10/2007, e o maior 8,21 em 11/11/2009, também registramos 4,21 em janeiro de 2005”.

A tendência observada no estudo e de que quanto mais dias sem chuvas, o pH tende a ser maior. Isso porque na região não há uma produção de energia por termoelétrica a carvão, e também não há um parque industrial com capacidade de emitir poluentes que irão formar ácido sulfúrico ou nítrico na atmosfera.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet