Olhar Direto

Terça-feira, 19 de novembro de 2019

Notícias / Política MT

Não estou trabalhando para ser conselheiro e nem para ser prefeito, diz Botelho

Da Redação - Lucas Bólico

18 Out 2019 - 08:35

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Não estou trabalhando para ser conselheiro e nem para ser prefeito, diz Botelho
Sempre lembrado como nome viável para disputar uma cadeira de conselheiro no Tribunal de Contas de Mato Grosso, o deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) tirou o corpo fora da disputa em entrevista concedida ao programa de TV “Emparedado”, que foi ao ar na noite de segunda-feira (14). De acordo com o chefe do Legislativo, seu foco é continuar na Assembleia Legislativa e ajudar na recuperação financeira de MT.  
 
Leia também:
Botelho vê descaso da Energisa com consumidor e questiona aumento da tarifa

“Meu nome já foi lembrado pra tudo. Já foi lembrado pra senador, prefeito de Várzea Grande, prefeito de Cuiabá... em vários cargos ai sempre, está sendo lembrado. Lógico, nós estamos no cargo de presidente da Assembléia, então ele tem essa lembrança assim. De certa forma isso também é bom, mas eu quero dizer pra você, eu não estou trabalhando para ser conselheiro. Não estou trabalhando para isso. Não estou trabalhando para ser prefeito. Estou trabalhando para ter uma boa gestão para ajudar o governo Mauro Mendes (DEM)”, garantiu Botelho.
 
Neste ano, a Assembeia Legislativa indicou para o TCE o ex-deputado estadual Guilherme Maluf, em um processo conturbado. Atualmente, somente Maluf e Campos Neto são titulares no tribunal. O restante da corte é de substitutos que ocupam a vaga dos que foram afastados por decisão judicial tomada na esteira da delação do ex-governador Silval Barbosa.
 
O atual quadro é criticado por Botelho por, na visão dele, comportar mais técnicos em um colegiado que deveria ter membros com a experiência na carreira política. “É muito importante o equilíbrio político, porque senão não precisa de conselheiro, ou eles vão ser melhores que os auditores que vão lá, que são treinados e que vão lá fazer levantamento? Por que tem a figura do conselheiro? Porque precisa ter o equilíbrio nesse julgamento. O conselheiro não é melhor que o técnico, mas você precisa de equilíbrio no julgamento”.
 
A impressão de Botelho é compartilhada por mais deputados, que têm recebido cobrança de prefeitos diante de suposta intransigência dos conselheiros substitutos diante de decisões controversas que precisam ser tomadas diante de um cenário caótico nos municípios do interior. O presidente da AL também afirmou houve briga interna entre os conselheiros. “Eles poderiam ter saído maiores”, criticou.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Bainho
    18 Out 2019 às 13:46

    Tá se achando a última bolacha do pacote!

  • NEto
    18 Out 2019 às 10:33

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Luísa CPA
    18 Out 2019 às 10:31

    Muito menos para ser deputado.

  • JORGE LUIZ
    18 Out 2019 às 09:55

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Maicon
    18 Out 2019 às 09:29

    Não entendi nada. Análise política se faz no parlamento. Nos tribunais de contas a solução tem que ser técnica. Às vezes com soluções pautadas na razoabilidade, proporcionalidade, seguindo as diretrizes da LINDB, mas sempre prevalecendo o aspecto técnico. Infelizmente alguns deputados que se tornam conselheiros vão com essa mentalidade para o TC, tratando gestores como se parlamentar ainda fossem. Não é por outra razão que a Constituição passa a lhes outorgar prerrogativas da magistratura, justamente para serem imparciais e técnicos nas suas decisões.

  • Juca
    18 Out 2019 às 09:14

    Pensa num sujeito convencido! Faça alguma coisa como deputado senhor. Até agora não vi nada de melhoria para o estado de Mato Grosso, nem para seu povo.

Sitevip Internet