Olhar Direto

Domingo, 08 de dezembro de 2019

Notícias / Política MT

PEC gera economia de apenas R$ 9 bi e MT poderá cortar salários e congelar concursos públicos

Da Redação - Érika Oliveira

13 Nov 2019 - 17:20

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

PEC gera economia de apenas R$ 9 bi e MT poderá cortar salários e congelar concursos públicos
Considerada fundamental pelo governador Mauro Mendes (DEM), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que reforma o regime previdenciário de Mato Grosso deverá, se aprovada da forma como está, gerar uma economia inferior a 1/3 do déficit financeiro previsto para os próximos dez anos no Estado. De acordo com o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, novas medidas para contenção de despesas poderão ser adotadas, como o corte de 25% no salário dos servidores, a redução na jornada de trabalho e o congelamento de concursos públicos.

As alternativas, conforme o secretário, estão no bojo da Reforma da Previdência do Governo Federal e, embora não sejam o foco da reforma, são “gatilhos que podem ser acionados, a depender das circunstâncias fiscais do Estado”.

Leia mais:
Conselho tem cinco dias para decidir se Reforma da Previdência de Bolsonaro será aplicada integralmente em MT

“Ainda cabe a deliberação do Congresso Nacional, é uma Proposta de Emenda à Constituição, seria essa possibilidade de você reduzir jornada e reduzir, proporcionalmente, salário até o limite de 25%. É algo que serviria para transpor momentos de dificuldades. Nós esperamos não ter necessidade de utilizar isso, mas fica uma possibilidade. Não está no nosso alvo neste momento, mas é um gatilho que pode ser acionado a depender das circunstâncias fiscais do Estado”, admitiu Rogério Gallo, na manhã desta quarta-feira (13).

Ainda pela manhã, logo após reunião com membros do Conselho do MT Prev, o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, já havia declarado que as mudanças na Previdência do Estado deveriam mitigar, mas não zerar o déficit que atualmente é de R$ 115 milhões mensais.

Uma minuta, em formato de PEC, foi entregue ao Conselho e prevê adotar, na integralidade, as mudanças aprovadas pelo Congresso esta semana. Daqui a cinco dias, uma nova reunião será realizada para decidir se o texto encaminhado para a Assembleia Legislativa permanecerá como PEC ou se irá como Projeto de Lei Complementar, com eventuais alterações ou não.

Conforme Gallo, da forma como está a PEC proporcionará uma economia de R$ 9 bilhões pelos próximos 10 anos, frente ao déficit de R$ 30 bilhões previstos para o mesmo período. “Isso é muito significativo e, de fato, vai nos auxiliar a ter uma trajetória sustentável. Nesse período dos próximos dez anos vamos implementar medidas adicionais, como agregar o patrimônio imobiliário do Estado, fazer vendas de imóveis, constituir o Fundo Previdenciário, enfim, outras alternativas que devem ser colocadas. O que nós estamos falando é que, todas essas medidas relativas à alíquota previdenciária, e alteração de requisitos também, de aposentadoria, são medidas emergenciais, porque nos aliviam o caixa”, esclareceu o secretário.

“O Estado vai, ao longo dos próximos anos, diminuir o déficit financeiro e deixar, também, com essas novas regras, de fazer aumentar a nossa massa de aposentados. De fato, nós vamos precisar ainda de medidas adicionais. Como eu disse, essas medidas agora são emergenciais, para que nós não tenhamos que tomar decisões que são consideradas trágicas, como por exemplo, ter que aumentar impostos”, acrescentou.

36 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Flavio
    15 Nov 2019 às 09:50

    O exemplo deve vir de cima , vamos começar os cortes , primeiro pelo presidente , senadores,deputados , governadores e assim seguindo ,e por último a população, assim vão ter propriedade p falar do assunto , corte .

  • José eduardo Da Silva penha
    14 Nov 2019 às 15:53

    Querem acabar com o servidor público, invés disso, farão contrato com empresas terceirizadas e o dinheiro público ira para os empresários. Tal Como os Mauros desejam, todos da iniciativa privada

  • dauzanades
    14 Nov 2019 às 09:35

    Mauro e este Rogério são uns loucos. Porque o não cortam 50% do deles que são magnatas. evivem na mordomia. Os servidores terão redução de salários e aumento de jornada. Estes políticos se acham donos do povo. Isto é para o povo largar de trocar voto por combustivel e churrasquinho de sebo. Este país está precisando de uma guerra civil, acabar com estes sem vergonha políticos.

  • Walter
    14 Nov 2019 às 09:07

    Cada dia mais tenho a certeza de que esse é um governador de um só mandato!!! Só se fala em corte, diminuir salários, mas só dos Servidores! Deles mesmos não entra em pauta! Estou prevendo um 2020 sombrio, pois do jeito que está caminhando as coisas, nada de RGA e afins!!! Greve a vista!!!!

  • Luiz Alencar
    14 Nov 2019 às 09:02

    SE os brasileiros fossem sérios e pensassem REALMENTE na sociedade/população, pensariam em meios para melhorar as condições de vida dos cidadãos, não apenas engordar suas contas bancárias e seus egos. Olham admirados para os japoneses pelos seus atos cívicos mas não querem agir como tais. E a grande massa da população vai sendo levada como boiada para o abate.

  • Dora Aventureira
    14 Nov 2019 às 08:27

    E o legislativo e judiciario?? Pq não corta o deles? Lá é bem maior!

  • Silvana
    14 Nov 2019 às 08:24

    Cortar salários: dos servidores do Executivo. Concursos públicos já estão mais que congelados. Na Saúde, faltam médicos em todos os setores. Por que não começam a diminuir os privilégios dos outros poderes?

  • Juscelino Alves Ferreira
    14 Nov 2019 às 08:04

    Porquê não cortar os previlégios dos poderes , legislativo, judiciário e outros! Repasses, altos salários! Isso não acontece, porquê a Acordo entre eles!

  • Juscelino Alves Ferreira
    14 Nov 2019 às 08:04

    Porquê não cortar os previlégios dos poderes , legislativo, judiciário e outros! Repasses, altos salários! Isso não acontece, porquê a Acordo entre eles!

  • Juscelino Alves Ferreira
    14 Nov 2019 às 08:04

    Porquê não cortar os previlégios dos poderes , legislativo, judiciário e outros! Repasses, altos salários! Isso não acontece, porquê a Acordo entre eles!

Sitevip Internet