Olhar Direto

Quarta-feira, 27 de maio de 2020

Notícias / Cidades

Reitora da UFMT renuncia ao cargo e alega motivos pessoais

Da Redação - Fabiana Mendes e José Lucas Salvani

21 Fev 2020 - 15:05

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Reitora da UFMT renuncia ao cargo e alega motivos pessoais
A reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), professora  Myrian Serra, anunciou, nesta sexta-feira (21), que irá renunciar do cargo, a partir do dia 2 de março. Com a decisão, o vice-reitor Evandro Aparecido Soares da Silva deve assumir a função. 

Leia mais:
Após segunda invasão, estudantes da UFMT protestam por segurança em Hospital Veterinário; fotos e vídeo

Por meio de um ofício enviado ao presidente da Associação Nacional do Dirigentes das Intuições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), João Carlos Salles Pires da Silva, Myrian informa os motivos que a levaram a deixar o cargo. "Por razões de cunho pessoal, comunico a minha renúncia ao Cargo de Reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a partir de 02 de março de 2020", diz.

Myrian também agradeceu à ANDIFES pelo apoio e diz que fez muitos amigos essenciais para a vida e exercício da função. Por fim, pontua que a partir de agora estará em outras frentes, na defesa da educação superior autônoma, pública, gratuita, democráca, laica e inclusiva.

Myrian esteve na gestão durante uma das maiores crises financeiras da Universidade. A energia elétrica chegou a ser cortada por falta de pagamento em julho do ano passado, nos cinco campi que compõem a Universidade (Cuiabá, Várzea Grande, Araguaia, Rondonópolis e Sinop), além da Base de Pesquisa do Pantanal e Casa do Estudante.

Ao todo, seis contas deveriam ser pagas para a Concessionária Energisa. O valor aproximado da dívida era de aproximadamente R$ 4,5 milhões. Na época, a dívida da Universidade chegava a R$ R$ 1,8 bilhão.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, após tomar conhecimento do desligamento de energia elétrica, anunciou que iria tomar as medidas cabíveis tanto administrativas como judiciais para a responsabilização dos envolvidos pela má gestão na unidade.

A professora assumiu a reitoria da UFMT em 2016. Ela teve a preferência da comunidade universitária, em consulta informal realizada, em abril do mesmo ano, pelas entidades representativas de professores, técnicos administrativos e estudantes. Em junho, o Colégio Eleitoral Especial indicou a professora como primeira da lista tríplice encaminhada ao Ministério da Educação (MEC).

Myrian Serra iniciou sua carreira dentro da própria UFMT, onde se formou em Nutrição. Tem mestrado e doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Faz parte do quadro de professores da UFMT desde 1988. Foi pró-reitora de Ensino de Graduação e Coordenadora da Regional Centro-Oeste do Fórum de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras (Forgrad) no período de 2008 a 2012. 

A UFMT oferece 113 cursos de graduação, sendo 108 presenciais e cinco na modalidade a distância (EaD), em 33 cidades mato-grossenses. São cinco Campus e 28 pólos de EaD. Na pós-graduação, são 66 programas de mestrado e doutorado. A instituição atende 25.435 mil estudantes, distribuídos em todas as regiões de Mato Grosso.
 

34 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • PLATÃO
    22 Fev 2020 às 22:55

    PARA O COMENTARISTA VILLAS: ARISTÓTELES DISSE QUE QUALQUER PESSOA PODE DISCORRER SOBRE QUALQUER TEMA .

  • Ricardo
    22 Fev 2020 às 12:10

    Putz, a mulher tem formação em nutrição e vai se meter com administração, gestão estratégica. Tá explicado o motivo do caos.

  • Paolo
    22 Fev 2020 às 08:04

    Coloquem um general pra gerir aquele antro de maconheiros.

  • Flávio Marcelo
    22 Fev 2020 às 06:29

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Joaquim
    21 Fev 2020 às 23:07

    Já vai tarde. Quem sabe esse é o início do desaparelhamento de nossas escolas.

  • Moreira
    21 Fev 2020 às 22:15

    Tchau querida! Quando o dinheiro acaba, os ratos pulam do navio. Espero que Bolsonaro indique um General da Reserva pra assumir a Universidade no lugar dessa incompetenta petralha.

  • Rocha
    21 Fev 2020 às 21:23

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • José Sotter
    21 Fev 2020 às 21:15

    Ela é formada em Nutrição, tudo haver com a bagunça que se tornou o RU

  • Villas
    21 Fev 2020 às 20:09

    Um grande cientista social disse no final do ano passado que as redes sociais deram oportunidades aos ignorantes e idiotas de sairem do ostracismo e das trevas para se posicionarem sobre tudo,inclusive EDUCAÇÃO!!!

  • Crítico
    21 Fev 2020 às 19:55

    Apertaram o cinto kkkkkk mais a renuncia não adianta. Se houver irregularidade sob sua reitoria será penalizada.

Sitevip Internet