Olhar Direto

Sexta-feira, 10 de julho de 2020

Notícias / Política MT

WF defende adiamento das eleições e uso de fundo partidário para combate ao coronavírus

Da Redação - Isabela Mercuri

25 Mar 2020 - 09:21

Foto: Divulgação

WF defende adiamento das eleições e uso de fundo partidário para combate ao coronavírus
Em meio à guerra contra o coronavírus, o senador Wellington Fagundes defendeu, na última terça-feira (24), o adiamento das eleições municipais para 2022, além do uso do fundo partidário e a taxação de grandes fortunas como medidas para destinar fundos ao combate ao vírus.

Leia também:
Governo do Estado prepara contratação emergencial de profissionais da Saúde
 
O senador de Mato Grosso participou de uma sessão remota do Senado Federal. Segunod ele, o momento permite criar condições para que haja eleições gerais, simultâneas, para todos os cargos eletivos, em 2022.  “Não é de hoje que defendo essa proposta. Mas creio que a situação em função do Coronavírus nos abre essa possibilidade”, afirmou.
 
Líder do Bloco Parlamentar Vanguarda, formado pelo Democratas, PL e PSC, Fagundes se manifestou também favorável a destinação integral do  Fundo Especial de Financiamento de Campanha, conhecido como Fundão Eleitoral, e do Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, o Fundo Partidário para ações de combate ao Coronavírus e também para a garantia de emprego.
 
“Vivemos um momento extremamente preocupante, no campo da saúde pública, com reflexos muito efetivos sobre a economia e, sobretudo, o emprego – o que nos remete ao sustento das famílias. Nossa prioridade, portanto, é justamente encontrar os caminhos que permitam superar esse duro momento da vida da nossa população”, frisou o senador.
 
O congressista também defendeu urgência na apreciação do projeto de lei para permitir que os partidos destinem o dinheiro dos dois fundos nos casos de emergência nacional, reafirmou que o momento é de convergência e que a classe política possa dar respostas que a sociedade tanto espera.
 
Disse, ainda, apoiar a PEC proposta pelo senador Elmano Ferrer (Podemos-PI) e seus argumentos. Ao todo, são necessárias 26 assinaturas – o que tem sido mais difícil visto que os senadores estão em trabalhos remotos. “São poucos senadores em Brasília. Mas serei um dos seus signatários”.
 
Outra medida defendida pelo senador foi a taxação de grandes fortunas. Já está em tramitação um Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), que incidiria sobre patrimônio líquido superior a R$ 22,8 milhões, com alíquotas entre 0,5% e 1%.
 
Para Wellington, os recursos a serem arrecadados também podem ser revertidos ao combate ao novo coronavírus. Ele ressaltou, ainda, que a taxação de 1% das famílias mais ricas seria possível arrecadar R$ 80 bilhões.  “Com um pouco mais de aperto, seria possível dobrar o atual Orçamento da saúde”.
 
O projeto do IDF, do senador Plínio Valério (PSDB-AM), considera grande fortuna o patrimônio líquido que excede o valor de 12 mil vezes o limite mensal de isenção do Imposto de Renda. “É uma matéria que vamos enfrentar com muita tranquilidade”, disse.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • josé de souza
    25 Mar 2020 às 22:42

    DEU UMA DENTRO SENADOR

  • Oto
    25 Mar 2020 às 18:46

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Toniel
    25 Mar 2020 às 17:04

    Nunca fui um admirador, mas, vejo com coerência a idéia, exposta pelo senador, demostra que não tem apego as verbas partidárias, principalmente para uma causa justa, que ora apresenta.

  • Jose
    25 Mar 2020 às 12:05

    É outro que quer aproveitar-se da situação para se promover com seu populismo asqueroso. Aguarde as próximas eleições seu conversador barato.

  • Nonato
    25 Mar 2020 às 12:04

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Elenilda
    25 Mar 2020 às 10:51

    Isso já era para ter feito, o mínimo q esses políticos gananciosos deveriam ter feito, já q não se manifesta retirar nenhum centavos deles! Até qdo vamos ser dominados por esses tipos de gente??? Egoista, capitalista, e ...... a saúde, o povo tá precisando desse dinheiro e de mais q estão nas contas gordas do judiciário! Acorda povo brasileiro!!!!

  • Pedro
    25 Mar 2020 às 10:49

    Deveria acabar com todas as verbas indenizatórias e outros penduricalhos, sem pagamento do imposto de renda, em todos os poderes. Fica a dica Sr. Senador. O brasileiro já não aguenta mais pagar tantos impostos.

  • Benedito costa
    25 Mar 2020 às 09:50

    Até que enfim o deputado deu um peido que cheirou. Mesmo assim sua opinião é uma.çacuna na camara, ninguém lhes dará houvido, muito fraco. Aliás todos nossos representantes são fraquinhos, fraquinhos.

  • SERGIO
    25 Mar 2020 às 09:42

    Boa ideia, comeca com a fortuna do nobre deputado

  • PAGADOR DE IMPOSTOS
    25 Mar 2020 às 09:29

    E O IPTU ESTÁ UMA FACADA E OS JUROS ABUSIVOS E AINDA PROTESTAM ??? SE A DÍVIDA ESTÁ NO IMÓVEL ? CANALHAS , ESMAGAM QUEM TRABALHA ,HUMILHAM ,ABUSAM DEITAM E ROLAM

Sitevip Internet