Olhar Direto

Terça-feira, 22 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

Conselheiro afastado do TCE é preso por embaraçar investigações

Da Redação - Wesley Santiago/Max Aguiar/Arthur Santos da Silva

01 Jul 2020 - 11:20

Foto: Reprodução

Conselheiro afastado do TCE é preso por embaraçar investigações
O conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Waldir Teis, acaba de ser preso pela Polícia Federal, em Cuiabá. Segundo o apurado inicialmente pelo Olhar Direto, a ordem judicial seria por conta de embaraço às investigações referentes à 'Operação Ararath'. 

Leia mais:
MPF denuncia conselheiro após PF flagrá-lo jogando cheques milionários em lixeira

O conselheiro afastado teria suprimido documentos, que estão relacionados com as investigações da 16ª fase, batizada de 'Gerion'. Além da prisão, também são cumpridos dois mandados de buscas, expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Um dos locais que é alvo da ação é o Edifício Maruanã, localizado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA), em Cuiabá, onde o conselheiro afastado tem um escritório.

O edifício é o mesmo em que ele tentou embaraçar a atividade da polícia judiciária que, em 17 de junho, cumpria mandados de busca e apreensão.

Teis, ao notar que os policiais se concentravam em uma segunda sala, recolheu uma série de talões de cheques com cifras milionárias e outras folhas assinadas mas sem preenchimento do valor, que estavam em sala ainda não analisada pelas autoridades. Mas acabou sendo flagrado, e o material, que havia sido jogado numa lixeira, foi recolhido.

Na noite de ontem (30), foram deferidos pelo STJ os pedidos de afastamento de sigilo bancário de diversas sociedades empresárias; o levantamento e utilização de dados de inteligência financeira de pessoas físicas e jurídicas; o afastamento do sigilo telefônico/telemático de alguns investigados, e busca e apreensão a ser realizada em locais ligados a pessoas investigadas, além do compartilhamento de dados com a Receita Federal do Brasil.

Além da condenação pela infração de embaraço à investigação, o MPF requer à Justiça indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 3 milhões, além da prorrogação do afastamento do conselheiro até o trânsito em julgado da denúncia.

Atualizada às 11h26 e às 11h34

Comentários no Facebook

Sitevip Internet