Olhar Direto

Sexta-feira, 07 de maio de 2021

Notícias | Política MT

só começando

Botelho diz que Consórcio do VLT tem melhores advogados do país e prevê problemas na justiça para MT

Botelho diz que Consórcio do VLT tem melhores advogados do país e prevê problemas na justiça para MT
O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), apesar de concordar com a decisão do governador Mauro Mendes (DEM) em desistir de dar continuidade às obras do VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) e modificar o modal para BRT (sistema de ônibus de trânsito rápido), projetou que o Governo do Estado terá muitos problemas na justiça para tirar tudo que foi proposto do papel.
 
Leia também
"É para empresa levar embora tudo que não nos serve", diz Mauro sobre processo contra consórcio do VLT; entenda
 

De acordo com Botelho, as empresas que formam o consórcio que venceu a licitação para construir o modal nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande, como a CR Almeida S/A Engenharia de Obras, têm a melhor banca de advogados do país e não devem aceitar os termos anunciados pelo governador.
 
“Acredito que teremos muita briga na justiça. A empresa CR Almeida tem a melhor banca de advogados no país, que são ex-ministros dos STF, do TJ, ex-ministros do TCU. Então será uma briga e não sabemos o que pode acontecer”, disse o deputado em entrevista ao programa Notícia de Frente, da TV Vila Real, nesta terça-feira (22).
 
Em coletiva de imprensa para anunciar a mudança do modal, o governador afirmou que o Estado irá propor uma ação contra o Consórcio VLT e as empresas que o integram, buscando a condenação delas ao pagamento de indenização R$ 676.810.339,31.
 
Além disso, o governador informou que na mesma ação será requerida a devolução dos vagões, trilhos e demais materiais adquiridos e não utilizados, às empresas, para que o Estado seja ressarcido.
 
"Mato Grosso propôs nova ação contra o consórcio, pedindo liminarmente que leve os vagões embora e a devolução de R$ 676,8 milhões ao Estado. As obras que fizeram e são aproveitáveis, o estado paga, o que foi feito sem serventia, Mato Grosso pede que devolvam. Temos R$ 676,8 milhões a receber. Serão gastos R$ 430 milhões para a obra e compra dos ônibus. O processo diz que é para empresa levar embora tudo que não nos serve", disse.
 
O governador ainda disse que em maio de 2021 será lançado a obra do BRT. "Na sequência compraremos os ônibus. Só vamos comprar os ônibus quando as obras estiverem quase prontas. Não vamos fazer como fizeram antes, que compraram os móveis e depois começaram a fundação da obra. Não vamos depender de dinheiro de ação para fazer a obra. Porém, o mais sensato é a empresa CAF vir para o acordo", explicou.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet