Olhar Direto

Notícias / Política MT

Grupo protesta contra assédio e pede afastamento do presidente do Indea

Da Redação - Isabela Mercuri

17 Jan 2021 - 16:24

Foto: Reprodução

Grupo protesta contra assédio e pede afastamento do presidente do Indea
Um protesto de mulheres pede o afastamento do presidente do Indea Marcos Catão Dornelas Vilaça nesta segunda-feira (18), em frente ao Palácio Paiaguás, às 9h da manhã, em decorrência da denúncia de assédio sexual feita por uma ex-servidora. A manifestação surgiu do grupo “Mulheres MT”, e conta também com uma série de vídeos com o tema “Até quando?”.

Leia também:
Mauro diz que não tomará decisão baseada em denúncia e presidente do Indea segue no cargo durante investigação

Os vídeos foram gravados no último sábado (16) na Pantanal Filmes, e neles trinta mulheres perguntam à sociedade e as autoridades se poderão contar com alternativas de mais resolutividade para colocar fim à agressões, assédios e mortes de mulheres em Mato Grosso.

Os depoimentos serão disseminados pelas redes sociais das integrantes do grupo e pelo aplicativo Whatsapp e fazem parte da campanha deflagrada nesta última semana, por mais de 60 mulheres, ligadas a associações, Organizações Não Governamentais[ONGs] e outras instituições que fazem a defesa das mulheres, na luta pelos seus direitos e contra a violência, assédio e mortes de que muitas são alvos.

O objetivo principal da manifestação desta segunda-feira (18) é pedir ao Governo do Estado que Catão responda pelo suposto crime longe do órgão, por exercer cargo de liderança. Assim, não existiria o risco de que testemunhas sejam cerceadas e que o procedimento de apuração não fuja de seu curso natural e justo.

O movimento ainda leva algumas outras pautas em favor da luta em defesa dos direitos femininos, cobrando mais compromisso das autoridades quanto ao número cada vez maior de agressões e mortes que tem tornado os feminicídios uma violência banal no Estado.

Participam do protesto desta segunda, mulheres ligadas à Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais[BPW], Organização Não Governamental, Liga de Reestruturação das Irmãs Ofendidas no seu Sentimento (Lirios) e ainda outros coletivos linkados à rede de enfrentamento contra a violência domestica e familiar.

Na lista de participação do movimento ainda constam nomes das deputadas estadual e federal, Janaina Riva (MDB) e Rosa Neide (PT), respectivamente. Além da vereadora Edna Sampaio (PT), da suplente de deputada federal, Gisela Simona, de Luciana Zamproni, secretária da Mulher, da capital, e ainda advogadas e jornalistas.

Outras mulheres, como a vereadora Michely Alencar (DEM), a empresária e suplente de senadora, Margareth Buzetti, e a tenente-coronel Emirella, presidente da BPW de Várzea Grande, que ainda não sabem se estarão em Cuiabá, garantirão sua participação de forma virtual, por meio de suas redes sociais.

Para evitar a disseminação do novo coronavírus (Covid-19), o movimento optou por reduzir o número de participantes na manifestação e, assim, manter o distanciamento e fazer uso de proteção individual, como máscaras e álcool em gel.

O caso

A denúncia de assédio sexual da ex-assessora técnica foi feita por meio de Boletim de Ocorrência no dia 12 de novembro, mas só veio à tona esta semana, ganhando a indignação de mulheres como a parlamentar emedebista, Janaina Riva (MDB), da primeira-dama do Estado, Virgínia Mendes, da empresária Margareth Buzetti. A ex-servidora ainda ganhou a adesão de sete advogadas que passam a compor sua banca jurídica. Por meio de nota, nesta última sexta-feira (15), as advogadas oficializaram a defesa da ex-assessora técnica.

Outro lado

O presidente do Indea, Marcos Catão Dornelas Vilaça negou esta semana - por meio de seu advogado Francisco Faiad - que tenha cometido qualquer assédio contra a ex-assessora. Garantindo que a defesa estaria trabalhando, inclusive, contra o pedido de afastamento feito pela vice-presidente da Assembleia Legislativa, a deputada estadual emedebista, Janaina Riva.

"Isto nunca aconteceu como ela descreve. Mas a delegacia ainda não marcou data nem horário para que ele[Catão] preste depoimento", disse Faiad, apontando ainda que o presidente do Indea 'não concorda com esse tipo de denúncia vazia, frágil, sem qualquer prova'.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet