Olhar Direto

Quinta-feira, 17 de junho de 2021

Notícias | Cidades

INFORME epidemiológico

Taxa de infecção por Covid-19 em adolescentes e jovens foi a que mais cresceu em Cuiabá

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Taxa de infecção por Covid-19 em adolescentes e jovens foi a que mais cresceu em Cuiabá
A taxa de infecção em adolescentes e jovens de 20 a 29 anos foi a que mais cresceu desde 18 de julho de 2020 – 1.169% e 844% respectivamente, evidenciando aumento superior do risco de infecção nesses grupos. Os dados são do Informe Epidemiológico nº 04 de Cuiabá, elaborado pela Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica e por pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva, do Departamento de Geografia e do Departamento de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

Leia mais:
Pastor de Cuiabá e agente de saúde morrem por Covid-19

Também chamou a atenção dos pesquisadores o incremento da taxa de incidência em crianças, adolescentes e jovens de 20 a 29 anos, que se revelou muito maior do que para outras faixas.

Desde 18 de julho de 2020, por exemplo, a taxa de idosos aumentou cerca de 347% enquanto a de crianças aumentou aproximadamente 782%, de adolescentes subiu 1.169% e de jovens de 20 a 29 anos de idade cresceu 844% evidenciando o aumento superior do risco de infecção nesses grupos. A taxa de incidência trata-se de uma projeção matemática do risco da população adoecer, com base nos dados preexistentes sobre a doença.

Para a gerente de Vigilância Epidemiológica, Flávia Guimarães, o aumento do número de casos entre crianças e jovens pode ser explicado pelo comportamento da população, que no início da pandemia preservou mais as crianças e conseguiu manter o isolamento social, o que foi se perdendo ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que jovens também se expuseram mais às aglomerações.

Conforme o estudo, a taxa de incidência por faixa etária revela que a taxa mais elevada é a de adultos de 30 a 39 anos (10.753,5 infectados a cada 100 mil habitantes), seguida por 40 a 49 anos (10.555,9), 50 a 59 anos (9.731,5) e 20 a 29 anos (9.244,9), apontando para o risco maior de infecção por Covid-19 nos indivíduos em idade produtiva, principalmente em adultos de 30 a 39 anos. 

Por outro lado, as taxas de incidência por sexo e faixa etária revelam riscos diferentes, sendo mais elevado para o sexo feminino de 0 a 59 anos de idade e para o sexo masculino, a partir de 60 anos. 

Em relação à prevalência de casos entre as mulheres, Flávia afirma que “não existe um fator biológico para isso, o que ocorre é que as mulheres têm mais o hábito de procurarem o médico do que os homens, o que incide nos dados estatísticos”, afirma. 
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet