Olhar Direto

Domingo, 21 de abril de 2024

Notícias | Política MT

negacionismo

Após conquistar prioridade, policiais assinam termo abrindo mão da vacina; deputado defende punição

26 Abr 2021 - 18:00

Da Redação - Airton Marques / Do Local - Max Aguiar

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Após conquistar prioridade, policiais assinam termo abrindo mão da vacina; deputado defende punição
Colocados como prioridade na vacinação contra a Covid-19, os agentes das Forças de Segurança continuam sendo vacinados, mas há um pequeno grupo de policiais que se recusaram a tomar a primeira dose, chegando a assinar termo abrindo mão da imunização.


Leia também:
‘Todo mundo tem que abrir mão de um pouquinho’, diz Mauro a Emanuel sobre isenção do IPVA

De acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), das 22 mil pessoas, entre servidores da Segurança Pública estadual e federal, além de membros das Forças Armadas, previstas para serem vacinadas, somente oito formalizaram tal decisão. Se há mais, a Pasta ainda não foi notificada.

De acordo com a Sesp, ainda não legislação estadual ou federal que obrigue o servidor a se vacinar. Explica que o termo é necessário até para a distribuição das doses. Se em um município tem o numero de servidores, e algum deles não queira ser imunizado, somente será enviada a doses para os servidores que serão vacinados. “Não podemos punir ou atuar com alguma medida administrativa, pois não há legislação que ampare. A Pasta orienta e aconselha sobre a importância de se vacinar”.

Presidente da Comissão de Segurança Pública na Assembleia Legislativa (ALMT), o deputado João Batista (Pros) afirma que a prioridade para os agentes foi fruto de intensa cobrança das categorias, e defende que haja algum tipo de punição.

“Enquanto servidor público e sabendo que uma das alternativas para diminuir o número de óbitos é a imunização, tem que ser responsabilizado. Não quer tomar a vacina, tudo bem, será obrigado a tomar todas as medidas de biossegurança e não ter o direito de pedir afastamento caso necessário, por questão da Covid. É uma questão de responsabilidade e respeito ao próximo”.

“Se for por alguma orientação médica, tudo bem, mas se for por ignorância tem que ser responsabilizado criminalmente. O que temos de informação é que é um número muito pequeno. Falamos de um ou outro que não quer se vacinar por questão ideológica, de burrice”, completou.

Vacinação

A Sesp já encaminhou 9.195 doses da vacina destinadas aos profissionais da Segurança Pública e das Forças Armadas nos 141 municípios para a primeira dose da imunização contra a Covid-19.

Contudo, como a vacinação é coordenada pelas prefeituras, a Sesp depende que as secretarias municipais de Saúde informem o nome dos servidores vacinados e se foi respeitada a lista com os nomes encaminhados pela secretaria do mais antigo aos mais jovens.

Algumas prefeituras já vacinaram todo o efetivo, mas a maioria não respondeu aos pedidos da Pasta.
Entre no nosso canal do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
 

Comentários no Facebook

xLuck.bet - Emoção é o nosso jogo!
Sitevip Internet