Olhar Direto

Quarta-feira, 01 de dezembro de 2021

Notícias | Política MT

CONJECTURAS PARA 2022

Avallone afirma que membros da direita de Mato Grosso que hoje apoiam Bolsonaro sempre votaram no PSDB

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Avallone afirma que membros da direita de Mato Grosso que hoje apoiam Bolsonaro sempre votaram no PSDB
Presidente regional do PSDB, o deputado estadual Carlos Avallone demonstrou confiança de que o ex-deputado federal Nilson Leitão continue no ninho tucano e com o apoio da direita de Mato Grosso, que tem se articulado para lançar uma candidatura de oposição ao governador Mauro Mendes (DEM), em 2022.

Leia também:
Leitão, Bia Kicis, Medeiros, Galli e empresários de Rondonópolis se reúnem para discutir pretenções para 2022

No fim de setembro, o grupo “Direita Mato Grosso” composto por membros do Podemos, PSL, PSC, PRTB e Patriota, se reuniu em Brasília para discutir a construção do palanque para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Estado para a disputa de 2022. Entre os nomes cogitados ao Palácio Paiaguás, Leitão é o nome mais competitivo, por conta de seu histórico político e atuação como um dos líderes do agronegócio no país. Porém, o fato de estar filiado ao PSDB é visto como um empecilho para que o ex-parlamentar seja o nome apoiado pelo presidente.

Avallone, no entanto, afirmou que o partido sofre com ataques mentirosos que colocam o PSDB como uma sigla de esquerda. O deputado pontuou que antes de Bolsonaro surgir como candidato, a direita sempre votou em tucanos.

“Eu tenho tentado entender o que é direita, centro e esquerda. Está tudo bagunçado. Esses mesmos que se dizem de direita sempre foram centro, sempre votaram com o PSDB, são todos eleitores do PSDB. Votaram no FHC, Serra e Alckmin. Hoje há uma distorção, as pessoas não sabem nem o que é direita, nem esquerda, chamam todos de comunistas. FHC dá uma declaração e dizem que sou comunista por estar no PSDB. Virou uma tragédia”, afirmou.

Avallone revelou não estar participando das reuniões da direita bolsonarista em Mato Grosso, mas crê na possibilidade de tais lideranças ainda apoiarem um nome do PSDB. “Se acredito que o PSDB vai, a partir de fevereiro, estar crescendo, quem sabe aqueles que um dia foram do PSDB não voltem a ser e o Nilson continue no partido, com o apoio deles?!”.

As lideranças regionais do PSDB defendem que o partido tenha candidatura própria em 2022, mas a falta de opções levam para o caminho de continuar na base de apoio de Mauro, que deve buscar a reeleição. Além de Leitão, o prefeito de Sorriso, Dilceu Rossato, é um nome sempre lembrado. O gestor, no entanto, já disse que pretende concluir seu mandato. Outra possibilidade é o ex-prefeito de Cáceres, Francis Maris.

A reunião do Direita Mato Grosso também contou com a participação dos empresários Domingos Kennedy Sales, Reinaldo Moraes, Tânia Balbinotti e Odílio Balbinotti. O senador Marcos Rogério (DEM-TO) e a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), ambos da tropa de choque de Bolsonaro no Congresso, também participaram do encontro.

Cenário nacional

Sobre a disputa pela Presidência da República, Avallone também vê chances de a direita de Mato Grosso votar em um candidato do PSDB. O partido realiza prévias entre João Doria (governador de São Paulo), Eduardo Leite (governador do Rio Grande do Sul) e Arthur Virgílio (ex-senador e ex-prefeito de Manaus).

“Muita gente que hoje é Bolsonaro já está com vontade de mudar, mas acha que o adversário é o Lula. Se o candidato é o Lula, as pessoas são o adversário do Lula. E esse adversário sempre foi o PSDB. Há uma distorção muito grande. Isso vai clarear, tenho certeza que PSDB é a terceira via que vai crescer. Tem outras opções, mas é a mais viável, com serviço prestado. O que vai valer na hora do vamos ver é esse histórico maior”, pontuou.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet