Olhar Direto

Sábado, 25 de junho de 2022

Notícias | Cidades

VIAGEM DE ÔNIBUS

Suspeito de envolvimento no assassinato de jornalista e indigenista passou por Rondonópolis durante fuga

Foto: Reprodução

Jornalista e o indigenista viajaram para o Vale do Javari

Jornalista e o indigenista viajaram para o Vale do Javari

Quarto suspeito de envolvimento na morte de indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips no Amazonas, se apresentou em uma delegacia de São Paulo nesta quinta-feira (23). Gabriel Pereira Dantas, de 26 anos, afirmou que passou por Rondonópolis (a 214 km de Cuiabá), durante a fuga de Santarém (AM). 

Leia também 
Ato cobra justiça por indigenista Bruno Pereira e jornalista Dom Phillips em Cuiabá; veja fotos

Em depoimento à Polícia Civil de São Paulo, ele contou que morava em Atalaia porque estava fugindo do Comando Vermelho, desde que havia sido ameaçado de morte. Gabriel disse ter visto quando os executores atiraram nas vítimas e ajudou a jogar os pertences delas no rio. 

O suspeito contou aos policiais que estava bebendo com Jeferson da Silva Lima, conhecido como "Pelado da Dinha", que teria chamado ele para pilotar uma canoa. Jeferson foi preso no sábado (18). 

Gabriel ainda falou que não saiba o que o colega iria fazer, mas que que viu ele atirando primeiro em Dom e, depois, em Bruno. Pelado ainda teria chamado mais dois homens. 

Depois dos homicídios, ele fugiu de ônibus, passando por Santarém, Manaus e Rondonópolis até chegar em São Paulo, onde se entregou. 

Morte de Dom e Bruno 

Bruno e Dom foram assassinados por pescadores ilegais no Vale do Javari. Em depoimento, Gabriel contou que procurou a Polícia Militar de São Paulo e contou que havia participado da morte de "dois turistas". 

O jornalista e o indigenista viajaram para o Vale do Javari, entre Atalaia do Norte e Guajará, na tríplice fronteira Brasil, Peru e Colômbia, quando desapareceram no dia 5 de junho.

A área possui 8,5 milhões de hectares demarcados, sendo a segunda maior terra indígena do país.

Segundo investigação da Polícia Federal, a dupla foi perseguida por pescadores ilegais e assassinados. As vítimas teriam sido mortas a tiros e os corpos, esquartejados e enterrados.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet