Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de julho de 2017

Notícias / Civil

Juiz não vê possibilidade de ajuste amigável para conclusão do VLT e estabelece mais 5 dias para MPs

Da Redação - Arthur Santos da Silva

03 Jul 2017 - 09:38

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz não vê possibilidade de ajuste amigável para conclusão do VLT e estabelece mais 5 dias para MPs
O magistrado Ciro José de Andrade Arapiraca, Juiz Federal da Primeira Vara de Mato Grosso, estabeleceu em 29 de junho um prazo de 5 dia para que o Ministério Público (Estadual e Federal) apresente resposta as impugnações apresentadas pelo Governo de Mato Grosso e pelo Consórcio VLT. Conforme o juiz inexiste a possibilidade de uma homologação de “ajuste amigável” para conclusão das obras do veiculo leve sobre trilhos.
 
Leia mais:
Governo entrega proposta do VLT, MP emite parecer e processo está concluso para julgamento


 Arapiraca havia, em 5 de junho, concedido um prazo semelhante, de 5 dias,  para que o Estado de Mato Grosso, o Consórcio VLT e o Ministério Público de Mato Grosso pudessem discutir um novo acordo para a conclusão das obras. Porém, o ajuste não foi possível.
 
“[...] diante das manifestações apresentadas pelo Estado de Mato Grosso e Consórcio VLT Cuiabá – Várzea Grande e Outros, é cediço instar o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual a ponderar as impugnações apresentados ao parecer, de modo a apresentar solução que contemple os interesses buscados na presente lide, condição necessária para permitir uma análise acerca da viabilidade da homologação de um acordo que satisfaça, de forma uníssona, o interesse das partes litigantes e da coletividade”, salientou o juiz.
 
A expectativa do Governo de Mato Grosso, representado pelo secretário de Cidades, Wilson Santos, é que a Justiça Federal sacramente a retomada dos trabalhos.

O caso

O Governo do Estado de Mato Grosso havia acordado com o Consórcio VLT Cuiabá – Várzea Grande para a retomada das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Pelo entendimento entre as partes, o Estado pagaria R$ 922 milhões para a conclusão integral da implantação do modal. O mesmo acordo previa como prazo de conclusão total o período de 24 meses.
 
O cronograma das obras previa a entrega da primeira etapa, em março de 2018, no trecho entre o aeroporto de Várzea Grande até a estação do Porto, em Cuiabá. Até dezembro de 2018 deveria entrar em funcionamento todo o trecho da linha 1, num total de 15 quilômetros, entre o aeroporto de Várzea Grande e o Terminal do Comando Geral, em Cuiabá.
 
Já a linha 2, que compreende o trecho de 7,2 km entre a avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha) e o Parque Ohara, no Coxipó, seria entregue até maio de 2019.

Os MPs

O documento foi entregue ao Ministério Público no dia 31 de março e também será enviado.

No dia 31 de maio o Ministério Público Federal em Mato Grosso, por meio da procuradora da República Bianca Britto de Araújo, e o Ministério Público estadual, representado pelo promotor de Justiça André Luís de Almeida, emitiram parecer contrário à adesão à “minuta de acordo de autocomposição destinado à retomada das obras de implantação do modal de transporte veículo leve sobre trilhos”, apresentado pelo Estado de Mato Grosso e pelo Consórcio-VLT.

O documento foi submetido à análise do corpo pericial das duas instituições e também pela Controladoria Geral da União (CGU) com a finalidade de subsidiar a manifestação quanto aos aspectos técnicos da referida minuta, que também foi analisada em seus aspectos legais/jurídicos.

A procuradora da República Bianca Britto de Araújo explicou que os peritos analisaram a minuta do acordo, os resultados da consultoria da KPMG – contratada pelo estado para realizar uma auditoria sobre a execução das obras do VLT a fim de se decidir pela continuidade ou não do modal pelo Consórcio – e os relatórios anteriores do próprio estado, e encontraram inconsistências.

“Embora seja sinalizado no acordo que estão se parametrizando pelo estudo da KPMG, na verdade os valores que foram originalmente apontados pela KPMG não são os que aparecem na minuta, não são os R$ 922 milhões. Tais valores são oriundos de questionamentos posteriores que o estado fez à KPMG e inclusões que o estado fez no estudo da KPMG, sendo nem todos estão respaldados por documentos”, explicou a procuradora.

Bianca esclareceu ainda que o consórcio, por diversas vezes nos autos, pede que o estado arque com as despesas causadas por conta do período de suspensão judicial de mais de dois anos, como os gastos por conta de conservação de material rodante que ficou parado, situação que ainda não foi decidida judicialmente. “Então eles estão embutindo isso no acordo para continuar a obra, com valores apontados pela empresa, que não fez ainda comprovação desses custos", completou.

No parecer, também é colocado que os custos adicionais que estão sendo pleiteados pela empresa para reiniciar a obra, como a remobilização, construção de canteiros e administração local, estão sendo parametrizados com base no valor total do contrato (R$ 1,470 bilhão), quando faltam pouco mais de R$ 300 milhões para serem executados. “Isso dá um reflexo financeiro relevante na obra. Além de outras irregularidades diversas que estão apontadas, como a questão dos projetos de obra, com relação aos quais ainda não há certeza quanto à regularidade de sua apresentação pelo consórcio, como projetos executivos e desapropriação. Não é viável que se retome um contrato problemático repetindo os erros do passado. Várias obras foram feitas com irregularidades exatamente por conta dos questionamentos quanto à existência e regularidade dos projetos de obra.", continua a procuradora.

A procuradora enfatiza que tanto o MPF/MT quanto o MP estadual estão se manifestando contrariamente ao acordo por estes motivos, e que não cabe ao Ministério Público dizer se vai ter ou não o VLT, ou se será construído por esta ou outra empresa. “Essa ação não tem, por absoluto, a intenção de opinar quanto aos caminhos políticos que adotará o Estado de Mato Grosso, mas visa subsidiar o estado realmente de elementos para que ele possa garantir, primeiro, se vai optar pela continuidade, se vai continuar com esse consórcio e, segundo, se tem viabilidade de se fazer. Então não tem sentido o estado ter achado, originalmente, que essa ação era necessária para lhe conferir esses elementos para que pudesse chegar a uma resposta, e agora esteja abrindo mão desses elementos. Porque de lá pra cá não mudou nada”, concluiu.
 
O VLT

Em dezembro de 2014 o Governo de Mato Grosso determinou a paralisação das obras, alegando atrasos no cronograma de execução, entre outros. O contrato foi paralisado com 74% da implantação concluída, sendo 30% das obras físicas executadas. Neste momento, o Governo de Mato Grosso já havia pago R$ 1,066 bilhão dos R$ 1,4 bilhão do valor inicial do contrato.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • cramulhão
    03 Jul 2017 às 12:59

    Pelamordedeus seu juiz, mande cada um cumprir sua obrigação. O governo que faça a obra, o MP que fiscalize a legalidade, havendo irregularidade punam-se os culpados. Agora o que não dá é que nós, o povo, sejamos privados do beneficio do nosso transporte pelo qual já pagamos através dos impostos escorchantes a que somos submetidos.

  • Carlos Nunes
    03 Jul 2017 às 11:57

    Pois é, não tem dinheiro pra repassar pros Poderes...não tem dinheiro pra Saúde, e vai saber pra que mais não tem dinheiro, e o pessoal ainda tá pensando em andar de trenzinho elétrico? Pegadinha de novo não vale, ou vale? Sei lá. Lembro da época do Silval ele aparecendo todo dia na TV, dizendo: podem deixar que, com 1 BILHÃO E 400 MILHÕES DE REAIS, termino o VLT antes da Copa começar. Foi a maior pegadinha da história dos 300 anos de fundação de Cuiabá. Começou a Copa, levamos de 7 X 1 da Alemanha, terminou o Governo do Silval, passou o tempo...e nada de VLT. Hoje já começam a fabricar lá no Rio de Janeiro o NOVO VLT movido a Magnetismo, que gasta só um terço da Energia que o nosso espanhol. É, brevemente o nosso ficará anti-econômico pra burro, aí, ninguém vai querer nem comprar...vão preferir o NOVO que consome só um terço de Energia.

  • El Cid
    03 Jul 2017 às 11:27

    Como pode uma obra que iniciou em 2006 e até hoje não foi construído nem a metade do projeto. Mas arrancou estátuas e outras construções de homenageados, árvores, gramas, acabou com canteiros nas avenidas, continua trazendo enorme transtorno para os transeuntes e o principal, consumiu mais de um bilhão dos cofres do governo!

  • João Edson fanaia
    03 Jul 2017 às 11:23

    Esta notícia faz com que os cidadãos mato-grossenses, especialmente os cuiabanos iniciem a semana "feliz", ao ver o planejamento, a execução e entrega das obras em nosso país ser rigorosamente cumprida. A desesperança tomou conta da nação, o que sobra são os otimistas ingênuos.

  • RENATA MELINE
    03 Jul 2017 às 10:50

    NÃO ENETENDO SE O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL E FEDERAL JA DISSERAM QUE NÃO É UM BOM ACORDO, PQ TANTA INSITENCIA DO ESTADO EM CONTINUAR COM ESSA NOVELA...........

Sitevip Internet