Olhar Jurídico

Sábado, 24 de junho de 2017

Notícias / Geral

TJ-MT firma contrato para construir passarela e reformar telhado do Fórum; prédio custou quase R$ 60 milhões

Da Redação - Katiana Pereira

16 Jan 2014 - 11:27

O Fórum abriga 45 varas cíveis e criminais de Cuiabá, tem menos de 10 anos de uso e custou cerca de R$ 60 milhões

O Fórum abriga 45 varas cíveis e criminais de Cuiabá, tem menos de 10 anos de uso e custou cerca de R$ 60 milhões

O Fórum de Cuiabá, construído na gestão do ex-desembargador José Ferreira Leite, irá passar por obras no valor de R$ 116.310,94. O contrato foi firmado com a Construtora Real LTDA- ME, com vigência de 120 dias e determina a execução de passarela metálica, readequação do estacionamento e reforma do telhado do Fórum da Capital.

A obra, contratada em 2004, consumiu R$ 57,13 milhões "com lista enorme de defeitos na edificação, tal a pressa em finalizar a grandiosa construção", segundo investigação feita pelo então corregedor-geral de Justiça, desembargador Orlando Perri, atual presidente da Corte. O Fórum abriga 45 varas cíveis e criminais de Cuiabá.

Leia mais
TJ-MT contrata micro-empresa e paga R$ 386 mil para elaboração de projeto padrão para Fórum

À época, a Corregedoria-Geral do TJ-MT preparou um documento com mais de 200 páginas que apontou supostas irregularidades na construção do Fórum de Cuiabá. De acordo com relatório houve fortes indícios "de desvios de verbas e materiais na construção do Fórum, favorecimento em licitação e tráfico de influência envolvendo magistrados".

Escândalo da Maçonaria

Foi levantada a suspeita de que um suposto superfaturamento na aquisição de materiais para a construção do Fórum de Cuiabá poderia ter financiado a construção da sede da Loja Maçônica Grande Oriente do Estado de Mato Grosso, na Avenida do CPA, em Cuiabá.

Os desembargadores José Tadeu Cury , José Ferreira Leite e  o juiz Marcelo Souza de Barros foram aposentados compulsoriamente, por decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em junho de 2012, acusados de integrar um suposto esquema de desvio de dinheiro público, durante a gestão de Ferreira Leite, no comando do TJ-MT.

Leia outras notícias do Olhar Jurídico

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose a silva
    16 Jan 2014 às 12:17

    A quantas andam estas situações? Alguem foi obrigado a devolver valores, a refazer obras mal feitas, foram punidos? Eu e talvez o povo queira saber!..

Sitevip Internet