Olhar Direto

Quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Notícias / Cidades

Secretário de Ordem Pública diz que velório de pastor com mais de cinco mil pessoas foi "excepcionalidade"

Da Redação - Max Aguiar

10 Jul 2020 - 16:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Secretário de Ordem Pública diz que velório de pastor com mais de cinco mil pessoas foi
O secretário Leovaldo Salles, titular da pasta de Ordem Pública de Cuiabá, tratou o sepultamento do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, líder da Assembleia de Deus, como um ato excepcional. Por isso, segundo ele, houve uma compreensão maior das autoridades para a liberação das pessoas em participar. Estima-se que cerca de 5 mil pessoas compareceram à despedida do líder religioso.

Leia mais:
Último adeus a pastor Sebastião tem cortejo pela cidade, cemitério lotado, homenagens e mensagem de Bolsonaro; fotos

A discussão sobre o assunto aconteceu nesta sexta-feira (10), na Rádio Nativa FM. Os jornalistas Paulo Sá e Kleber Lima indagaram o secretário sobre a reunião de milhares de pessoas no Cemitério do Parque Bom Jesus de Cuiabá, infringindo as regras que constam do decreto que a própria Ordem Pública segue e busca manter o seu cumprimento em Cuiabá. 

Por telefone, o coronel Salles disse que o caso foi tratado de forma diferente porque o pastor Sebastião era uma pessoa de respeito e de conhecimento nacional, tanto que o próprio presidente da República emitiu uma nota de falecimento. 

"Estive na despedida do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, participei do que era possível fazer numa situação excepcional. Estamos em um momento de recordar princípios. Toda regra tem sua excepcionalidade, sua exceção”, disse o secretário.
“A regra hoje é cumprir os protocolos definidos nas medidas de restrição. Existe ordem judicial, montanha de decreto, e isso é de conhecimento geral. Mas estamos falando de excepcionalidade. E isso é algo que quebra a regra momentaneamente. Isso é garantido até em uma ação judicial. No Código Penal está escrito que não há crime quando existe a excepcionalidade. Não é todo dia em Cuiabá que morre uma personalidade que todos nós deveríamos conhecer. E considerar que em sua despedida seria inevitável a presença de pessoas", disse o coronel.

No momento da entrevista, não chefou a ser questionada a liderança do pastor entre fiéis da Igreja Assembleia de Deus, mas o secretário foi perguntado sobre as regras as quais todas as pessoas estão sujeitas neste momento de pandemia. No decreto está claro que não se pode velar nenhuma vítima da Covid-19. E o pastor justamente faleceu em decorrência da doença causada pelo novo coronavírus. 

"A excepcionalidade quebra regras. O ajuntamento de pessoas é devido uma perda de uma autoridade. Quem evitaria essa aglomeração? Mais de cinco mil pessoas estiveram lá. O excepcional quebra regra. O excepcional corre risco. E isso justifica a presença das pessoas. O pastor Sebastião não era uma pessoa comum. Tanto é que o presidente da República, entre 68 mil mortes, mereceu uma nota do presidente. Se não houvesse nossa participação, com a direção do cemitério, seria muito pior. O que fizemos lá, foi minimizar os efeitos. E assim entendeu o Ministério Público. O prefeito Emanuel Pinheiro me autorizou a participar de todos os atos de sepultamento. Primeiro que sou pastor e segundo que a minha presença lá seria para minimizar os efeitos da aglomeração", comentou.

No continuar da entrevista, Salles disse que não viu questionamento de nenhuma parte da sociedade sobre a manifestação. Mas, que ninguém está privado de ir no enterro do pai ou da mãe. O cemitério é público, segundo o secretário. 

"Estou surpreso com a interrogação. Pois procurei em sites e jornal esse questionamento e não achei. No local, definimos o limite de grupo participante e solicitamos o distanciamento. Garantimos que a urna ficasse em local isolado. Devido essa pandemia, 250% de aumento de enterros. O coordenador disse que se enterrava de 15 a 17 vítimas por dia. Hoje temos em média de 50 a 60 enterros por dia. As pessoas que perdem a mãe e perdem o pai, não são privadas de participar do enterro. No dia do enterro eu cheguei lá 13h e saí depois de 19. Eu presenciei no mínimo de 10 enterros e todos com pessoas acompanhando. Mas pra levar 5 mil pessoas precisa ser um homem de caráter destacado. Nós não vamos ter em Cuiabá a morte de uma personalidade como pastor Sebastião todos os dias", ponderou.

Por último, o jornalista Kleber Lima pediu que Salles, que além de ser secretário também é pastor da Assembleia de Deus, orasse um "Pai Nosso" para cada uma das cinco mil pessoas que estiveram no enterro, para que eles não fossem novas vítimas da Covid. 

Em resposta, Salles disse que não faria isso. "Eu não posso atender isso. Creio que um Deus não precisa ouvir cinco mil Pai Nosso para atender. Eu creio em um Deus que ordenou um homem como o pastor Sebastião para ser aqui de Cuiabá e todos devem ter reconhecimento disso", concluiu. 

113 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sergio
    19 Jul 2020 às 08:56

    Que absurdo! O secretário usa o argumento de “excepcionalidade”! Eu nunca ouvi falar desse pastor, e mesmo que houvesse, a regra deve ser pra todos. Então, quer dizer que se o Roberto Carlos falecer de Covid teremos uma excepcionalidade que pode matar mais milhares de pessoas? Outra coisa: “Ele mereceu uma nota do presidente”. E daí???? E daí??? O fato é que este secretário é um irresponsável e deveria entregar o cargo e ir cuidar do “rebanho”, pois provou que a sua religiosidade é mais importante que suas responsabilidades como homem Público. Que vergonha! Que tristeza! Alguém ore por esse secretário, talvez assim, Deus dê discernimento e bom senso a ele.

  • DENIS GOMES
    12 Jul 2020 às 22:34

    O secretário de ordem pública deveria ser responsabilizado por ter permitido e participado da reunião de milhares de pessoas em meio a pandemia do novo coronavirus. O Decreto do município de Cuiabá proibe qualquer evento que gere aglomeração, inclusive festas em ambiente domiciliar. O vírus não escolhe raça, religião ou estatus social. Ele atinge a todos. Portanto secretário, a sua ação colocou em risco a vida de milhares de pessoas.

  • Marcos
    12 Jul 2020 às 16:10

    Para o presidente, só morreu esse de COVID. Tranquilo, vamos deixa-lo descansar em paz não é mesmo? Já tá bom. Imagina essa repercussão toda a todos que se foram do mesmo mal. A não, espera, não houve mais ninguém, só ele.

  • Felipe
    12 Jul 2020 às 13:37

    Para os outros 70 mil brasileiros que morreram o presidente também enviou uma mensagem: E daí? Não sou coveiro.

  • paula
    12 Jul 2020 às 13:11

    cadê meu comentário que não aparece?

  • Lampiao
    12 Jul 2020 às 12:14

    Esse que morreu nao é melhor que ninguem que morreu tb vitima do covid. Absurdo... PARA CONCRETIZAR QUE A LEI NÃO É PARA TODOS

  • Karlos
    12 Jul 2020 às 12:10

    o vírus não reconhecerá essa excepcionalidade desses idólatras e de nenhuma autoridade aqui na terra......veremos

  • Jango
    12 Jul 2020 às 11:58

    A atuação do Secretario creio que foi correta, como também não haveria necessidade de decreto para essa atual pandemia se tivéssemos consciência de como proceder sabendo que não estamos sozinho nessa terra...

  • Teka Almeida
    12 Jul 2020 às 11:57

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • rato
    12 Jul 2020 às 08:45

    Esse secretário é ridiculo zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Sitevip Internet