Olhar Jurídico

Domingo, 20 de agosto de 2017

Notícias / Civil

Justiça homologa plano de recuperação da Rede “Posto 10”; dívidas superam R$ 37 milhões

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

13 Jun 2017 - 10:09

Foto: Reprodução

Posto Ipiranga consta como parte da ação

Posto Ipiranga consta como parte da ação

O juiz Claudio Roberto Zeni Guimarães, da Primeira Vara Cível Especializada de Falências, Recuperação Judicial e Cartas Precatórias, homologou o plano de recuperação apresentado pelo do Grupo Castoldi, que atua no ramo de combustíveis em Mato Grosso e encontra-se em recuperação judicial desde 2015. A decisão foi proferida no último dia 09. O valor da causa está avaliado em R$ 37.760.224,00.

Leia mais:
MPF instaura inquérito para investigar cursos de Direito no ICEC e IESMT


O pedido de recuperação judicial foi formulado pelo “Grupo Castoldi”, que compreende as empresas Castoldi Diesel Ltda, Posto 10 Rodovias Ltda, Posto 10 Diamantino Ltda, Posto 10 Ltda, Posto 10 Caminhoneiro Ltda, Posto 10 Park Ltda, Empresa de Transportes Castoldi Ltda, Fature Fomento Mercantil e Consultoria Financeira Ltda, TEI Empreendimentos Imobiliários Ltda, MIT Participações e Administração S/A, Castoldi Participações Ltda, MR3 Empreendimentos e Participações Ltda, R3 Participações e Administração S/A e RV Castoldi ME.

Segundo narrado em poucas linhas, as empresas atuam em Cuiabá e em várias cidades do interior do Mato Grosso na revenda e transporte de derivados de petróleo, cuja atividade mercantil é desenvolvida com a mesma estrutura administrativa - sediada nesta Capital -, mesma contabilidade e colaboradores. Alegam que vêm “suportando crise econômico-financeira somente superável mediante a intervenção do Poder Judiciário, através do presente remédio jurídico-legal”.

O pedido de recuperação foi formulado e aprovado em 2015 e o valor da causa foi avaliado em R$ 37.760.224,00, sendo que somente um dos empreendimentos do Grupo soma saldo negativo de R$ 994.784,99 até agosto/2016.

Com a aprovação do plano de recuperação, em assembleia, coube ao juízo homologar o plano, fixando a publicação da presente decisão como início do prazo para execução do plano de recuperação. Os pagamentos deverão ser realizados diretamente aos credores, os quais deverão informar seus dados bancários diretamente às recuperandas, ficando vedados, desde já, quaisquer depósitos nos autos.

As recuperandas deverão, ainda, no prazo de 120 dias, comprovar a adesão a parcelamento dos seus débitos tributários pendentes, ficando desde já deferida a opção por aquele que lhes for mais favorável nas esferas federal, estadual e municipal, bem como afastando-se a exigência de que renunciem ao direito de questionar a constituição dos créditos tributários a serem parcelados, nos termos da Lei n. 11.101/2005 e em sintonia com os princípios constitucionais que regem a matéria.

Recuperação difícil:

Em 2016, o juiz Cláudio Zeni anulou parte do plano de recuperação judicial aprovado pela assembleia de credores do Grupo Castoldi. Um dos motivos que levou à anulação do plano foi a proposta de pagamento feita para os credores da classe quirografária (aqueles que não têm garantia real), que estabelecia uma depreciação de 70% no valor da dívida, carência de dois anos para o início de pagamento, e parcelamento em 120 meses, que resultou em prestações que chegaram ao valor de centavos. Na visão do magistrado, essa proposta configura afronta à boa-fé e à razoabilidade, indo de encontro ao propósito da lei de recuperação judicial. 

Também foi verificada nulidade na proposta de pagamento feita para a classe garantia real, uma vez que para um dos credores foi oferecido fazer o pagamento com imóveis que sequer constaram na relação de bens apresentadas pelo Grupo Castoldi nos autos e tampouco foram apresentadas as suas respectivas avaliações. Para o juiz, tais pontos configuram desrespeito ao artigo 53 da Lei de Recuperação Judicial, que estabelece que o plano de recuperação deve conter a devida discriminação dos meios de pagamento a serem utilizados.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    16 Jun 2017 às 16:20

    Além desse problemas tem os canos e calotes que não são poucos, o comércio amarga duras perdas canos e calotes esses calotes está quebrando muita gente.

  • joao marino
    14 Jun 2017 às 12:24

    parabéns ao juiz, esta empresa é seria e merece uma chance, so precisava de um fôlego dos bancos sanguessugas que so exploram a sociedade e não deixam nada em troca. esta empresa gera muitos empregos e riqueza pra Mato Grosso.

Sitevip Internet