Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Notícias / Logística

Caminhoneiros afirmam que greve foi ato de "desespero" e Abiove nega criar preço do frete

Da Redação - Viviane Petroli

25 Jan 2017 - 16:25

Foto: Viviane Petroli/Agro Olhar

Caminhoneiros afirmam que greve foi ato de
A paralisação em Rondonópolis de seis dias foi o “desespero” do transporte de cargas graneleiro de Mato Grosso diante o baixo valor de frete. A tonelada para um trecho de 600 km estava na casa dos R$ 70 com 5% da safra de soja colhida, mesmo valor praticado nos últimos meses de 2016. Durante reunião entre os transportadores, setor produtivo, comerciantes/processadores e o Governo de Mato Grosso na manhã desta quarta-feira, 25 de janeiro, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) isentou-se de discutir o valor do frete atribuindo à situação vivida há três anos pelos caminhoneiros a questões de políticas públicas.

Caminhoneiros, autônomos e empresários do setor do transporte fecharam a BR-364 em Rondonópolis em dois pontos entre os dias 13 e 18 de janeiro. O movimento só foi encerrado mediante a garantia de uma reunião com os governos Federal e Estadual.

No próximo dia 31 de janeiro o setor, juntamente com o vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro, e o senador José Medeiros irão se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Leia mais:

Após 6 dias de protesto, Abiove e agricultores se comprometem a conversar com caminhoneiros

Nesta quarta-feira, 25, um encontro foi realizado em Cuiabá com a presença dos transportadores, Governo do Estado, Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa as tradings e processadores de grãos (indústria).

De acordo com o empresário e representante do Movimento dos Transportadores de Carga (MTG), Gilson Baitaca, o setor levou para a reunião uma pauta “mais ampliada” como solicitado pelo Governo de Mato Grosso no encontro realizado no dia 18 de janeiro. Foram apresentadas questões quanto aos valores de frete que são praticados hoje no mercado, bem como incentivos e benefícios para os transportadores de Mato Grosso. Outro ponto levado foi quanto a questão da exigência maior de fiscalização de produtos transportados que estão fora das normas tributárias do Estado.

“Nós não queremos ser um peso para o Estado. Nós queremos ser parceiros. A paralisação em Rondonópolis não fizemos por querer. Ninguém para de trabalhar e parte para uma paralisação por gosto. Foi por desespero. Estávamos desesperados por já estar com 5% da safra colhida de Mato Grosso e estar trabalhando com fretes praticados nos últimos meses de 2016 quando não há oferta de frete”, destacou Baitaca após a reunião.

Baitaca afirma que o movimento no início da colheita foi para alertar as tradings, a Abiove e o próprio governo da gravidade. Hoje, o frete para um trajeto de 600 km, entre Lucas do Rio Verde e Rondonópolis, aproximadamente, a tonelada sai a R$ 95, quando o ideal seria R$ 110 para cobrir todos os custos. Foram de época de colheita, revelou o representante do MTG, o setor recebe entre R$ 65 e R$ 70 a tonelada.

“A Abiove mais uma vez veio e ela se isentou como sempre de discutir o valor do frete. Ela não discute valor de frete. Ela sempre vem com a questão de políticas, a maioria políticas públicas. Ela empurra o problema para o governo e hoje o governo ouviu os dois lados e o setor produtivo”, declarou Baitaca.

A Abiove saiu da reunião sem falar com a imprensa.

Paralisação entre 13 e 18 de janeiro fechou Rondonópolis. (Foto: Roberto Pessoa/Sindicam)


O vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro, afirmou que a melhor forma de fazer um preço de frete viável não é tabelando. “É trazendo ao mercado regulação e acabar com a sonegação intermediária”. Fávaro observou que a Abiove entendeu que “ela pode e deve dar prioridade à contratação também dos autônomos. Nós precisamos construir uma legislação para isso”.

Durante a reunião ficou acertado a criação de uma comissão entre caminhoneiros e a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) balizando o valor do preço pauta do frete para que o ICMS possa ser cobrado em cima desse frete. “Também ficou acertada a discussão de medidas que visam combater a sonegação que gera perdas para todos”.

Escoamento necessário

Entre soja e milho está prevista uma produção de aproximadamente 55 milhões de toneladas. Conforme o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Endrigo Dalcin, cerca de 50% das 30 milhões de toneladas de soja esperadas foram comercializadas, enquanto em milho apenas 30% das 25 milhões projetadas.

“Os produtores não participam diretamente da formação de frete. Somos o elo da cadeia que fomenta e produz a carga para as transportadoras e as tradings, que também fazem parte do elo, é que são as formadoras de preço”, comentou Dalcin.

Crise

O setor do transporte de cargas, principalmente de grãos, vem passando por uma crise há três anos aproximadamente, tendo o seu “enterro do segmento” com a quebra da safra 2015/2016, onde somente entre soja e milho foram quase 9 milhões de toneladas a menos produzidas .

Em 2015, como acompanhado pelo Agro Olhar, os caminhoneiros em Mato Grosso chegaram entre os meses de fevereiro e março a bloquear as principais rotas de escoamento da produção de grãos. Em todo o país foram realizados manifestos em prol de melhores condições de trabalho e um frete que cubra os custos de produção.

O projeto de lei 528/2015 foi criado após as paralisações realizadas no primeiro semestre de 2015, aonde em Mato Grosso todas as principais rotas de escoamento da produção agropecuária com destino aos portos chegaram a ficar bloqueadas. O texto visa o estabelecimento de uma tabela de preço mínimo para o frete, que hoje não cobre os custos de operação do setor de transporte de cargas.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • paula
    26 Jan 2017 às 16:55

    isso é uma vergonha

  • paula
    26 Jan 2017 às 16:52

    pena q os caminhoneiros não são Unidos se todos fossem Unidos paravam seus caminhão na frete da casa durante 2 mês ninguém tira os caminhão da sua garagem .... eles já dão um jeito e vê a importância q vc caminhoneiros tem ... fora o perigo q vcs passa na estrada ... e tem muitos passando nessecidade... pós não ta sobrando pra nada muitas vezes trabalhão bem dizer d graça pra levar a carga ja vi muitas transportadoras falando eles vão a troco o marmita pena q os caminhoneiros vão mesmo sem sobra quase nada ... Caminhoneiros De VALOR AO SEU TRABALHO q não é fácil se reúna e faça acontecer o Brasil... CURTi Ai ..... parabéns ao país e mães e todos dessa profissão q não é fácil ..

  • Cláudio Maurício Barbosa
    26 Jan 2017 às 13:27

    Caro colega Baitaca, não estamos pedindo um favor não.! Tá na hora de hagirmos num protesto diferente, VAMOS fazer uma OPERAÇÃO TARTARUGA. À 45 km h ninguém está fora da lei, mas travamos as rodovias e mostrarmos a nessecidade e valor do nosso trabalho.

  • Eroni Martins
    26 Jan 2017 às 11:24

    A vinte anos eu iniciei na profissão de motorista autônomo trabalhei como funcionário de transportadora más só para avaliar os colegas da profissão transportei as mais variadas cargas enclusive no mercosul e sempre ouvindo atento as mais varidas conversa sobre fretes e valores, greves, manifestações e negociatas e minha visão e opinião hj é q mais de 60% do profissionais do volante só sabem mesmo e dirigir e por isso são dirigidos por quem estuda o transporte no Brasil tem agenciador mandando em motorista outónomo e hj está tentativa de melhorar o frete infelizmente poucos profissionais estão apar da situação.

  • margarida
    26 Jan 2017 às 08:35

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • marta
    26 Jan 2017 às 08:29

    Eu so digo uma coisa: agora estão entendendo e pedem união. E estão certos, mas se unam pra defender os seus interesses e não os do que os exploraram e usaram como massa de manobra pra desestabelizar o país e derrubar um governo legitimamente e que bem ou mal e com alguns erros era o que mais defendia voces. Tá na hora de acordar mesmo e não continuem cegos e manipulados.

  • Paulo
    26 Jan 2017 às 08:19

    Sinto mais um vez uma "baba de kalango" nessas reuniões. Não vão resolver nada, ou seja, o diesel vai continuar subindo, o valor do frete continuar caindo, os bancos vão continuar tomando os caminhões por falta de pagamento do financiamento e aí por diante.

  • Gabriel
    26 Jan 2017 às 06:06

    melhoras para nois camioneiro e muito difícil somos muito definidos vocês brigam ai no mato grosso para melhorar o frete e no resto do país nem em um motorista para pricipalmente no Norte e Nordeste se parassem uma semana resolvia tudo quero quê o litro de óleo va para 20.00 so assim para todo mundo nois samos fortes so presisa ser mais Unidos.

  • Norberto
    25 Jan 2017 às 20:32

    Parabéns para o setor do transporte de MT. É uma vergonha a falta de união dos demais estados. Se MT encerrou pq o seu governo chamou para "negociar", "ajudar na busca de solução", pq os empresarios e caminhoneiros de SP, RS, PR, GO e cia não seguiram com o movimenti??? Que tal fechar a sede da ANTT tb pra baixarem o valor do pedagio ou o DNIT pra melhorar as porcarias de nossas estradas, o que pode ajudar a reduzir gastos com pneus e manutenção??? E o ministerio dos transportes??? Alias, a Petrobras e distribuidoras tb é uma boa, pois não param de anunciar aumento. Fica a dica. Acorda Brasil, Mato Grosso não vai te carregar nas costas sozinho por mt tempo.

Sitevip Internet