Olhar Agro & Negócios

Sábado, 19 de outubro de 2019

Notícias / Pecuária

Servidores do Indea entram em greve e vigilância sanitária animal e vegetal ficam prejudicadas em Mato Grosso

Da Redação - Viviane Petroli

03 Jun 2016 - 16:00

Foto: Assessoria Acrimat

Servidores do Indea entram em greve e vigilância sanitária animal e vegetal ficam prejudicadas em Mato Grosso
A vigilância sanitária animal e a defesa vegetal, além da emissão de guias, como a de Trânsito Animal (GTA), e documentos poderão ser prejudicados com a greve dos servidores do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) a partir da próxima segunda-feira, 06 de junho. Os servidores, juntamente com a categoria do Instituto de Terras do Estado de Mato Grosso (Intermat), cruzam os braços após rejeitarem a proposta do Governo de Mato Grosso de 6% de Revisão Geral Anual (RGA) em três parcelas. Os servidores públicos do Estado solicitam a revisão inflacionária de 11,28%.

Atualmente os servidores do Indea e do Intermat sindicalizados ao Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (Sintap) encontram-se em "estado de greve".

A paralisação dos servidores do Indea e do Intermat "atrapalhará" na arrecadação do Estado, uma vez que as autarquias trabalham com grandes vertentes, como o agronegócio e a questão fundiária.

Leia mais:
Governo de MT propõe 6% de RGA e avisa que PGE vai questionar legalidade; Fórum Sindical avisa que greve continua

A vigilância sanitária da sanidade animal é a principal preocupação do setor pecuário de Mato Grosso, segundo o consultor da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Amado de Oliveira Filho, além da defesa vegetal.

“No caso da sanidade é mais sério. Não é só o papel e a movimentação do animal no caso da pecuária. A vigilância sanitária tem de ser constante. Ela é a nossa garantia de mercado, em especial para o mercado internacional. Os servidores são nossos parceiros e temos prestigio pelo setor, mas não concordamos com essa paralisação”, comentou Amado ao Agro Olhar.

A base total do Sintap compreende 950 servidores, dos quais 56 são do Intermat e os demais do Indea. A presidente do Sindicato, Diany Dias, afirma que 30% dos servidores irão trabalhar nos postos fiscais, barreiras sanitárias fixas e volantes, conforme pede a lei da greve.

“Havíamos optado por esgotar todas as negociações enquanto a porta estivesse aberta. Agora que, definitivamente, o governo falou com todas as letras que não vai fazer mais qualquer proposta além do pagamento de apenas 6% dos 11,28% e ainda em três vezes, nos obriga a tomar esta decisão. Não era este o caminho desejado porque todos nós perdemos todos, servidores pelo desgaste de pedir dessa forma um direito que é seu, o governo por não entender que deve ser paga a RGA na integralidade e a sociedade, que fica sem serviços importantes”, explica Diany Dias o fato das bases do Sintap ainda não terem aderido ao movimento grevista, apesar da entidade participar do Fórum Sindical.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Rafael
    08 Jun 2016 às 17:49

    Entendo que os funcionários públicos como forma de forçar o governo estadual a atender as suas reivindicações tenham o direito de fazer greve. Contudo na situação em que o país atravessa essa greve prejudica mais o contribuinte que o estado. As pessoas tem compromissos e estes estão sendo afetados de forma brutal, podendo levar a consequências que não podem ter voltas. São contratados que não serão cumpridos, dividas que não serão pagas, enfim o contribuinte não pode ficar com esse ônus dessa forma. Se o governo errou que se entre na justiça e cobre-se ao estado. Não prejudique o contribuinte.

  • jose
    06 Jun 2016 às 09:00

    Zeca, vai estudar e prestar concurso público ao invés de ficar olhando salário de outras pessoas.

  • zeca
    05 Jun 2016 às 16:14

    Vamos trabalhar colegas, vcs nao ganhan tao mau assim vem para emp. Privada o salario nao e a metade na qual vcs recebem.

  • CARLOS ALBERTO
    05 Jun 2016 às 06:02

    BOM DIA TUDO QUANTO E DEFESA SANITÁRIA, TANTO VEGETAL COMO ANIMAL SÓ SE EFETIVA SE OS ENVOLVIDOS ESTIVER COMPROMETIDOS EM FAZER DEFESA, SE NÃO O QUE ADIANTARIA? DEFESA SANITÁRIA PASSA PELA EDUCAÇÃO DO PRODUTOR, TANTO ELA ANIMAL COMO VEGETAL.

  • produtor rural
    03 Jun 2016 às 20:13

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Sintapense
    03 Jun 2016 às 17:30

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • SERVIDORA
    03 Jun 2016 às 17:17

    "Servidores do Indea entram em greve e vigilância sanitária animal fica prejudicada em Mato Grosso"? E a defesa sanitária vegetal?? Esse mês começa o Vazio Sanitário da Soja, e são os profissionais do INDEA que fazem a fiscalização... Pois que a ferrugem tome conta se só se importam com a defesa animal.

  • Roberio
    03 Jun 2016 às 17:09

    A vigilância VEGETAL EXISTE NO INDEA-MT !!!

  • Ana
    03 Jun 2016 às 17:07

    Esqueceram de mencionar a defesa vegetal..

  • FISCAL - AGRONOMO
    03 Jun 2016 às 16:58

    TAMBÉM EXISTE A SANIDADE VEGETAL - PROGRAMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA E BICUDO NO ALGODOEIRO, FISCALIZAÇÃO DO USO ARMAZENAMENTO E COMÉRCIO DE PRODUTOS AGROTÓXICOS E AFINS, FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS, ENTRE TANTAS OUTRAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. TA MAIS DO QUE NA HORA DA SOCIEDADE PERCEBER QUE O INDEA/MT NÃO É SÓ GADO.

Sitevip Internet