Olhar Conceito

Notícias / Cinema

Programação no Cineclube Coxiponés busca visibilidade à comunidade LGBTQIA+

Da Redação

17 Mai 2020 - 09:45

Foto: Reprodução / Assessoria

O músico Bemti compila videoclipes da cena synth pop e indie que colocam em cena personagens LGBTQIA+

O músico Bemti compila videoclipes da cena synth pop e indie que colocam em cena personagens LGBTQIA+

Produções audiovisuais que dão visibilidade e problematizam questões relacionadas à comunidade LGBTQIA+ ou que são realizados por profissionais que se reconhecem são o foco da Semana de Combate à LGBTfobia do Cineclube Coxiponés da Universidade Federal de Mato Grosso, realizada por ocasião do Dia Internacional de Combate à LGBTfobia, em parceria entre colaboradores do Cineclube e da Coordenação de Cultura e Vivência da PROCEV/UFMT.

Leia mais:
Filme sobre mato-grossense que prevê terremotos e é celebridade no Chile estreia na Amazon Prime

A programação, que vai de 17 a 23 de maio, inclui compartilhamento de filmes, comentários sonoros sobre curtas de realizadores que participaram de edições anteriores da Maual, conversas sobre representatividade no audiovisual, além de diversas sugestões de conteúdos audiovisuais que tematizam personagens e relações LGBTQIA+.
 
A síntese da programação, que tem programação visual de Maurício Mota e que integra o “Festival 17M: nossas vidas, nossas cores”, está publicada nas redes sociais do Cineclube Coxiponés (facebook.com/coxipones; instagram.com/cinecoxipones; cineclubecoxipones.wordpress.com).
 
“Nas últimas décadas, há conquistas a serem lembradas e celebradas, relacionadas ao campo dos direitos LGBT e também à construção, no campo do audiovisual, de representações que contribuem para visões respeitosas e não-estigmatizantes à comunidade LGBTQIA+. Essa programação que construímos coletivamente é uma forma de ampliar essa visibilidade LGBTQIA+ no campo audiovisual/cultural e, sobretudo, de combater e protestar contra qualquer retrocesso na garantia dos direitos conquistados pela comunidade LGBTQIA+, inclusive no campo de políticas de fomento ao audiovisual que tematiza essas questões”, enfatiza Diego Baraldi, supervisor do Cineclube Coxiponés e programador da Semana.
 
Internacionalmente, a data de 17 de maio foi escolhida para celebrar a exclusão da homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 17 de maio de 1990. Mesmo com essa e outras conquistas importantes (como a equiparação, no Brasil, da homofobia ao crime de racismo), relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo continuam a ser consideradas um crime em 70 países, de acordo com o relatório mundial "Homofobia de Estado", realizado pela ILGA (Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexuais).


Destaques da programação
 
Durante a semana serão compartilhadas diferentes listas com sugestões de conteúdos audiovisuais relacionados ao universo LGBTQIA+, como games, videoclipes, filmes, personagens de telenovelas, webséries,  entre outros. No domingo, às 15h, o realizador audiovisual e músico Bemti indica dez videoclipes que orbitam o universo de referências sonoras do synth pop e do indie. As sugestões incluem “Eu te proíbo de ter esse poder sobre mim”, clipe de Bemti dirigido por Bruno Pedroza e com roteiro de Bemti e Daniel Ribeiro (diretor do premiado longa “Hoje eu quero voltar sozinho”). A música integra “Era dois”, disco de estréia do projeto solo de Bemti, escolhido como um dos melhores discos de 2018 pela Rolling Stone e outras publicações musicais. Também no domingo, às 17h, o crítico de cinema Cássio Starling Carlos revisita críticas de cinema que publicou sobre filmes e diretores que retrataram, direta ou indiretamente, questões LGBTQIA+.
 
Na segunda, o professor do Curso de Cinema & Audiovisual da UFMT Claudino Mayer compartilha uma lista com personagens LGBTQIA+ que marcaram a história da telenovela brasileira, da década de 1970 à atualidade. Também na segunda, Jenisson Bartniski, estudante do curso de Radialismo da UFMT, apresenta uma seleção de títulos publicados na plataforma Costream e disponíveis para acesso gratuito, mediante cadastro. A Costream é uma plataforma para transmissão de produtos audiovisuais que compartilha projetos realizados por universitários do Curso de Comunicação Social da UFMT. É o único streaming do Brasil voltado para trabalhos universitários, ao alcance de quem se interessa por novos olhares, experimentações estéticas, narrativas com grande variedade de gêneros cinematográficos, além de produções sonoras.

Entre domingo (17) e sábado (23) serão publicados oito novos episódios da série Cine Comentário Sonoro, em sua maioria compostos por realizadores que participaram de edições anteriores da Maual.  Na série, cineastas compartilham informações sobre a realização de seus curtas através de uma faixa de comentário sonoro sobreposta aos filmes.
 
No domingo, as atrações são “Verde Limão” (Henrique Arruda, RN, 2018, 18’, classificação indicativa 16 anos), às 18h, e “Sair do Armário” (Marina Pontes, BA, 2018, 3’, classificação indicativa livre), às 19h; na segunda, “Adeus Estrada de Tijolos Amarelos” (Hiran Matheus, RJ, 2018, 18’, classificação indicativa 14 anos), às 19h; na quarta, “Bicha Bomba” (Renan de Cillo, PR, 2019, 8’, classificação indicativa 14 anos), às 19h; na sexta “Caio André” (Luiz Marchetti, MT, 2011, 7’, classificação indicativa 14 anos), às 19h; no sábado “Inconfissões” (Ana Galizia, RJ, 2017, 21’, classificação indicativa 18 anos), às 19h, “Para costurar folhas secas” (Day Rodrigues, SP, 2017, 8’, classificação indicativa 14 anos), às 19h30, e “Majur” [Íris (Rafael Irineu), MT, 2018, 20’, classificação indicativa 10 anos], às 20h. Além de ampliar percepções sobre visibilidade e representatividade LGBTQIA+, os comentários dos realizadores são oportunidade rica para conhecer um pouco sobre bastidores de produção e possibilidades criativas envolvendo realização audiovisual de baixo orçamento.

Como já é de costume, a partir das 19h30 de terça, 19/05, acontece a Temporada de Filmes Online, realizada em parceria entre realizadores, Cine Teatro Cuiabá, Cineclube Coxiponés e Rede Cineclubista de Mato Grosso.

Durante a Semana de Combate à LGBTfobia, a Temporada de Filmes Online dá visibilidade a curtas produzidos em Mato Grosso que apresentam personagens LGBTQIA+. Entre os curtas compartilhados estão: “Aquele disco da Gal” (Juliana Curvo & Diego Baraldi, 2017, 25’, classificação indicativa 16 anos), “Aquilo que me olha” (Felippy Damian, 2015, 11’, classificação indicativa 18 anos), “Boneca de Neuza” (Luzo Reis &  Thiago Costa, 2010, 11', classificação indicativa 14 anos), “Caio André” (Luiz Marchetti, 2011, 7’, classificação indicativa 14 anos), “Ciranda” (Ângela Coradini & Felippy Damian, 2017, classificação indicativa 16 anos), “Como ser racista em 10 passos” (Isabela Ferreira, 2018, 13’, classificação indicativa 14 anos), “Drag Nostra” (P.V. Vidotti, 2019, 13’, classificação indicativa 16 anos), “Majur” [Íris (Rafael Irineu), 2018, 20’, classificação indicativa 10 anos], “Plus size: can be diva!” (Elton Martins, 2019, 23’, classificação indicativa 14 anos) e “Se acaso a tempestade fosse nossa amiga eu me casaria com você” (Wuldson Marcelo & Felippy Damian, 2015, 20’, classificação indicativa 16 anos).

Toda programação foi construída a partir do diálogo e intercâmbio entre o Cineclube Coxiponés/PROCEV/UFMT, realizadores, colaboradores, professores e estudantes da UFMT, além das iniciativas que há bastante tempo contribuem com a programação do Cineclube, como Coletivo Audiovisual Negro Quariterê, Festival Tudo Sobre Mulheres, Círculos Anônimos da Palavra, Grupo Quadro a Quadro, MTQueer, Belo Belo de Cinema, Dias de Cinefilia, : doc, CosStream, CineCos e Abeh/MT.

Sobre o Cineclube Coxiponés da UFMT
 
O Cineclube Coxiponés foi fundado em 1977 e tem uma história de mais de 40 anos de difusão, reflexão e estímulo à produção audiovisual em Mato Grosso. Realiza ações semanais de exibição e debate de filmes, formando plateias para o cinema autoral e independente. Além do acesso ao acervo de filmes, oferece oficinas de realização audiovisual e promove a difusão e o intercâmbio de ações cineclubistas em Mato Grosso. A programação do Cineclube Coxiponés integra a Agenda Cultural UFMT 50 Anos (Coordenação de Cultura/PROCEV/UFMT). Acesse facebook.com/coxipones e instagram.com/cinecoxipones e saiba mais sobre a programação do Cineclube Coxiponés da UFMT. Consulte a programação da Coordenação de Cultura da UFMT através da Plataforma Virtual Cultura e Vivência da UFMT: culturaufmt.wordpress.com
 
Serviço

O quê: Semana de Combate à LGBTfobia do Cineclube Coxiponés da UFMT.
Quando: entre domingo, 17, e sábado, 23 de maio de 2020.
Onde: facebook.com/coxipones
Classificação indicativa: a ser consultada
Mais informações pelo email: cinecoxipones@gmail.com

 
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paula Thejano
    20 Mai 2020 às 16:07

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Tonhão do Barão
    18 Mai 2020 às 18:53

    Daqui a pouco vai faltar letras no alfabeto para nominar essa sigla que cresce por hora.

Redes Sociais

Sitevip Internet