Olhar Direto

Sábado, 25 de junho de 2022

Notícias | Cidades

Cuiabá

Mãe denuncia bullying em escola e preconceito de diretor com cabelo da filha

Foto: Reprodução/Facebook

A imagem da criança foi postada pela mãe no Facebook

A imagem da criança foi postada pela mãe no Facebook

A mãe de uma aluna da Escola Municipal Constância Figueredo Palma Bem Bem, identificada como Nayara Oliveira, denunciou um caso de bullying contra a sua filha na unidade de ensino. A postagem foi feito no grupo “Aonde não ir em Cuiabá’ e também na página pessoal dela no Facebook. Na publicação, ela afirma que o diretor pediu para que ela desse “um jeitinho” no cabelo da menina, para que ela parasse de sofrer com as “brincadeiras” dos colegas.

Leia mais:
A história de Amanda, que sempre sofreu bullying por seu peso e morreu após a cirurgia, é um grito de alerta
 
“Uma vergonha que em dias de hoje, em pleno século 21, aconteça um tipo de preconceito as crianças como aconteceu com minha filha. Recebi uma sugestão, vinda do diretor da escola da minha filha, para que eu ‘desse um jeitinho’ no cabelo dela, que já é uma mocinha, pra evitar tantas brincadeiras de mau gosto que ela vem sofrendo”, diz trecho da publicação.
 
Nayara ainda relata que a filha é alvo constante de bullying na unidade de ensino: “Por diversas vezes tive que ir a escola tentar resolver. Mas essa semana chegou no limite, minha filha chega em casa chorando dizendo que não aguenta mais tanto preconceito, tanto racismo vindo do lugar onde ela deveria receber orientação sobre os valores da vida. Sim, digo orientação, porque aprender ela aprende aqui na nossa casa”.


 
Ainda conforme a denúncia da mãe, o diretor da escola teria dispensado a menina até as férias para que ela não “sofra” mais com as brincadeiras de mau gosto dos colegas. “Onde vamos parar com isso gente, que espécie de profissionais são esses das nossas escolas. Ao invés de lutar contra o bulying, eles sugerem que eu adapte minha pequena às aparências de outras crianças porque meia dúzia delas são mal orientadas, não tem capacidade de lidar com as diferenças”, finaliza o texto.
 
Outro lado
 
O Olhar Direto entrou em contato com a diretora da escola, Francisca Dolores, que informou que: “Recebi agora esta questão vindo da secretaria. Não temos conhecimento disto. Ainda preciso apurar certo para ver se esse caso aconteceu de fato, se foi na escola. Na postagem ela fala que um diretor disse aquilo, mas eu sou a diretora. Não sei de nada disto. Vamos analisar este caso”.
 
A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação informou à reportagem que esta a par da situação e investiga o caso. A pasta preferiu ainda não se posicionar, até ter o total conhecimento dos fatos, o que deve ocorrer nas próximas horas ou dias.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet