Olhar Direto

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Cidades

CPI dos Maus-Tratos vai investigar caso de bebê indígena enterrada viva em Mato Grosso

Da Redação - Vinicius Mendes

12 Jun 2018 - 14:43

Foto: Reprodução

CPI dos Maus-Tratos vai investigar caso de bebê indígena enterrada viva em Mato Grosso
O senador José Medeiros (Pode-MT) afirmou que a CPI dos Maus-Tratos vai realizar diligência nos próximos dias em Cuiabá, para investigar o caso de bebê indígena enterrada viva. Os trabalhos da comissão foram prorrogados até 18 de agosto de 2018.
 
Leia mais:
MP denuncia bisavó de bebê indígena enterrada viva por tentativa de homicídio duplamente qualificado
 
“Estamos diante de um tremendo absurdo! Um fato lamentável e que não ficará impune por esta CPI. Essa e outras denúncias serão investigadas por mim e pelo senador Magno Malta, na diligência que faremos em Mato Grosso”, afirmou.
 
A menina foi resgatada e sobreviveu após ficar enterrada mais de seis horas, mas ainda vive um estado grave de saúde, internada na UTI da Santa Casa de Cuiabá. Segundo a polícia, bisavó e avó, que estão presas, premeditaram e planejaram enterrar a criança. Elas não aceitavam a bebê por ser filha de mãe solteira e pai de outra etnia. O Ministério Público Estadual(MPE) já denunciou elas por tentativa de homicídio.
 
Medeiros é relator da CPI dos Maus-Tratos de adolescentes e crianças em todo o país, Magno Malta é o presidente. “Todos os dias chegam as mais diversas denúncias aos canais de comunicação e redes sociais do Senado Federal. Estamos num intenso trabalho de punir todos os culpados por maus-tratos. A nossa máxima é criança nasceu para ser amada, e não para ser abusada. Essa é a nossa luta!”, enfatizouJosé Medeiros.
 
Os trabalhos da comissão foram prorrogados até 18 de agosto de 2018, onde deverá ser lido o relatório do senador de Mato Grosso. O caso da menina aconteceu em Canarana, município mato-grossense a 838 quilômetros da capital.

O caso
 
Uma criança indígena recém-nascida foi enterrada viva, na última terça-feira (05), e resgata por equipes das polícias Civil e Militar. O fato foi registrado na cidade de Caranana (879 quilômetros de Cuiabá).
 
A Polícia Civil descobriu que a bisavó da criança foi quem cortou o cordão umbilical e a enterrou. Segundo a família, todos acreditaram que ela estava morta.
 
Conduzidas à delegacia para esclarecimentos, a mãe da criança (adolescente de 15 anos) e a avó do bebê contaram que a jovem sentiu fortes dores (contrações) e foi ao banheiro sozinha, momento em que deu a luz a menina. Ao nascer, a criança teria batido a cabeça no vaso sanitário, ocasionando sangramento.
 
Depois, a bisavó da criança cortou o cordão umbilical do bebê e também foi a responsável por enterrar a recém-nascida, conforme as investigações. Kutz Amin, de 57 anos alegou que a criança não chorou e por isso acreditou que estivesse morta e segundo costume de sua comunidade enterrou o corpo no quintal, sem acionar os órgãos oficiais.

A mulher foi denunciada por tentativa de homicídio duplamente qualificado. A vó da bebê foi acusada de dar bebidas abortivas á filha, para que a criança não nascesse.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Alencar
    13 Jun 2018 às 11:42

    Oportunistas. As polícias locais estão realizando muito bem o seu papel.

  • José Santana
    13 Jun 2018 às 06:32

    Aí vem uma comitiva com mais de 100 pessoas , gerando custo de passagens , alimentação e hospedagem. Não irá resolver nada , como sempre Na minha opinião era só a Justiça designar uma equipe de multidisciplinar, com psicólogo , assistente social e polícias para fazer a segurança desses profissionais , pronto

  • ZEZO AFONSO
    13 Jun 2018 às 06:08

    SENADOR, A CPI TEM QUE INVESTIGAR OS MAUS TRATOS ÀQUELES QUE SOFREM A POPULAÇÃO QUANDO VAI APROCURAR VAGA EM UM HOSPITAL PARA INTERNAR O PAI OU UM FILHO E NÃO ENCONTRA E QUANDO VAI A UM POSTO DE SAUDE PROCURAR UMA ASPIRINA PARA ESTANCAR A FEBRE DE UM NETO E NAO TEM.