Olhar Direto

Sexta-feira, 07 de agosto de 2020

Notícias / Cidades

Escolas de Mato Grosso precisarão ter plano de evacuação para situações de perigo real e iminente

Da Redação - Wesley Santiago

06 Jun 2020 - 16:10

Foto: Reprodução/Ilustração

Escolas de Mato Grosso precisarão ter plano de evacuação para situações de perigo real e iminente
O governador Mauro Mendes (DEM) sancionou a lei 11.151, que torna obrigatório nos estabelecimentos de ensino da rede pública e privada de Mato Grosso, a implantação e implementação do plano de proteção e evacuação em situações de perigo real e iminente. A medida visa preparar profissionais e alunos sobre como agir em emergências como incêndios, ataques ou outros. Projeto foi apresentado após ocorrências de massacres em unidades do país e do Estado.

Leia mais:
Crianças se trancaram em sala após professor invadir escola e esfaquear diretora
 
Conforme a lei, o plano deverá conter: I - avaliação de toda área da escola, inclusive seu entorno, considerando as características físicas, peculiaridades e os sistemas de proteção e emergência disponíveis; II - o treinamento de todos os professores, alunos e funcionários que poderão estar direta ou indiretamente envolvidos na situação de risco; III - a indicação de um responsável, preferencialmente o diretor da unidade de ensino que será o encarregado pela revisão, atualização, divulgação e treinamento do plano de proteção e evacuação; IV - as atribuições e condutas de cada profissional da escola, quando soar o aviso de alarme, visando evitar o pânico, proteger os alunos e evacuar do local; V - a planta do local, detalhando cada porta e janela, a localização dos locais de abrigo e proteção, das rotas de fuga e saídas de emergência; VI - a observância na prioridade das crianças e pessoas portadoras de necessidades especiais.
 
O plano poderá ser elaborado com apoio e supervisão da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, que estabelecerão programas de treinamento para alunos e funcionários. Nas unidades escolares, poderão ser instalados alarmes sonoros nas áreas de circulação e acomodação, tais como corredores, salas de aulas, secretarias, ginásios, auditórios e lanchonetes
 
O projeto foi apresentado após os recorrentes massacres e tentativas ocorridos recentemente no país, em unidades de ensino.
 
Um dos casos de bastante repercussão em Mato Grosso aconteceu em novembro do ano passado, quando o professor de matemática, Cleiton Gomes da Silva, 45 anos, invadiu a Escola Municipal Daniel Paulista de Campos, em Rondonópolis (215 quilômetros de Cuiabá) e esfaqueou a diretora Rosileide Vaz da Silva.
 
A diretora foi atacada dentro de sua sala e socorrida por funcionários da escola, que conseguiram conter o professor. Ele foi preso e segue detido na 1ª Delegacia de Polícia de Rondonópolis.
 
Rosileide teve três perfurações: uma no ombro, outra no cotovelo e outra nos dedos da mão. A Prefeitura de Rondonópolis emitiu nota lamentando o ocorrido.
 
Em outubro do ano passado, a polícia também teve trabalho para identificar pelo menos duas ameaças de massacre em unidades de ensino do Estado. No fim, nenhuma delas se concretizou e adolescentes acabaram apreendidos.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jao
    08 Jun 2020 às 00:17

    Quero ver a escola maxi... lá o corredor é de meio metro de largura.... façam uma inspeção lá!!

  • Mulher ma
    07 Jun 2020 às 13:47

    Faça uma reforma geral nas escolas de MT Antes de impor uma lei para as escolas caindo aos pedaços governador. As escolas não tem se quer estrutura pra receber os alunos. E quer colocar uma lei Como se as escolas de MT se fossem do primeiro mundo Acorda!!!

  • Ovo
    07 Jun 2020 às 09:31

    Boa notícia. Tbm queremos saber sobre o planejamento para pós pandemia: instalações de lavatórios, troca de bebedouros, contratação de mais servidores da limpeza, 40 alunos na mesma sala, disponibilização de EPIs...

  • servidora
    07 Jun 2020 às 03:05

    È preciso o real afastamento de servidores que apresentam histórico de transtornos de comportamento, assim como alunos. Para que o pior não venha acontecer.

  • Eduardo
    06 Jun 2020 às 16:38

    Excelente medida, quem sabe agora as escolas públicas irão ter seus preventivos de incêndio realmente funcionando: Extintores, Alarmes, Hidrantes, Acessibilidade e por ai vai, já que em sua maioria nada disso funciona ou simplesmente não tem. Se alinhar todos esses itens, ai sim o plano de emergência/rota de fuga irá ter sua eficácia plena.

Sitevip Internet