Olhar Direto

Segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

Cheques que conselheiro afastado tentou destruir seriam de empresas investigadas na Ararath

Da Redação - Wesley Santiago

01 Jul 2020 - 14:10

Foto: Reprodução/Ilustração

Cheques que conselheiro afastado tentou destruir seriam de empresas investigadas na Ararath
Os cheques que o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MT), Waldir Teis, teria jogado em uma lixeira, após descer correndo 16 andares de um prédio, para evitar a apreensão por parte da Polícia Federal, seriam de empresas investigadas na 'Operação Ararath', cuja organização criminosa - segundo o órgão federal - Teis faria parte.

Leia mais:
Conselheiro afastado do TCE é preso por embaraçar investigações

Na investigação, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal identificaram que os cheques são de empresas ligadas à organização criminosa da qual o conselheiro é suspeito de integrar. Os canhotos dos cheques somam mais de R$ 450 mil. 

Durante as buscas no escritório do conselheiro do TCE/MT, a Polícia Federal flagrou o investigado tentando destruir cheques assinados em branco e canhotos de cheques - jogando-os na lixeira do prédio, depois de descer correndo 16 andares de escada.

A tentativa do conselheiro foi filmada e fotografada. Só não houve prisão em flagrante por que, como magistrado, o conselheiro tem imunidade que restringe a possibilidade prisões quando se tratar de crimes afiançáveis.

Na decisão, o ministro Raul Araújo apontou indícios de materialidade e autoria dos crimes investigados e decretou a prisão preventiva do conselheiro do TCE/MT para a garantia da ordem pública, para a conveniência da instrução criminal e também pelo perigo gerado pelo investigado contra a elucidação dos fatos.

O conselheiro, que é investigado por corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro, foi denunciado nessa terça-feira (30) pela conduta que levou à prisão preventiva.

Na noite de ontem (30), foram deferidos pelo STJ os pedidos de afastamento de sigilo bancário de diversas sociedades empresárias; o levantamento e utilização de dados de inteligência financeira de pessoas físicas e jurídicas; o afastamento do sigilo telefônico/telemático de alguns investigados, e busca e apreensão a ser realizada em locais ligados a pessoas investigadas, além do compartilhamento de dados com a Receita Federal do Brasil.

Além da condenação pela infração de embaraço à investigação, o MPF requer à Justiça indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 3 milhões, além da prorrogação do afastamento do conselheiro até o trânsito em julgado da denúncia

Defesa 

O conselheiro afastado do Tribunal de Contas, Waldir Teis, justificou que destruiu documentos para proteger sua família.
 
A informação foi repassada ao Olhar Direto pelo advogado de Teis, Diógenes Curado. A defesa acompanhou a prisão nesta quarta-feira (1). 

Segundo Curado, os documentos manipulados pelo conselheiro não apontavam crimes, mas poderiam citar membros de sua família. Abalado pela operação, Teis teria agido sem pensar, por impulso. 
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet