Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 03 de abril de 2020

Notícias / Agronegócio

Cade avalia venda de 50% de terminais da Bunge para a Amaggi

Da Redação - Viviane Petroli

27 Jul 2016 - 08:00

Foto: AMAGGI

Cade avalia venda de 50% de terminais da Bunge para a Amaggi
A aquisição por parte da Amaggi de 50% da Estação de Transbordo, em Miritituba, e do Terminal Portuário, em Barcarena, ativos que formam o complexo portuário Miritituba-Barcarena (PA) da Bunge é avaliada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). A aprovação da transação permitirá que a empresa mato-grossense e a multinacional ampliem a parceria, iniciada em 2014, para o escoamento de grãos via Corredor Norte.

A Amaggi e a Bunge iniciaram parceria em 2014. Na época formaram a joint venture Unitapajós (Navegações Unidas Tapajós) voltada para operar na rota de escoamento da produção de grãos conhecida como Corredor Norte, realizada através da navegação na hidrovia Tapajos-Amazonas.

O anúncio da ampliação da parceria entre as duas empresas foi feito nessa terça-feira, 26 de julho.

Leia mais:
Amaggi supera Rede Globo e Lojas Americanas em ranking das 500 maiores empresas no Brasil

De acordo com a Amaggi e a Bunge, a aprovação da transação para a ampliação da parceria permitirá uma gestão compartilhada de todas as ações locais.

A Unitapajós conta com uma frota de 90 barcaças e uma capacidade de movimentação anual de 3,5 milhões de toneladas de grãos. Os trabalhos da joint venture comprovam a viabilidade logística do corredor Norte como mais uma alternativa para o escoamento da produção brasileira, principalmente de Mato Grosso.

Levantamento da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), revela que de janeiro a junho foram escoado via Barcarena (PA) 1,422 milhão de toneladas de soja em grão produzida em Mato Grosso, por Santarém (PA), que também faz parte do Corredor Norte ou Arco Norte, 1,185 milhão de toneladas. Já por Paranaguá (PR), que até dois anos, aproximadamente, era o segundo maior porto escoador do grão de Mato Grosso, apenas 516,2 mil toneladas saíram. O Porto de Santos (SP) segue como a principal porta de saída do grão mato-grossense para o exterior com 6,475 milhões de toneladas embarcadas no primeiro semestre de 2016.

“Para a AMAGGI, após dois anos de operação da Unitapajós, esse novo passo fortalece nossa presença naquela região, em conformidade com o plano de crescimento estratégico da companhia, mas também contribui para o incremento de uma rota logística fundamental ao desenvolvimento do país.”, destaca o presidente executivo da Amaggi, Waldemir Loto.

O presidente e CEO da Bunge no Brasil, Raul Padilha, afirma que “Esta operação está totalmente alinhada com a estratégia da Bunge de otimizar seus ativos e buscar parcerias estratégicas para capturar oportunidades de crescimento, contribuindo para o sucesso do negócio. Já vivenciamos situações similares em outras regiões com resultados muito positivos para todos os envolvidos”.

Conforme a Amaggi e a Bunge, a ampliação da parceria entre as duas empresa não irá mudar as atividades comerciais, bem como as operações de escoamento de grãos.

A mato-grossense e a multinacional salientam que a soja e o milho transportado via Corredor Norte tem como destino a Ásia ou Europa. O escoamento via tal corredor auxilia no desafogamento do sistema logístico do Sudeste e contribui para o desenvolvimento da região Norte do país.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Resumo
    27 Jul 2016 às 15:36

    Resumo da crise: Ela esta sendo o melhor negócio para os barões.. Compram o que está em liquidação na incorporação demitem horrores, afinal em tempos de crise 1 faz o trabalho de 5, cresce o desemprego, o governo convence a população que a única saída é a redução de direitos trabalhistas, a empresa se torna mais rentável e assim retrocede a sociedade. Alguém duvida que com a aquisição vai ter demissão em massa?? Alguém duvida que quem paga o preço é sempre o povo..

  • Gabriel Ávila
    27 Jul 2016 às 15:23

    Heita que o homem está com a grana.. Dias desses estavam perguntando pq ele era político com este império todo. Alguém acha que o CADE não vai aprovar .. Gestão Michel Temer sligam " ricos mais ricos e pobres na miséria" deixando beeeem claro que não sou PT

  • alexandre
    27 Jul 2016 às 11:54

    O agronegocio não tá passando dificuldades ?

Sitevip Internet