Olhar Direto

Segunda-feira, 06 de abril de 2020

Notícias / Política MT

Cotado para ministério, Rui Prado critica governo federal por atuação em Marãiwatsédé

Da Redação - Laura Petraglia

29 Jan 2014 - 12:31

Cotado para ministério, Rui Prado critica governo federal por atuação em Marãiwatsédé
Indicado pela bancada federal para assumir o Ministério da Agricultura, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado, teceu duras críticas ao governo federal pela maneira como foi conduzida a retirada dos agricultores da Terra Indígena Marãiwatsédé, no nordeste de Mato Grosso. Segundo ele, a União não cumpriu seu papel, não o deu o tratamento que deveria ter dado aos produtores e, por conta disso, muita gente têm morrido sem o mínimo de suporte.

“Aquilo é uma calamidade. Os produtores foram retirados de suas terras à força, levados para os municípios vizinhos principalmente para Alto Boa Vista e deixado lá às margens da rodovia. Tem relatos de óbitos já, de pessoas que morreram por conta da desintrusão. Então o governo brasileiro, o Estado não fez o que deveria ser feito. Não deu o tratamento que deveria dar àquelas pessoas”, criticou.

Rui Prado é indicado pela bancada federal para assumir Ministério da Agricultura no governo PT
Setor produtivo de MT começa a levantar demandas do segmento visando eleições 2014

Segundo Rui, naquele caso específico existe uma decisão judicial que têm que ser respeitada, mas não chegou ao término do processo judicial. “Então como é que você tira uma pessoa da sua propriedade e não dá condições nenhuma para ela sobreviver. Então aquilo é um caso de calamidade”, enfatizou.

De acordo com o presidente, a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), realiza um estudo para responsabilizar juridicamente o Estado Brasileiro pelo que foi feito com os produtores de Marãiwatsédé.

“A Famato está dando apoio jurídico no assunto. Ainda não sabemos como faremos essa representação. Eu reitero que decisão judicial tem que ser respeitada, mas nós muito provavelmente ingressaremos na justiça pela barbárie que foi feita naquele local contra os produtores”, finalizou.

O nome de Rui foi indicado pela bancada federal do PSD e PMDB à presidente Dilma Rousseff (PT) para assumir o Ministério da Agricultura. O ruralista confirmou as conversações e a indicação por parte do presidente da executiva estadual do PSD em Mato Grosso, Chico Daltro, mas afirma que por enquanto tudo não passa de especulação, já que ainda não houve nenhuma conversa com a presidente.

O fato é que o PT ainda tem grande índice de rejeição junto ao segmento do agronegócio. Pela leitura política, indicar alguém forte no setor para Ministério seria uma estratégia de reeleição de Dilma, com intuito de ganhar a simpatia do setor do ruralista.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Arquimedes
    01 Fev 2014 às 13:03

    Natal Xavante, vai pra aldeia e leve seus irmãos índios...Só ficam na rua fazendo coisas erradas...a Funai deveria olhar isso, estão acabando com os índios que não querem mais saber das aldeias, A Funai os usa para tomar terra e ficar com muita terra pra dizer que é reserva para o mundo e dar emprego para essas ONGS que nada faz só fica nas cidades recebendo doações.

  • Arquimedes
    01 Fev 2014 às 12:57

    Fico observando e analisando as pessoas que não estão no problema julgarem como se o mundo fosse só da opinião delas. Esse CÚ iabanos justos, que de justo não tem nada, deve ser da FUNAI ou de alguma ONG que não faz nada. Pelo amor de DEUS essas famílias estão morrendo a míngua, se suicidando. Imaginem vocês pessoas da roça sem formação alguma com idade avançada jogadas a DEUS DARÁ. O desespero de não poder tratar de seus filhos e netos passar fome como estão ....é brincadeira. E por cima a JUSTIÇA (?) sabe mandar polícia tirar mas não executa o INCRA que não cumpre ordem para assentar as famílias com terra que presta, produtiva...

  • Natal xavante
    30 Jan 2014 às 21:36

    Olá! Senhores(as) civilização os brancos vcs são inteligentes tem que reconhecer os direitos originários indígenas relativismo, temos próprios visão filosófica como nós indígenas, deveríamos a sobrevivência preservamos a diversidade, biodiversidade ambiental, ainda tinham precisaram usar-se viver principalmente Território tem que valorizar, o que está atingindo o impacto ambiental que prejudicar, cada u de nós temos dever direito fortalecer...Para indígena é 13% terra e para Produtores Rurais é 60% para que tanta terra....

  • José Bonifácio
    29 Jan 2014 às 15:45

    Parabéns Rui Prado, você realmente tem conhecimento do que é trabalhar e produzir neste estado. Por isso não aceite ser ministro para ser mandado pelo PT e sua catrefa, seja candidato a Deputado Federal que vamos fazer de você um grande representante do agro negócio e do povo mato-grossense no Congresso Nacional. Estão querendo te dar ministério para te anular. Não caia nessa!

  • Paulo Justos Kuiabano
    29 Jan 2014 às 14:35

    terra de quem? Ah! sei!! Calamidade, mesmo, é um cargo importante como o de ministro da agricultura ser ocupado por quem deveria ter respeito de fato as decisões judiciais coerentes se limitando a não comentá-la principalmente em mídia. Calamidade é um suposto ministro querer reinventar a história e dizer "entre linhas" que em marãiwatsede todos os indígenas xavantes são marcianos e nunca habitaram aquela região. Calamidade extrema é de um possível ministro da agricultura querer responder pelo Ministério da Justiça. Se há um pré requisito indispensável para exercer a função de ministro é ser bem assessorado e usar o mínimo de bom senso e conhecimento da legislação da nossa Carta Magna. O ministério requer além do mais Gestor que veja a necessidade do nosso país produzir com eficiência e eficácia(maior produção em menor espaço de área plantada) e mais, voltar a atenção para a produção orgânica que é a tendência mundial e não ficar produzindo em larga escala para alimentar suínos do Brasil e mundo afora.

  • Cezar
    29 Jan 2014 às 14:02

    Concordo com o Ruy Prado, neste lamentável episódio onde foi tirada dessas famílias a sua sobrevivência, o seu patrimônio fruto de trabalho árduo, no minimo o Governo deveria ter indenizado esses produtores, prestar assistência de todas as formas, cade o pessoal dos direitos humanos, ou essas famílias não são dignas de respeito de todos. Da a impressão que esta havendo uma inversão muito grande dos valores humanos nestes casos, se uns tem direitos porque os outros não teriam.

  • SILVIO
    29 Jan 2014 às 13:55

    Falou quem tem conhecimento da região não parte da imprensa que só vai no araguaia de carona (cif ) do avião da comitiva do governador Sival

  • Benjamim de Leverger
    29 Jan 2014 às 13:06

    Correta a fala do Ruy Prado no que diz respeito atuação do Governo Federal, no triste episódio MARÃIWATSÉDE. Afinal, se todo homem pú blico de Mato Grosso, tiver que rezar tão somente na Cartilha Federal, haja cliente para outros novos BANCOS que serão aprovados pa ra nosso Estado. Certo Senador?. Falar e lutar por justa causa, é democracia plena.

Sitevip Internet