Olhar Jurídico

Domingo, 26 de janeiro de 2020

Notícias / Criminal

JBS enriqueceu em MT sonegando ICMS e recebendo Prodeic em troca de propinas, diz delator da Lava Jato

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

16 Set 2017 - 14:45

Foto: Reprodução

JBS enriqueceu em MT sonegando ICMS e recebendo Prodeic em troca de propinas, diz delator da Lava Jato
O corretor de valores (doleiro) Lúcio Bolonha Funaro, preso em Brasília pela “Operação Lava Jato”, revelou em depoimento a Procuradoria-Geral da República (PGR) que parte dos lucros do Grupo JBS tinha como origem os esquemas de sonegação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), obtidos mediante pagamentos de propinas a políticos do Mato Grosso.

Leia mais:
Emanuel Pinheiro diz ter 'provas fortes' à seu favor e se dispõe a depor na PF

 
“Grande parte do lucro da JBS é relacionado ao esquema de fraude e sonegação do ICMS e o incentivo fiscal que ele conseguia através de pagamento de propina a políticos no Mato Grosso”, declarou Funaro em seu acordo de delação premiada. 

Declaração que corrobora com a delação premiada do empresário Wesley Batista, presidente do Grupo JBS, hoje preso pela Lava Jato. Ele admitiu à PGR a empresa pagou cerca de R$ 10 milhões ao ano em propinas para o ex-governador de Mato Gross Silval Barbosa, entre os anos de 2012 e 2014, em troca da concessão de crédito de ICMS no valor de R$ 74,6 milhões.

Em 2014, o ex-governador concordou com a falsificação de um documento supostamente de 2006 que estendia o benefício fiscal a todos os 11 frigoríficos da JBS espalhados por Mato Grosso.

Em outro trecho de sua delação, Wesley afirma que repassou, entre 2011 e 2013, R$ 30 milhões em propina para a organização criminosa de Silval. O objetivo seria enquadrar-se ao Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).
 
Hoje delator, o próprio ex-governador do Estado Silval da Cunha Barbosa confirma a “farra dos incentivos fiscais” promovidas pelo peemedebista em MT. O colaborador afirma que a JBS aceitou a pagar cerca de R$ 14 milhões em propinas para a organização criminosa do Estado.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • catarina monteiro
    18 Set 2017 às 11:08

    corja de safados, aguardamos que a justiça coloque todos na cadeia pública sem direito a prisão domiciliar

  • Marcos
    16 Set 2017 às 16:11

    Não foi só a JBS que enriqueceu pagando propina em troca de subsídio não. Uma usina de produção de etanol em São José do Rio Claro também e o esquema é antigo. Com a palavra o MPE.

  • Ricardo Ramos
    16 Set 2017 às 16:10

    E os nossos órgãos de controle? Por onde andavam os auditores do TCE? E a desembargadoria com seus armanis feitos sob medidas? Para que servem estes aparelhos de controle e suas instalações faraônicas, que só agem depois que a Polícia Federal passa? Podem fechá-los e repassar os seus gastos (inúteis) para a saúde.

  • Carlos
    16 Set 2017 às 15:29

    Estes irmão petralhas devem apodrecer na cadeia, afinal roubaram descaradamente a nação brasileira com o apoio de seus governantes, que devem lhes fazer companhia. Canalhas !!!

Sitevip Internet