Olhar Jurídico

Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Notícias / Civil

Empresa de Mauro Mendes participa de licitação sem apresentar certidões fiscais

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Mai 2019 - 10:35

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Empresa de Mauro Mendes participa de licitação sem apresentar certidões fiscais
A Primeira Vara Cível de Cuiabá, especializada em recuperação judicial e falência, autorizou que a Bimetal Indústria Metalúrgica, ligada ao governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), participe de um pregão eletrônico da Superintendência da Polícia Rodoviária Federal do Rio Grande do Sul sem a necessidade de apresentação de certidão negativa de regularidade fiscal.

Caso seja vencedora, a empresa também está autorizada a receber os valores do contrato.
 
Leia também 
STF adia julgamento de ação que pode autorizar Mauro Mendes a reduzir salários


A decisão da Justiça se tornou necessária porque o grupo de empresas de Mendes passa por recuperação judicial. Foi considerado que deixar de participar do pregão por falta de apresentação das certidões limitaria a atuação da empresa, trazendo graves prejuízos.
 
“Não seria razoável que o Poder Público estimule a recuperação da atividade empresarial das recuperandas e, ao mesmo tempo, vede sua contratação por meio de licitação, mormente quando a prestação de serviço público faz parte da atividade principal da pessoa jurídica envolvida”, afirmou trecho da decisão publicada no Diário de Justiça desta segunda-feira (13).
 
Mauro Mendes requisitou no dia 3 de setembro de 2018 o encerramento de sua recuperação judicial, mas o caso ainda não foi encerrado.
 
Ação foi autorizada em 2015, ocasião em que as empresas acumulavam cerca de R$ 126 milhões em dívidas. O plano para a repactuação dos débitos foi homologado em 2016.
 
Até setembro de 2018, 44% dos débitos estavam quitados. A crise no grupo começou em 2014. As empresas tinham uma expectativa de faturamento de R$ 440 milhões, em razão de grandes contratos em Mato Grosso, Rondônia, Acre e Piauí. Porém, tal cifra não foi atingida por vários fatores, entre eles a demora para receber um aditivo de R$ 55 milhões junto à empresa Matrinchã Transmissora de Energia, que só foi pago em dezembro do ano seguinte.

O fator crucial, segundo Mauro Mendes, foi a deflagração da Operação Ararath, em que ele foi alvo de busca e apreensão.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Só na observação
    14 Mai 2019 às 11:16

    Alguém mais tem dúvida sobre a "honestidade e desapego" desse senhor que está governador de Mato Grosso?

  • Angelo
    13 Mai 2019 às 20:07

    A empresa está em recuperação judicial e quer se "recuperar" em cima do estado? Confere, produção?

  • joao
    13 Mai 2019 às 19:16

    ESSE É O MAURO MENTES

  • joaoderondonopolis
    13 Mai 2019 às 15:04

    Antigamente um rapaz ou uma moça para conseguir um emprego, deveria apresentar uma tal de "folha corrida" que era expedido pela delegacia de polícia. Qualquer mancha (é o que chamava quando tinha negativa), estava fora do pretenso emprego. A vida hoje é bem diferente. Vimos presos sendo candidatos a todos os cargos eletivos. E a tendência é ficar cada dia pior. Só Jesus na causa.

  • Areal
    13 Mai 2019 às 10:54

    Nesse pais quanto mais corrupto ser é melhor ..as vezes me da vergonha de ser honesto ..

Sitevip Internet