Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

MPE denuncia procuradora aposentada que atropelou gari por lesão corporal culposa

Da Redação - Arthur Santos da Silva

01 Jul 2019 - 14:22

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Darliney Silva Madaleno

Darliney Silva Madaleno

O Ministério Público (MPE) ofereceu na sexta-feira (28) denúncia contra a procuradora aposentada Luiza Farias Correa da Costa, por lesão corporal culposa de natureza gravíssima.

Leia também 
TJ derruba decisão e impede que governo confisque receita do Sintep para pagar transporte escolar


O delito ocorreu no dia 20 de novembro de 2018, na avenida Getúlio Vargas, quando a denunciada, dirigindo um veículo Jeep Renegade, colidiu contra a traseira de um caminhão que realizava a coleta de lixo e estava parado na faixa esquerda da via, atingindo o gari Darliney Silva Madaleno. 

De acordo com a denúncia, Luiza praticou lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e conduziu o carro “com capacidade psicomotora alterada em razão da ingestão de álcool”. Em razão do impacto, a vítima sofreu lesões corporais de natureza gravíssima (perda de membro e deformidade permanente).

Na hora do crime, investigadores de polícia foram acionados e, durante a abordagem, constataram que a denunciada estava “em visível estado de embriaguez alcoólica”. Quando submetida ao teste de bafômetro, o resultado verificado foi de 0,66 miligramas de álcool por litro de ar alveolar, que é superior ao limite permitido por lei. 

A procuradora aposentada foi autuada em flagrante delito e encaminhada à delegacia, onde confessou ter ingerido bebida alcoólica antes de conduzir o veículo. Contudo, posteriormente, retificou em parte o interrogatório, negando a ingestão de bebida alcoólica e afirmando não se lembrar de ter realizado o teste de bafômetro no dia do acidente. 

A denúncia imputa à procuradora aposentada a prática dos crimes previstos no artigo  303, §2°, cumulado com artigo 291, § 1º, inciso I, e artigo 306, § 1°, inciso I, todos do Código de Trânsito Brasileiro, cumulado também com artigo 69 do Código Penal. O processo foi encaminhado para 4ª Vara Criminal de Cuiabá e encontra-se concluso para análise da denúncia. 

(Com informações da assessoria) 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • trabalhador
    02 Jul 2019 às 08:58

    so quem teve uma vitima em familia pode saber a dor e transtornos que uma familia enfrenta com a falta de consciencia destas pessoas que saem ai toda noite pra tomar cachaça sem se importar em se colocar do outro lado se saiu tomou também tem que assumir a responsabilidade de estar em um volante ,sabendoque uma latinha de cerveja altera todo o metabolismo de uma pessoa ,fiscalização nas ruas blitz por favor precisam doer no bolso multas pesadas e muitas destas pessoas com crianças ,quem sabe um dia poderemos ter um transito seguro e pessoas na direção responsavel.

  • DOMINGOS SANTANA DA CRUZ
    01 Jul 2019 às 15:26

    DEVERIA O TRIBUNAL QUANDO DO JULGAMENTO DESSA SENHORA, ARBITRAR UMA BOA GRANA AO GARI POR DANOS,SÓ ASSIM ELA VAI SENTIR NO BOLSO O ESTRAGO QUE ELA COMETEU AO TRABALHADOR.

  • Lola
    01 Jul 2019 às 15:15

    Aeee Brasil, reagee

Sitevip Internet