Olhar Jurídico

Sábado, 21 de maio de 2022

Notícias | Criminal

pedido STJ

Deputados esvaziam sessão para não votar pedido de investigação contra Silval

Foto: Reprodução

Deputados esvaziam sessão para não votar pedido de investigação contra Silval
Os deputados estaduais esvaziaram a sessão matinal desta quarta-feira (31) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) antes de iniciar a pauta de votações. A presença de apenas 11 parlamentares no plenário pode ser considerada uma manobra para evitar a votação do pedido do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para investigar o governador Silval Barbosa (PMDB).

Na sessão de ontem os parlamentares iniciaram a votação da matéria e a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) se manifestou pelo arquivamento, mas a apreciação foi suspensa depois de pedido de vista do deputado Dilmar Dal Bosco (DEM).

Após pedido de vistas, ALMT deve retomar votação de processo contra Silval hoje
Após 'pressão', ALMT irá decidir sobre processo contra Silval

O parlamentar analisou os documentos e devolveu à Mesa Diretora na manhã de hoje, mas como o quórum mínimo para iniciar as votações no parlamento é de 13 deputados e apenas 11 se faziam presentes no Plenário a sessão acabou encerrada.

Segundo Dilmar Dal Bosco, no início da sessão 17 deputados se inscreveram para participar do pequeno expediente, porém alguns acabaram se retirando do Plenário quando iria iniciar a votação das matérias em pauta para a sessão desta quarta.

Mesmo que o quórum mínimo de 13 parlamentares fosse respeitado é necessário pelo menos 2/3 de deputados presentes para apreciar o pedido de investigação do STJ contra o governador do Estado. O presidente da AL, deputado José Riva (PSD) e o líder do governo Romoaldo Júnior (PMDB) não participaram da sessão.

MPF denúncia Silval Barbosa

O STJ vem oficiando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso desde dezembro de 2011 para apreciar o pedido de autorização para investigar o governador Silval Barbosa (PMDB), acusado de fraude em licitação, lavagem de dinheiro decorrente de crime contra administração pública, supressão de documentos, peculato, ordenação de despesa não autorizada por lei e formação de quadrilha.

De acordo com a denúncia, os envolvidos teriam se associado para praticar delitos, desviando dinheiro público mediante fraudes em procedimentos licitatórios para pagamentos de serviços não prestados e ocultando e dissimulando a origem ilícita do dinheiro obtido.

A pedido do presidente da ALMT, deputado José Riva, também denunciado, a ação penal, que está no STJ desde 2009, foi desmembrada. Assim, ele passou a responder ao processo na Justiça de Mato Grosso. Na condição de governador e conselheiro, Barbosa, que também foi deputado estadual, e Humberto Bosaipo têm prerrogativa de foro perante o STJ.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet