Olhar Jurídico

Sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Acusação aponta pagamento de R$ 1,1 milhão em propina a desembargador aposentado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

08 Out 2019 - 16:10

Foto: Arquivo Assembleia Legislativa de Mato Grosso

José Riva e Evandro Stábile

José Riva e Evandro Stábile

Proposta de delação premiada atribuída ao ex-deputado estadual José Riva afirma que o desembargar aposentado compulsoriamente por venda de sentença, Evandro Stábile, recebeu R$ 1,1 milhão para evitar cassações de políticos na Justiça Eleitoral de Mato Grosso.
 
Leia também 
Proposta de delação premiada confirma crimes investigados em quatro operações


Os detalhes constam em documento que teria sido encaminhado à procuradora de Justiça Ana Cristina Bardusco, chefe do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), no dia 27 de março.

Conforme Riva, o valor foi pago pelo empresário Junior Mendonça, atualmente delator premiado em processos da Operação Ararath. A Polícia Federal já havia revelado suposto pagamento a Stábile, conforme informações prestadas por Mendonça.
 
Stábile estava preso desde setembro de 2018 em consequência de uma pena de 6 anos e ganhou liberdade no dia 20 de maio de 2019. A progressão do regime fechado ao semiaberto foi determinada levando em consideração o cálculo automático do Sistema Eletrônico de Execução Unificada (Seeu).

Requisitos subjetivos também foram considerados. Não houve notícia de falta grave ou média no período em que o desembargador esteve na prisão. Ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), ele foi condenado por aceitar e cobrar propina em troca de decisão judicial.      

O crime de corrupção passiva foi descoberto no curso das investigações da operação Asafe, na qual a Polícia Federal apurou um esquema de venda de sentenças.
 
Na época da condenação, em 2015, a relatora da ação penal, ministra Nancy Andrighi, apontou que o desembargador aceitou e cobrou propina para manter a prefeita de Alto Paraguai (218 km a médio-norte de Cuiabá) no cargo.

Ela perdeu as eleições, mas o vencedor teve o mandato cassado por suposto abuso de poder econômico.  

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • CURIOSO
    09 Out 2019 às 08:41

    SÓ GENTE BOA .....

  • Teodorico Montemayor - CP-45
    09 Out 2019 às 07:47

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Zumbi
    09 Out 2019 às 07:01

    Judiciário metido até as cabeças nessa lama podre ainda tem o caso dos grampos onde Querem na cara dura livrar alguns menbros envolvidos...a chance de tudo isso não dar em.nada é gigantesca...ainda tem bolsominions gritando que o país está melhor kakakakkakaka tolos.

  • José Brandão
    09 Out 2019 às 04:07

    Não sei por que eu estou sempre sendo enganado por essa gente. Estou já velho e quantas vezes já fui enganado! Chega não quero morrer enganado.

  • josé de souza
    08 Out 2019 às 21:49

    RIVA JOGANDO PEDRADAS,DR. EVANDRO UMA EXCELENTE PESSOA

  • Lima
    08 Out 2019 às 20:14

    Estude bastante quem sabe você um dia chegue a ser juiz. O crime compensa, infelizmente no Brasil é assim.

  • Zenobio
    08 Out 2019 às 19:15

    Dos ditos cujos, grande novidade!

  • Marcos Paulo
    08 Out 2019 às 16:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • fpg
    08 Out 2019 às 16:46

    Alguém ainda acredita na justiça brasileira? Mas o desembargador teve uma punição exemplar,foi aposentado compulsoriamente. A turma do bilhão não tem nenhum preso e o pobre tem que se fu..... mesmo, pois quando chega em época de eleição ou votam nos mesmos,familiares ou em quem indicam.

  • CHIRRÃO
    08 Out 2019 às 16:33

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet