Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Justiça revoga cautelares de empresário acusado de extorquir políticos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Out 2019 - 10:45

Foto: Reprodução

Jorge Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá

Jorge Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá

O juiz Jorge Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, revogou no dia dois de  outubro medidas cautelares impostas ao empresário  Max Feitosa Milas, réu em processo proveniente da Operação Liberdade de Extorsão.

Leia tambéme
Cartorário de Poconé e afastado pela quarta vez; interventora registra ameaça

 
Milas já estava livre de tornozeleira eletrônica por decisão de segunda instância. Foram revogadas por Jorge Tadeus as cautelares de proibição de se ausentar da comarca sem prévia autorização do juízo, proibição de manter contato com qualquer das vítimas e testemunhas envolvidas na ação penal originária e recolhimento domiciliar no período noturno, feriados e finais de semana.

Foram mantidas as seguintes medidas: comparecimento em juízo, até o quinto dia útil de cada mês, para esclarecer e justificar suas atividades e proibição de publicação, em qualquer dos meios de comunicação integrantes do Grupo Milas de Comunicação, de matérias relativas às vítimas envolvidas na ação penal originária.
 
Entre as supostas vítimas de extorsão estão Silval Barbosa, ex-governador, e Pedro Nadaf, ex-secretário de Casa Civil. Segundo o Ministério Público, Max agia junto de Antônio Carlos Milas, Antônio Peres Pacheco, Haroldo Ribeiro, Maycon Feitosa Milas, e Naedson Martins da Silva.

Conforme os autos, os réus utilizavam a empresa Grupo Milas de Comunicação como suporte à prática. A denúncia teve origem no Inquérito Policial instaurado pela Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Administração Pública,

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet