Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Juiz intima oito militares para sessão de instrução de tenente Ledur após morte de aluno

Da Redação - Vinicius Mendes

17 Out 2019 - 16:27

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juiz intima oito militares para sessão de instrução de tenente Ledur após morte de aluno
O juiz Marcos Faleiros da Silva, da 11ª Vara Criminal Especializada Justiça Militar, intimou oito militares, três médicos e outras três testemunhas para a audiência sobre o caso do aluno soldado Rodrigo Claro, morto após ser torturado pela tenente Izadora Ledur Souza Dechamps, no treinamento dos Bombeiros na Lagoa Trevisan, em novembro de 2016. A audiência já foi adiada três vezes este ano.
 
Leia mais:
Audiência de ação contra tenente Ledur é adiada pela 3ª vez consecutiva este ano
 
A Sessão de Instrução deveria ter ocorrido no último dia 16 de setembro, mas acabou sendo remarcada para o próximo dia 4 de novembro. Em despachos dos últimos dias 15 e 16 de outubro o juiz Marcos Faleiros intimou os juízes militares e as 14 testemunhas.
 
As testemunhas militares intimadas foram: TC BM Licínio Ramalho Tavares, 3º SGT BM Joilson Nunes da Silva, 1º SGT BM Marcizio Oliveira Moraes, CAP BM Janisley Teodoro Silva, SD BM Rafael do Carmo Lisboa, 2º SGT BM José Luiz da Silva, SD BM Tiago Roseno da Silva e MAJ PM Gabriel Rodrigues Leal.
 
As demais testemunhas intimadas foram: o perito oficial médico legista Dionisio Jose Bochese Andreoni, o fotógrafo Lindomar Pereira de Araújo, a médica Juliana Caramori Dallastra Ricci, a médica Nathália Leite Oliveira Zeitoun, o médico Fabio Ridolfi de Figueiredo e a jornalista Larissa Malheiros Batista.
 
A sessão de instrução está designada para às 14h do próximo dia 4 de novembro, na sala da 11ª Vara Criminal Especializada Justiça Militar no Fórum de Cuiabá.
 
O caso
 
Rodrigo Patrício Lima Claro, de 21 anos, ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e faleceu por volta de 1h40 do dia 16 de novembro de 2016. Ele teria sido dispensado no final do treinamento do curso dos bombeiros, após reclamar de dores na cabeça e exaustão. O jovem teria passado por sessões de afogamento e agressões por parte da tenente Izadora ledur.
 
O Corpo de Bombeiros informou que já no Batalhão ele teria se queixado das dores e foi levado para a policlínica em frente à instituição. Ali, sofreu duas convulsões e foi encaminhado em estado crítico ao Jardim Cuiabá, onde permaneceu internado em coma, mas acabou falecendo.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paolo
    05 Nov 2019 às 11:07

    Mostrem essa palhaçada em rede nacional .

  • alex r
    05 Nov 2019 às 09:56

    Ela é filha de quem? ta vergonhoso esse teatrinho a sociedade sabe que tendo tudo pra condenar não se condena pq? Corporativistas .

  • Crítico
    17 Out 2019 às 20:10

    Isso está sendo o m grande teatro que vai se tornar uma grande PIZZA. As provas testemunhais já produzidas não deixam duvidas da culpabilidade da Oficial.

  • José
    17 Out 2019 às 18:05

    É imperioso expulsar do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar os denunciados pelas mortes do Rodrigo Claro e do Soldado Abinoão Oliveira. Espero, ainda, que a Justiça Militar condene todos os envolvidos nos sobreditos casos, inclusive com a perda do cargo público. Chega de impunidade neste Estado!

Sitevip Internet